BH do municipio de olivedos - contecc15

BH do municipio de olivedos - contecc15

Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC’ 2015

Centro de Eventos do Ceará - Fortaleza - CE 15 a 18 de setembro de 2015

Francisco de Assis da Costa Neto1 ; Raimundo Mainar de Medeiros2

; Hudson Ellen Alencar Menezes3

; Rosiane

Oliveira da Costa4

Especialista em Engenharia Civil, UFCG, Campina Grande – PB, e-mail: francisco.costa@ufcg.edu.br

Doutorando em Meteorologia, UFCG, Programa de Pós-Graduação em Meteorologia, Campina Grande – PB, email: mainarmedeiros@gmail.com

Dr. em Meteorologia, UFCG, Campina Grande – PB, e-mail: hudson.ellen@ufcg.edu.br Graduada, e-mail: rosiane_oliverah@hotmail.com

Apresentado no

Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia – CONTECC’2015 15 a 18 de setembro de 2015 – Fortaleza – CE, Brasil

Resumo: A elaboração do balanço hídrico mensal para o município de Olivedos (PB), visando o planejamento da cidade. O balanço hídrico (BH) foi determinado a partir do método de Thornthwaite e Mather (1955). Foram utilizados dados da temperatura média do ar estimada através da utilização de um software “Estima–T”, desenvolvido pelo Departamento de Ciências Atmosféricas (DCA) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), referente ao período de 1933 a 2013 e precipitações mensais, obtido junto a Agencia Executivo de Gestão de Águas da Paraíba (AESA) e a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), para o mesmo período, sendo também utilizada a capacidade de armazenamento de campo (CAD) de 100 m. O BH resultou em deficiência hídrica em todos os meses com total acumulado de 657,8 m, não ocorrendo excedente hídrico, evapatranspirando 40,6% acima dos índices das chuvas ocorridos, a evaporação real anual é na ordem de 455,9 m. Palavras-Chave: evapotranspiração, evaporação, precipitação, irrigação.

ABSTRACT: The preparation of the monthly water balance for the city of Olivedos (PB), to city planning. The water balance (BH) was determined from the Thornthwaite and Mather method (1955). Data of average temperature of air was used estimated by using a software "estimated T", developed by the Department of Atmospheric Sciences (DCA) of the Federal University of Campina Grande (UFCG) for the period 1933-2013 and monthly rainfall , obtained from the Executive Agency of the Paraíba Water Management (EFSA) and the sudene (SUDENE), for the same period, and also used the field of storage capacity (CAD) of 100 m. The BH resulted in water deficit in every month with cumulative total of 657.8 m, not occurring water surplus, evapatranspirando 40.6% higher than the rates of rainfall occurred, the real annual evaporation is in the 455.9 m. Keywords: evapotranspiration, evaporation, precipitation, irrigation.

INTRODUÇÃO As informações das condições climáticas de uma determinada região são necessárias para que se possam instituir estratégias, que visem o manejo mais adequado dos recursos naturais, planejando dessa forma, a busca por um desenvolvimento sustentável e a implementação das práticas agrícolas viáveis e seguras para o meio ambiente e a produtividade agrícolas, pecuárias e armazenamento de água.

O planejamento hídrico é a base para se dimensionar qualquer forma de manejo integrado dos recursos hídricos, assim, o balanço hídrico permite o conhecimento da necessidade e disponibilidade hídrica no solo ao longo do tempo. O balanço hídrico como unidade de gerenciamento, permite classificar o clima de uma região, realizar o zoneamento agroclimático e ambiental, o período de disponibilidade e necessidade hídrica no solo, além de favorecer ao gerenciamento integrado dos recursos hídricos (LIMA, 2009).

O BH é uma primeira avaliação de uma região, que se determina a contabilização de água de uma determinada camada do solo onde se define os períodos secos (deficiência hídrica) e úmidos (excedente hídrico) de um determinado local (REICHARDT, 1990), assim, identificando as áreas onde as culturas e a indústria pode ser explorada com maior eficácia (BARRETO et al., 2009).

Tem como objetivo disponibilizar maiores informações sobre os aspectos climáticos do município de Olivedos – PB, estabelecendo o balanço hídrico climático de Thornthwaite como ferramenta ao planejamento da cidade.

MATERIAL E MÉTODOS A área em estudo compreende o município de Olivedos, sua sede localiza-se na Latitude

06º59’sul; Longitude 36º15’ a oeste de Greenwich com uma altitude de 545 metros. Foram utilizados dados da temperatura média do ar estimada através da utilização de um software “Estima–T”, desenvolvido pelo Departamento de Ciências Atmosféricas (DCA) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), referente ao período de 1933 a 2013 e precipitações mensais, obtidos junto a AESA e SUDENE, para o mesmo período, utilizou-se da capacidade de armazenamento de campo (CAD) de 100 m.

O cálculo do balanço hídrico climático foi utilizado por Thornthwaite e Mather (1948, 1955).

Para tal, utilizou-se o software desenvolvido em planilhas eletrônicas por Medeiros (2009). Obtiveram-se os valores normais de evaporação real e evapotranspiração potencial além dos valores de excedente e deficiência hídrica.

RESULTADOS E DISCUSSÃO O resultado do balanço hídrico médio mensal para o município de Olivedos, Paraíba, estão representados na tabela 1 e nas Figuras 1 e 2, permitindo uma melhor visualização da variação dos principais dados mensais Agrometeorológico ao longo do ano. O município apresenta uma precipitação anual de 451,8 m, com 80 anos de dados observados, os seis meses mais chuvosos são os meses de fevereiro a julho com oscilações entre 37,1 a 89,9 m, respectivamente, e os meses de agosto a janeiro os valores dos índices pluviométricos variam de 4,6 a 30,6 m, evapotranspirando 40,6% acima dos índices das chuvas ocorridos, ocorrendo deficiência hídrica em todos os meses.

Tabela 1: Valores médios dos componentes do balanço hídrico climático. Tméd = temperatura média do ar, Prec = precipitação pluviométrica, EPT = evapotranspiração potencial, EVR = evaporação real, DEF = deficiência hídrica, EXC = excedente hídrico.

Meses Tméd (ºC) Prec (m) EPT (m) EVR (m) DEF (m) EXC (m)

Não ocorrem excedentes hídricos nos meses. As deficiências hídricas ocorrem em todos os meses com um total anual de 657,8 m. A evapotranspiração potencial anual foi de 1.113,8 m, com índices mensais oscilando entre 72,2 (julho) a 110,3 m (dezembro) o que corresponde praticamente a três vezes o valor das chuvas. A evaporação real acompanhou de certa forma, a trajetória anual das chuvas, ou seja, destacando o período chuvoso e seco, com variações de 4,6 m (novembro) a 89,9 m (abril) com um total anual de 455,8 m.

Para o setor meio ambiente, produtividade agrícola, pecuária do município de Olivedos, o balanço hídrico é fundamental para o estabelecimento de estratégias que visem minimizar perdas e aumentar na sua produção. No aspecto geral, a irrigação é uma forma artificial de suprir as necessidades hídricas das culturas e do agropecuário possibilitando o desenvolvimento morfológico e fisiológico e animal de forma otimizada (BARRETO et al., 2003).

Salienta-se que mesmo não ocorrendo excedentes hídricos e a precipitação sendo inferior a evaporação e evapotranspiração é de extrema necessidade que os índices pluviométricos sejam armazenados para a sua utilização no período menos chuvoso, deste modo contribuindo para a sobrevivência humana, animal, vegetal e a desenvolverem suas tarefas.

Figura 1: Gráfico do extrato do balanço hídrico mensal para Olivedos – PB.

Figura 2: Gráfico do balanço hídrico para o município de Olivedos – PB. Método de Thornthwaite e Mather (1955), para o período de 1933-2013.

CONCLUSÕES A evapotranspiração é de 40,6% acima das chuvas ocorridas; a precipitação sendo inferior a evaporação e evapotranspiração é de extrema necessidade que os índices pluviais sejam armazenados para a sua utilização no período menos chuvoso, deste modo contribuindo para a sobrevivência humana, animal, vegetal a desenvolverem suas tarefas; Deve ter um bom planejamento de sustentabilidade para o setor meio ambiente e a produtividade agrícolas, pecuárias e armazenamento de água; pois as irregularidades das chuvas são extremas e deve ter como armazenar águas deste as chuvas da pré-estação ao final do período chuvoso; Ocorrências de possibilidades de chuvas e4xtremas e em curto intervalos de tempo são esperadas.

BIBLIOGRAFIA BARRETO, A. N.; SILVA, A. A. G. BOLFE, E. L. Irrigação e drenagem na empresa agrícola:

impacto ambiental versus sustentabilidade. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, Campina Grande: Embrapa Algodão, 2003. 418 p. BARRETO, P.N.; SILVA R. B.C.; SOUZA, W.S.; COSTA, G.B.; NUNES, H. G.G.C.; SOUSA, B.S. B. Análise do balanço hídrico durante eventos extremos para áreas de floresta tropical de terra firme da Amazônia Oriental. In: XVI CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROMETEOROLOGIA, 2009, Belo Horizonte. Anais Belo Horizonte. CD. CARVALHO, D. M.; COSTA, J. E. A Intervenção do Estado em Infraestrutura e o Processo de Circulação de Hortifrutigranjeiro em Itabaiana/SE. Scientia Plena, v.6, n.3, 2010. LIMA, F. B.; SANTOS, G. O. Balanço hídrico-espacial da cultura para o uso e ocupação atual da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Rita, Noroeste do Estado de São Paulo. 2009. 89 f. Monografia. Fundação Educacional de Fernandópolis, Fernandópolis - SP, 2009. MEDEIROS, R. M. Estudo agrometeorológico para o estado da Paraíba. P.123. 2013. Medeiros, R. M. Balanço Hídrico de conformidade Thorthwaite e Marthe 1948, 1955 em planilhas eletrônicas. REICHARDT, K. A água em sistemas agrícolas. Barueri (SP): Manole, 1990. THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J. R. The water balance. Centerton, NJ: Drexel Institute of Technology - Laboratory of Climatology, 1955. 104p. (Publications in Climatology, vol. VIII, n.1),

Comentários