Aerogeofísica aplicada ao mapeamento geológico

Aerogeofísica aplicada ao mapeamento geológico

Marabá, PA 2017

Marcílio Rocha

Geólogo marcilio.ufpa@gmail.com (94) 98101-9300

PARTE 1 (TEÓRICA)

PARTE 2 (PRÁTICA)

A geofísica estuda as propriedades físicas da Terra (calor, radioatividade, magnetismo, gravidade, eletricidade, propagação de ondas elásticas etc.) para investigar seu interior, tanto nas camadas mais superficiais quanto nas porções mais profundas de nosso planeta (IAG/USP).

A aerogeofísica é a área da geofísica que utiliza dados coletados a partir de aeronaves, tipicamente aviões e helicópteros, para caracterizar grandes áreas com interesse exploratório, tanto a nível de reconhecimento preliminar quanto a nível de detalhamento (IAG/USP).

Fonte: BGR Fonte: Sernageomin

Fatores quepodem afetaro levantamento: Vegetação; Clima; Umidade; Topografia; Solo e etc.

Fonte: Geological Survey of Finland (GSF) Fonte: BGR

Fonte: GSF

Fonte: Ribeiro et al. 2014

1:2.500.0 –4 km

1:1.0.0 –4 km-2 km

1:500.0 –2 km

1:250.0 –1 km (eventualmente 2 km)

Apesar de existirem mais de 50 isótopos radioativos diferentes na natureza, a maioria é muito rara ou fracamente radioativa. Assim, as principais fontes de radiação gama detectadas na superfície terrestre provêm da desintegração natural do Potássio (40K) e dos elementos das séries do Urânio

(238U) e do Tório (232Th) presentes na composição da maioria

A principal ocorrência do potássio (K) em associações minerais se dá nos feldspatos potássicos;

O tório (Th) e urânio (U) estão presentes nas rochas em minerais acessórios como zircão, monazita, allanita, apatita e xenotímio.

K (2,32%);Th (10,5 ppm) U (2,7 ppm)

Conteúdode K, U e Themrochas ígneas. Fonte: Matolín(1984).

Conteúdode K, U e Themrochas sedimentares. Fonte: Matolín(1984).

Conteúdode K, U e Themrochas metamórficas. Fonte: Matolín(1984).

Variação pela média do conteúdo de K, U e Th para algumas rochas com acréscimo de SiO2 (Modificado de Dickson & Scott 1997).

Espectros da radiação gama mostrando as posições da janela de energia para os

elementos K, U e Th e da

Contagem Total (Modificado de Foote 1968).

Tabela com os valores dos canais e dos picos (em MeV)

associados aos canais dos elementos radiométricos (Modificado de IAEA 2003).

R (red) K (%)

B (blue) eU (ppm)

G (green) eTh (ppm)

Red = alto K com baixoU e Th

Blue = altoU com baixoK e Th

Green = altoThcombaixoK e U

Cyan = altoThe U com baixoK

Magenta = altoK e U combaixoTh

Yellow = altoK e Thcom baixoU

Black = low K, The U White = altoK, The U.

Red = alto K com baixoU e Th

Blue = altoU com baixoK e Th

Green = altoThcombaixoK e U

Cyan = altoThe U com baixoK

Magenta = altoK e U combaixoTh

Yellow = altoK e Thcom baixoU

Black = low K, The U White = altoK, The U.

A magnetometria mede pequenas variações na intensidade do campo magnético terrestre.

As anomalias magnéticas são produzidas por corpos ou estruturas que apresentam minerais magnéticos, tais como magnetita, ilmenita e pirrotita.

Campo Magnético TotalAmplitude do Sinal Analítico (ASA)

Fonte Magnética

Fonte Magnética

Relevo + CT

Relevo + eU

Relevo + K

Relevo + eTh

Relevo + eU

Relevo + eTh

Relevo + K

Relevo + Ternária

Litologia Relevo

Relevo + eU

Relevo + eTh

Relevo + Ternária

Relevo + eTh

Relevo

+ K Litologia

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO Litologia

Relevo + Ternária

Relevo + ASA

CT + Litologia

Relevo + Ternária

Relevo + ASA

Litologia Relevo

Relevo + Ternária

Relevo + ASA

Litologia

Relevo + ASA

Relevo + Ternária

Relevo + ASA

Visão 3D da combinação entre imagem geofísica (ternária) + relevo (ALOS)

Visão 3D da combinação entre imagem ASA + relevo (ALOS)

Visão 3D da combinação entre imagem ASA + relevo (ALOS)

Visão 3D da combinação entre imagem CT + relevo (ALOS)

PARTE 2 (PRÁTICA)

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO ALOS PALSAR 12.5 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + CONTAGEM TOTAL 500 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + IMAGEM TERNÁRIA 500 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + CANAL DO TÓRIO 500 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + CANAL DO URÂNIO 500 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + CANAL DO POTÁSSIO 500 m

AEROGEOFÍSICA APLICADA AO MAPEAMENTO GEOLÓGICO RELEVO + ASA 500 m

BGR. Federal Institute for Geosciences and Natural Resources. https://w.bgr.bund.de/EN/Themen/GG_Geophysik/Aerogeophysik/Bilder/prinzip_gamma_spekt rometrie_g.html?n=1555984Acesso em 02/06/2017.

BLUM M. L. B. 1999. Processamento e interpretação de dados de geofísica aérea no Brasil

Central e sua aplicação à geologia regional e à prospecção mineral. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências, Universidade de Brasília.

Cox K. G.; Bell J. D.; Pankhurst R. J. 1979. The interpretation of igneous rocks. Londres: George Allen & Unuwin. 450 p.

Dickin A. D. 1995. Radiogenic Isotope Geology. Cambridge: Cambridge University. Press. 490 p.

Dickson B. L.; Scott K. M. 1997. Interpretation of aerial gamma-ray surveys - adding the geochemical factors.AGSO J. Australia Geology & Geophysics 17(2):187-200.

PETROGRAFIA E MINERALOGIA DO FURO SPD-120 DO DEPÓSITO DE SERRA PELADA

Faure G. 1997. Principles and applications of geochemistry. Nova Iorque: Prentice Hall. 589p.

Geological Survey of Finland. Unique geophysical airborne data covering all of Finland. http://en.gtk.fi/export/sites/en/_system/In_focus/kuvat/lentokone_pieni.jpg Acesso em 02/06/2017.

Geological Survey of Finland. Unique geophysical airborne data covering all of Finland. http://en.gtk.fi/export/sites/en/_system/In_focus/kuvat/sisakuva.jpg Acesso em 02/06/2017.

IAEA. 1991. Airborne gamma ray spectrometer surveying. Technical Reports Series nº. 323. Viena: Intern. Atomic Energy Agency.

IAG/USP. Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo. Aerogeofísica. http://www.iag.usp.br/siae98/geofisica/aerogeof.htm Acesso em 02/06/2017.

IAG/USP. Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São

Paulo. O que é geofísica. http://www.iag.usp.br/geofisica/graduacao/content/o-que-é-geofísica Acesso em 02/06/2017.

PETROGRAFIA E MINERALOGIA DO FURO SPD-120 DO DEPÓSITO DE SERRA PELADA

MATOLIN, M. Radiometric methods and methods of nuclear geophysics. In: MARES, Stanislav. Introduction to applied geophysics. Holland: Dordrecht, 1984. p. 154-231.

Ribeiro, V. B.; Mantovani, M. S. M.; Louro, V. H. A. 2014. Aerogamaespectrometria e suas aplicações no mapeamento geológico. Terræ Didatica, 10(1):29-51.

SERNAGEOMIN. Servicio Nacional de Geología y Minería. Mapa geofísico: Sernageomin informa avance de “radiografía” al subsuelo de Chile. http://www.sernageomin.cl/detallenoticia.php?iIdNoticia=163 Acesso em 02/06/2017.

Servicio Nacional de Geología y Minería. Mapa geofísico: Sernageomin informa avance de “radiografía” al subsuelo de Chile. http://www.sernageomin.cl/detalle-noticia.php?iIdNoticia=163 Acesso em 02/06/2017.

Telford W. M.; Geldart L. P.; Sheriff R. E. 1990. Applied geophysics. 2 ed. Nova Iorque: University of Cambridge. 770p.

PETROGRAFIA E MINERALOGIA DO FURO SPD-120 DO DEPÓSITO DE SERRA PELADA

Comentários