A CONTRIBUIÇÃO DO GUIA DE TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO VALE DO AÇU-RN

A CONTRIBUIÇÃO DO GUIA DE TURISMO PARA O DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA...

(Parte 1 de 3)

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação do Curso Técnico de Nível Subsequente em Guia de Turismo, como requisito parcial para a obtenção da certificação de Técnico em Guia de Turismo.

Orientador (a): Edilene Adelino Pequeno, B. Sc.

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado e aprovada em março de 2011, pela Banca Examinadora composta pelos seguintes membros:

Prof. Edilene Adelino Pequeno, B. Sc. Orientadora – IFRN

Profa. Juliana Vieira de Almeida, Dra. Examinadora – IFRN

Profa. Renata Paula Costa Trigueiro, M.Sc. Examinadora – IFRN

Dedico este trabalho a todos que acreditaram e nos apoiaram durante a realização do mesmo...

Agradecemos primeiramente a Deus, por suas bênçãos e por ter nos permitido determinação e ousadia, pois lutamos por nossos sonhos e conseguirmos superar os momentos difíceis, as decepções e o nosso medo. Ao Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). A todos os professores, orientadores e tutores do IFRN, pela compreensão, dedicação e paciência. Em especial a orientadora Edilene Pequeno, por estar sempre nos auxiliando e ajudando da melhor forma possível; aos tutores Eliane, Isaias, Rosimeire e Zézé, e sem esquecer-se de nossa adorável coordenadora Jândela. Às nossas mães, Geiza Cachina Bezerra, Maria Bezerra Lopes, Terezinha Alves da Conceição da Fé, por todos os sacrifícios e esforços, pelos cuidados, apoio, conforto, e amorosidade sem igual. Aos nossos pais, Crisanto Mendes Reis, José de Souza da Fé, Renato Valentim Lopes pelos ensinamentos, sábios conselhos, preocupação e carinho imensurável. Aos nossos irmãos e irmãs, Antônio Carlos Alves da Fé, Claudia Alves da Fé, Reniere Valentim Bezerra, Reniê Valentim Bezerra e Rodrigo Bezerra Reis pelos “quebra galhos”, de vez em quando e pelas palavras de consolo e de parabenização. E, ainda aos nossos amigos, em especial Alice kaliane e Jhéssica Marques, que estão sempre nos apoiando e nos dando forças para não desistirmos, obrigado a todos.

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.

Chico Xavier

pode contribuir para a valorização do turismo (ou da atividade turística) no

O objetivo desse trabalho é analisar a contribuição do guia de turismo para o Vale do Açu, bem como, adquirir informações acerca do mercado de trabalho na área turística, tais como demanda de profissionais, maneiras adequadas de capacitação do guia de turismo, estudar maneiras com as quais este profissional Vale do Açu e, ainda compreender como essa prática exerce influência sobre a economia local. Para isto, utilizou-se o método dedutivo a partir da realização de um estudo bibliográfico-documental, além de um estudo descritivo exploratório a respeito do tema. Ao final deste processo, concluiu-se que o Vale do Açú detém grandes potenciais cultural, histórico, ambiental e religioso para desenvolver com êxito uma prática turística. A contribuição do guia de turismo é de desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu.

Palavras-chave: Contribuição. Guia de turismo. Turismo. Vale do Açu.

The aim of this study is to analyze the contribution of the tourism guide for Vale do Acu, as well as acquire information about the job market in the tourist area, such as demand for professionals, appropriate ways of empowering the tour guide, study ways to which this work can contribute to the promotion of tourism (or tourism) in Vale do Acu, and also understand how this practice influences the local economy. For this, we used the deductive method in the realization of a bibliographic and documentary, and a descriptive exploratory study on the subject. At the end of the process concluded that the Valley has great potential Açú cultural, historical, environmental and religious to successfully develop a tourist practice. The contribution of the tourist guide is the development of tourism in Valley of Acu.

Keywords: Contribution. Tour guide. Tourism. Valley of Acu.

1INTRODUÇÃO.....................................................................................9
1.1OBJETIVOS...........................................................................................9
1.1.1. OBJETIVO GERAL9
1.1.2. OBJETIVO ESPECÍFICO9
1.2JUSTIFICATIAVA...................................................................................9
1.2.1. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS12
2.1
REFERENCIAL TEÓRICO14
A ATIVIDADE TURÍSTICA14
3
3.3
O MERCADO DE TRABALHO PARA GUIAS DE TURISMO17
ANÁLISE DOS RESULTADOS19
VALE DO AÇU19
BREVE HISTÓRICO DO VALE DO AÇU19
DO AÇU20
ECONOMIA DO VALE DO AÇU21
A ATIVIDADE TURISTICA NO VALE DO AÇU2
TIPOS DE TURISMO NO VALE DO AÇU2
FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO GUIA DE TURISMO25
VALORIZAÇÃO DO TURISMO NO VALE DO AÇU29
CONSIDERAÇÕES FINAIS30

9 1. INTRODUÇÃO

1.1. OBJETIVOS

Analisar a contribuição do Guia de Turismo para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu.

1.1.2. Objetivos Específicos a) Caracterizar o Vale do Açu; b) Descrever a atividade turística do Vale do Açu; c) Analisar a formação profissional do Guia de Turismo; e d) Verificar as contribuições de guias de turismo para a valorização do turismo no Vale do Açu.

A importância da atuação do guia de turismo vem sendo caracterizado como um dos agentes principais na linha de frente da atividade turística, pois se tem a definição mais institucionalizada, buscando analisar as necessidades, exigências e expectativas da atuação do guia, no qual se impõe o respeito à comunidade local e a necessidade de valorização e preservação do patrimônio cultural e regional (IGNARA 2003).

O guia de turismo é um especialista em relações públicas, e que tem facilidades para aprender línguas, boa cultura em geral, bons conhecimentos do local onde vive e os que visita. A profissão analisada é a única na área do Turismo regulamentada por lei (Lei nº 8623/93).

Segundo Brunt e Courtney (1999) afirma que é de suma importância a atividade turística, já que o êxito de um destino turístico vai depender, em grande parte, de que a população valorize positivamente o papel que desempenha o turismo em sua localidade.

Nesse sentido, considerou-se necessário realizar este estudo, como objetivo de mostrar a contribuição do guia de turismo para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu.

Esse modo de desenvolver o turismo é considerado de grande valia para o

Vale do Açu, pois é de grande importância para os planejadores da atividade turística, que através dele, terão a possibilidade de saber que as etapas estudadas por diversos autores podem acontecer e que, portanto, ao planejarem, devem antever as contribuições que os guias de turismo fazem para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu.

A sociedade espera o desenvolvimento de estudos resultantes de um processo científico, o profissional de turismo deve conhecer os seus pontos positivos e negativos, analisando como agir, orientar e transmitir informações necessárias a pessoas ou grupos em visitas, e assim ficar ambientados a uma profissão que futuramente será exercida, informações dadas pelos autores dessa pesquisa.

turístico

É a partir do conhecimento desses fatores dados, a contribuição inicial para um guia de turismo no Vale do Açu é procurar desenvolver o turismo ainda mais, pois atualmente ainda é um turismo pouco explorado e desenvolvido, desse modo o melhor jeito pra contribuir é fazer planejamentos, roteiros e o mais importante à divulgação, assim sendo, haverá aumento na renda da cidade, conhecimento de culturas, costumes e tradições, e principalmente o desenvolvimento nesse setor

Dentre outros motivos, a pesquisa é necessária em face da importância atual do tema para o desenvolvimento da atividade turística para o Vale do Açu, que se reflete essencialmente em mostrar a sua relevância para a implementação eficaz de políticas de crescimento e de coesão social. Tornando-se indiscutível, nos dias que correm e entre vários cientistas, que o turismo deva ser encarado como importante motor de desenvolvimento com base local.

O interesse sobre o enfoque deste estudo deveu-se à necessidade de se pensar com um novo olhar sobre a realidade social, na qualidade de agente transformador, e da possibilidade de se construir um conhecimento científico capaz de aprofundar a compreensão do sistema social do qual o turismo faz parte, tornando um desafio falar dos guias de turismo para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu sob o olhar e a visão da sociedade. Considerase, ainda, como motivação para a escolha desse tema a escassez de estudos e publicações sobre o assunto.

ao seu espaço

Assim, estima-se, com este estudo, que seus resultados possibilitem mostrar que as diretrizes e as premissas devem ser transformadas em ação, possibilitando a criação de um futuro mais positivo e que as suas metas deixem de ser para alguns sonhos desejáveis e passem a ser sonhos concretizados, para que venham a ser construídas pontes e não abismos sociais, para que o turismo no Vale do Açu seja pautado nessas premissas, e no respeito à população local e

Finalmente, esse estudo contribui para a identificação do guia de turismo para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu-RN.

12 1.2.1. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Neste trabalho é utilizado o método dedutivo realizado a partir de um estudo bibliográfico-documental e um estudo descritivo exploratório, que retrata a análise da contribuição do Guia de Turismo para o desenvolvimento da atividade turística no Vale do Açu.

O método dedutivo é a modalidade de raciocínio lógico que faz uso da dedução para obter uma conclusão a respeito de determinada premissa, de acordo com Teixeira (2005).

De acordo com Gil (1991), o estudo bibliografico-documental é uma pesquisa bibliográfica baseada em livros, periódicos científicos e internet. A pesquisa documental assemelha-se à pesquisa bibliográfica, todavia as fontes que a constituem são documentos e não apenas livros publicados e artigos científicos divulgados, como é o caso da pesquisa bibliográfica, segundo Gonçalves (2003).

Para Boihagian (1995) o estudo descritivo é uma visão observada e registrada de analisar e correlacionar fenômenos ou fatos, sem interferir no ambiente analisado. O estudo exploratório é utilizado quando existe pouco conhecimento sobre o assunto.

É de suma importância analisar a caracterização do Vale do Açu, a descrição da sua atividade turística, a formação profissional do Guia de Turismo, e as contribuições dos guias de turismo para a valorização do turismo no Vale do Açu.

De acordo com Blatt (1999), análisar é um processo organizado para avaliar dados, de maneira a possibilitar o levantamento das questões certas acerca do assunto estudado.

Segundo Santos (2000), o processo de análise e concessão recorre ao uso de duas técnicas: a técnica subjetiva e a técnica objetiva ou estatística. A primeira diz respeito à técnica baseada no julgamento humano e a segunda é baseada em processos estatísticos. Na qual, a primeira técnica é a utilizada.

Santos (2006) ainda explica que esta técnica baseia-se na experiência adquirida, disponibilidade de informações e sensibilidade de cada guia quanto a aprovação dos dados analisados.

A análise subjetiva é importante, visto que através da experiência do guia de turismo é possível identificar fatores de caráter e capacidade, que pode ser realizada de maneira aleatória, pois é preciso estar embasada em conceitos técnicos que irão guiar a tomada de decisão.

Em relação à primeira técnica, Schrickel observa que: "a análise envolve a habilidade de fazer uma decisão, dentro de um cenário de incertezas e constantes mutações e informações incompletas". (SCHRICKEL, 2000).

14 2. REFERENCIAL TEÓRICO

2.1. A ATIVIDADE TURÍSTICA

A Atividade turística representa, na atualidade, uma das mais importantes ferramentas para movimentar a economia mundial, sendo considerada uma “indústria de serviços” (que cresce significativamente), e gerar grandes mudanças na sociedade, através da geração de emprego e renda.

Com o crescimento da atividade turística, a demanda, o planejamento e o gerenciamento adequado da oferta têm se apresentado como a saída mais racional para o atendimento de sucesso nas localidades do RN. Cooper (2002) apresenta algumas características comuns das destinações turísticas, a partir das quais podem ser observadas particularidades, a fim de definir a identidade da oferta: são amálgamas (um núcleo de atrações, amenidades, acesso e serviços); são experiências culturais; são inseparáveis em relação à produção e consumo e são utilizadas não apenas por turistas, mas também por outros grupos.

Lemos (2001) explica que o mercado turístico é o conjunto de relações de troca e de contatos entre aqueles que querem vender e os que querem comprar bens e serviços turísticos.

Entretanto, este não é um processo simples, e diversos fatores podem concorrer para que isso aconteça. Para Beni (1998), um plano de crescimento da oferta tem que contemplar o volume e a distribuição dos investimentos necessários para conseguir os níveis de expansão desejados. É dizer, que o planejamento para a expansão da oferta turística, deve levar em conta seu objeto, objetivos claros, prazos e também um processo de avaliação periódica. Como em todo o planejamento turístico, as redes de informações têm destaque, e nesse caso, no sentido de manter os profissionais envolvidos com as atualizações de mercado, inclusive e especialmente de tendências, para que se possa atingir de forma mais clara a demanda desejada. O produto turístico por sua vez, estaria, dentro desta ótica, inserido no mercado, e seria inclusive uma das suas razões de existir: compondo a oferta e atendendo a demanda. Pode-se então definir o produto turístico como sendo os bens e serviços prestados e passíveis de comercialização e fruição, englobando as atrações turísticas, os serviços de hospedagem, alimentação, transporte, guias e outras amenidades e serviços encontrados nas localidades turísticas.

As razões para o aumento da demanda de turismo são várias, como aponta

Waitt (2000). Um argumento que se sobressai é o de que isto se deve à necessidade de ir ao encontro de “identidades culturais” específicas que, no imaginário desses potenciais turistas, estariam fadadas ao desaparecimento com a alardeada “globalização”. O “produto cultural” que o turista cultural busca é aquele que se relaciona a essas identidades culturais específicas.

É nesse contexto que se inseriria um aumento do fluxo de viagens dos turistas de países desenvolvidos para países do terceiro mundo ou “em desenvolvimento”. Essa tendência também é apontada em Mowfoth & Munt (1998): “Essas outras culturas e ambientes são tudo o que as nossas culturas e ambientes não são. Enquanto os nossos estilos de vida são denegridos como vazios, materialistas, sem sentido, as culturas do terceiro mundo são vistas como rica em significados, simplicidade e, é claro, autenticidade” (Mowfort &Munt, 1998).

Mas importa ressaltar outro fator de fundamental importância para o aumento na oferta do turismo no fluxo total de turismo, no qual, é um elemento central do turismo cultural reconhecer o valor da diversidade cultural, e por isso há que se prover às culturas locais um fórum em que elas possam participar em decisões que afetam o futuro de sua cultura, hábitos e costumes. Em outras palavras, “as comunidades receptoras deveriam ter o poder de dizer sim ou não ao turismo, e se o aceitarem estabelecer os padrões do turismo que elas desejam” (NWHO, 1999).

Deste modo, é dever dos profissionais de guias de turismo utilizar seus recursos de forma correta, como seu trabalho, sua habilidade e sua técnica, fazendo planejamentos sérios e responsáveis, como forma de proteção e manutenção de nossa história, envolvendo principalmente a comunidade e cultura local, para que, nossas futuras gerações possam compreender o que se passou antes deles virem ao mundo e tentar compreender um pouco dos "por quês" da vida, oferecendo com mais qualidade e desenvolvimento a oferta do turismo.

(Parte 1 de 3)

Comentários