Impactos ambientais da urbanização (2)

Impactos ambientais da urbanização (2)

(Parte 1 de 2)

Roseane Cristina Silva Oliveira

Mestranda, Campina Grande – PB, Av. Aprígio Veloso 882, CEP 58109-970, e-mail: crystina40@hotmail.com

Raimundo Mainar de Medeiros

Doutorando em Meteorologia/PPGM, UFCG, Campina Grande - PB, Av. Aprígio Veloso 882, CEP 58109-970, e-mail: mainarmedeiros@gmail.com

Francisco de Assis da Costa Neto

Especialização em Engenharia Civil, UFCG, Campina Grande - PB, Av. Aprígio Veloso 882, CEP 58109-970, Fone: (83) 2101-1054, e-mail: francisco.costa@ufcg.edu.br

Hudson Ellen Alencar Menezes

As inundações em áreas urbanas acontecem desde os primórdios da civilização, seja pela geografia natural dos rios ou pela ação antrópica. No caso da bacia hidrográfica do rio Uruçuí Preto (BHRUP) não é diferente, seu curso abrange quarenta e nove municípios. A partir da ocupação desordenada de sua área, o processo de expansão e estruturação urbana da área da bacia é contínuo, crescente e desordenado, influenciando de certa forma sobre o meio ambiente, onde é notória a falta de uma política e gerenciamento urbanos “embora esta exista” voltada no sentido de minimizar os impactos resultantes. Desta forma tem-se como objetivo elencar os impactos ambientais decorrentes da urbanização da BHRUP. Esta pesquisa é do tipo descritivo-explicativa, realizada a partir de levantamentos bibliográficos, empregados os métodos dedutivos, de análise, de síntese e o dialético. Observa-se ausência de políticas efetivas, ocasionado um aumento crescente das doenças de veiculação hídrica, causando o sofrimento das populações carentes que convivem com essa falta de infraestrutura básica. Conclui-se que, a BHRUP encontra-se bastante degradada e a melhor alternativa para reverter esse quadro é incorporar metodologias de caráter participativo, que envolvem a comunidade. Palavras-Chave: Planejamento, expansão e estruturação urbana, degradação ambiental.

Floods happen in urban areas since the dawn of civilization, is the natural geography of rivers or by human action. In the case of river basin Uruçuí Preto (BHRUP) is no different, your course covers forty-nine municipalities. From the disorderly occupation of its area, the process of expansion and urban structure of the basin area is continuous, increasing and uncontrolled, influencing in some way on the environment, which is notorious for lack of a policy and urban management "although this there is "geared to minimize the resulting impacts. Thus has aimed to list the environmental impacts of urbanization BHRUP. This research is a descriptive-explanatory type, made from literature surveys, employees deductive methods, analysis, synthesis and dialectical. Observes the absence of effective policies, caused a growing increase in waterborne diseases, causing the suffering of poor people who live with this lack of basic infrastructure. We conclude that the BHRUP is highly degraded and the best alternative to turn around this is to incorporate methodologies for participatory character, involving the community. Keywords: Planning, structuring and urban expansion, environmental degradation

O conceito de cidade está intimamente ligado à ideia de concentração de muitas pessoas em um espaço relativamente restrito. No momento em que o homem deixa de ser peregrino e fixa no solo como agricultor é o primeiro passo para a formação das cidades. Quando o homem começa a dominar um elenco de técnicas menos rudimentares que lhe permitem extrair algum excedente agrícola, é um segundo impulso para o surgimento das cidades, visto que ele pode agora dedicar-se a outra função que não a de plantar (Carlos, 2005).

Diante do processo de substituição das atividades primárias por atividades secundárias e terciárias, transformaram a cidade em uma área urbana para qual convergem pessoas, mercadorias, capitais, tecnologias, etc..

As cidades constituem o centro das transformações advindas da conflituosa relação entre sociedade e natureza, por agregarem num só espaço componente complexo. Na atualidade os problemas urbanitários são perceptíveis na totalidade dos centros urbanos, independente das dimensões territoriais e do número de habitantes.

O Brasil nos séculos XVIII e XIX já possuía cidades importantes sob o ponto de vista da urbanização, mas foi somente a partir do século X que ocorreu a aceleração desse processo. Inicialmente, com cerca de 10% da população vivendo nas áreas urbanas e, no final daquele século, este percentual já chegava a 81% da população brasileira. Apesar desse processo de urbanização ter ocorrido no período republicano, a grande influência das heranças colonial e escravista contribuiu para a formação das cidades. (Rego, 2007).

O processo de urbanização iniciou-se com o surgimento das cidades. Este consiste num processo pela qual a população urbana cresce em proporção superior a população rural. Sendo um fenômeno de concentração urbana e consequentemente é responsável pelo crescimento populacional e pela expansão territorial das cidades. É na cidade que comumente se concentram ações antrópicas (Carlos, 2005).

É notório que o ato de ocupar uma parcela do espaço envolve o ato de produzir o lugar, este por sua vez está diretamente relacionado com o processo denominado urbanização. Para Oliva (1995) a urbanização não é apenas um fenômeno de crescimentos de cidades, significa uma nova forma de vida para a humanidade, são novas relações sociais, novos comportamentos e o afastamento definitivo de uma existência ligada à natureza, trata-se de um espaço artificial, histórico, um espaço humano por excelência, construído totalmente pelas mãos dos homens.

No entanto, o crescimento acentuado e desordenado dos núcleos urbanos só ocorreu após a

Primeira Revolução Industrial, no século XIX, quando diversas massas convergiram para as cidades em busca de emprego e de melhores condições de vida. Este aumento significativo da população transformou as cidades num verdadeiro caos, já que não havia moradias suficientes, tão pouca infraestrutura de saneamento básico e higiene.

Oliva (1995) afirma que a Revolução Industrial refere-se ao conjunto de modificações socioeconômicas, que inclui a industrialização e a urbanização como dois dos seus principais elementos. Sendo importante na consolidação das sociedades modernas capitalistas. Há dados históricos suficientes para afirmar-se que não só a indústria provocou a urbanização, como as cidades preexistentes possibilitaram a industrialização.

Segundo Abreu (2010), as cidades crescem de forma desordenada, o que é perceptível na paisagem e na malha urbana, e não há um controle público sobre o espaço construído.

Nasce um ambiente desordenado e inabitável, resultantes de políticas públicas e particulares, não reguladas e não coordenadas que gera inúmeros e graves problemas, econômicos, sociais e de saúde, para a população e para o meio ambiente. Tais atividades que envolvem as questões ambientais promovem o processo de degradação do ambiente que, geralmente, é consequência do processo de urbanização que ocorre de maneira aleatória ou inadequada, provocando impactos ambientais. COMDEPI 2002.

Conforme Custódio (1995), impacto ambiental constitui cada alteração, qualitativa ou quantitativa, de forma alternada ou simultânea, do meio ambiente, compreendido como sistema de relações entre os fatores humanos, físicos, químicos, naturalísticos, climáticos e econômicos, em consequência da realização de projetos relativos a obras particulares ou intervenções públicas.

Segundo Botelho (2007), o homem começa a entender a impossibilidade de transformar as regras da natureza e a importância da reformulação de suas práticas ambientais, ou seja, ele está ciente da perda da qualidade ambiental. A falta de saneamento nas cidades e estrutura, em níveis mínimos que assegurem o bem-estar dos habitantes, gera um quadro de degradação do meio ambiente urbano sem precedentes, sendo os recursos hídricos um dos primeiros elementos integrantes da base de recursos naturais a sofrer tais efeitos. Por esta razão, os espelhos d’água como lago, lagoa, córregos, rios, cacimbas etc., que estejam próximos ou inseridos em alguma cidade apresentam sempre algum tipo de contaminação, sendo o grau de poluição diretamente proporcional à população e ao nível de atividade produtiva da cidade.

O consumo d’água tem excedido a renovação da mesma e o que, atualmente, verifica-se é a falta de água doce, principalmente, junto aos grandes centros urbanos e também a diminuição da qualidade da água, sobretudo devido à poluição hídrica por esgotos domésticos e industriais. (Abreu, 2010).

Inúmeras são as fontes de poluição que contaminam os recursos hídricos. Os efluentes resultantes de atividades agrícolas, industriais e comerciais, bem como os dejetos gerados pelos seres humanos, têm sido lançados historicamente nos leitos comum dos rios, córregos, lagos e lagoas (COMDEPI, 2002).

A bacia hidrográfica do rio Uruçuí Preto (BHRUP) é de fundamental importância para manter o ecossistema das cidades ribeirinhas, e também para abastecer de água toda a sua população; A ocupação das margens do rio com grandes projetos agrícolas, o desmatamento desproporcional e a invasão das terras com as matas ciliares além dos esgotos e agrotóxicos que vem sendo despejado diretamente no rio e seus afluentes sem nenhum tipo de tratamento vem degradando os seus leitos e deixando-os mais rasos;

A diversificação dos usos múltiplos dos recursos hídricos no Brasil depende de vários fatores, entre eles estão o grau de concentração da população humana, do estágio de desenvolvimento econômico regional e da intensidade das atividades nas bacias hidrográficas. O crescimento da população urbana no Brasil promoveu um aumento considerável nas demandas hídricas, associado à expansão urbana, à degradação dos mananciais e à contaminação e poluição.

Tem-se como objetivo identificar os impactos ambientais da BHRUP, mediante os processos ocorrentes de urbanização.

A região é drenada pelo rio Uruçuí Preto e pelos afluentes Ribeirão dos Paulos, Castros,

Colheres e o Morro da água, e pelos riachos da Estiva e Corrente, ambos perenes. A bacia do rio Uruçuí Preto, encontra-se inserida na bacia sedimentar do rio Parnaíba. Possui uma área total de aproximadamente 15.7 km2 , representando 5% do território piauiense e abrange parte da região sudoeste, projetando-se do sul para o norte COMDEPI, (2002). Situa-se entre as coordenadas geográficas 07°18’16’’ a 09°33’06’’de latitude sul e 44°15’30’’ a 45°31’1’’ de longitude oeste.

A bacia tem cota de 500 metros com uma extensão de 532 km, sua declividade média e 2,1 m/Km, com uma área de 48,830 Km2 abrangendo 49 locais que forma a área da bacia hidrográfica.

Com a descoberta da área do Cerrado e a chegada de agricultores, produtores, latifundiários e indústria para implantação de novas culturas agrícolas como: soja, mamona, girassol, mandioca, milho, sorgo, arroz, feijão e de outras monoculturas, aonde vem ocorrendo uma urbanização crescente na área de estudo, além do desenvolvimento, das cidades quando se rompeu com a conjuntura anterior (CEPRO, 2003).

Figura 1 – Localização da BHRUP dentro do estado do Piauí (escala 1:1.0.0). FONTE: IBGE adaptada por Medeiros (2014)

Na área da BHRUP, os principais recursos hídricos são o rio Uruçuí Preto e seus afluentes pelas margens esquerda e direita sendo fonte de alimentação, renda, lazer, agricultura familiar e de sequeiro e, sobretudo, equilíbrio do ecossistema local.

Segundo o IBGE a classificação do uso e ocupação do solo da área em estudo foi realizada levando em consideração sete classes de uso. Na tabela 1 pode-se observar a descriminação dos valores das áreas e seus percentuais de ocupação na área de estudo. Mata – as fitofisionomias enquadradas foram: matas de galeria, matas ciliares, cerradão, veredas; Cerrado – a fitofisionomia cerrado no geral. Cerrado Quebrado – área que já sofreu um processo de desmatamento e atualmente esta em processo de regeneração natural, sendo denominado desta forma devido à presença de algumas espécies nativas, havendo uma menor diversidade de espécies. Queimada – Áreas onde houve a ação do fogo seja pela ação antrópica para se efetuar a limpeza de certas áreas ou por processo de combustão natural do cerrado. Agricultura – áreas de plantio de grãos, dos projetos e fazendas do entorno da região.

Área Antropizada – áreas utilizadas pelas comunidades, como áreas residenciais, pequenas roças, pastos e outras atividades antrópicas. Água - cursos da água, rios, riachos lagos e lagoas.

Uso Área (ha)%
Cerrado8.297,16 3,8
Agricultura751,76 0,3
Água248,8 0,1

Mata 10.103,62 4,6 Cerrado 177.1,32 81,3 Queimada 14.194,13 6,5 Área Antropizada 1.952,80 0,9

Total 212.659,67 97,5

Fonte: IBGE, 2006. Tabela 1. Quantificação do uso e ocupação do solo e porcentagem de cada classe

As informações bibliográficas e cartográficas foram levantadas em instituições públicas e órgãos governamentais, situados no estado do Piauí e nos municípios que estão inseridos na região da bacia. Desse modo, foram obtidas informações a respeito da localização geográfica da bacia, dos aspectos históricos, socioeconômicos e ambientais dos quarenta e noves municípios inseridas.

Para a análise dos fatores potenciais de degradação dos recursos hídricos, foram estabelecidas relações entre os aspectos naturais do ambiente físico e as condições de uso e ocupação do solo. Ainda no presente estudo analisaram-se os impactos diretos e indiretos, de origem antrópica, sobre os recursos hídricos superficiais da bacia.

O fenômeno da urbanização gerou importantes transformações no cenário urbano e nas estruturas de consumo, renda e cultura da população (CEPRO, 2003). É acompanhado de crescimento populacional, pois muitas pessoas passam a buscar a infraestrutura da cidade. Mas a urbanização é, consequentemente, o crescimento populacional sem um planejamento urbano é responsável pelo surgimento de múltiplos problemas sociais como, por exemplo, criminalidade, desemprego, poluição, destruição do meio ambiente e surgimento de sub-habitações. (CEPRO, 2003). O rápido crescimento das populações urbanas, também submete graves pressões aos recursos naturais, em especial aos recursos hídricos pela sua susceptibilidade.

Como resposta a esta nova realidade da paisagem urbana deu-se um ordenamento confuso do solo urbano, como coloca Silva (1993), embora o Estado passasse a investir em infraestruturas, o fez para atender aos interesses do capital nacional e estrangeiro, colocando à margem o principal problema, que é o da adequação da paisagem urbana para satisfazer às necessidades do contingente populacional e do seu aumento (Silva, 1993). A construção e implantação de bairros residenciais, os chamados ― conjuntos habitacionais, na busca de tentar transpor essa problemática, não conseguiu atingir todo o contingente, grande parte ainda encontra-se excluído do mercado de trabalho formal, até mesmo a ponto de ser excluído da sua referência de cidadania.

(Parte 1 de 2)

Comentários