Nazismo e Fascismo

Nazismo e Fascismo

(Parte 1 de 2)

SIMUlADÃO

21 QUEST9ES PARA VOCE SE

Ordem e terror

Para tentarem superar crises econômicas, países europeus se submeteram a regimes autoritários que afundariam o planeta em um novo e sangrento conflito global

O período entre as duas guerras mundiais foi marcado na Europa pela ascensão do fascismo, regime autoritário baseado na centralização do poder, no nacionalismo, no militarismo, no expansionismo e no cerceamento das liberdades individuais. Esse tipo de governo totalitário - ou seja, em que o Estado domina todos os aspectos da vida social - ganhou força ao propor recuperar a economia, drasticamente abalada pela I Guerra, e impedir o avanço das ideias socialistas. Nos países que saíram derrotados na I Guerra, como a Alemanha, os fascistas ainda tinham outra arma a seu favor: o sentimento de revanchismo criado entre a população contra os vencedores.

Apesar de ter sido implantado em outros países, como Portugal (salazarismo) e Espanha (franquismo), o fascismo atingiu sua expressão máxima na Itália - onde surgiu - e, principalmente, na Alemanha, onde foi chamado de nazismo.

o FASCISMO NA ITÁLIA

Logo depois da I Guerra, a Itália estava assolada por uma crise econômica sem precedentes: inflação galopante, desemprego e queda da produção industrial. O partido socialista ampliava sua força de atuação e as greves tomavam conta do país. Foi nes- se contexto que, em 1919,o ex-militante socialista Benito Mussolini fundou o Partido Fascista, de cunho ultranacionalista, opondo-se tanto ao socialismo quanto à democracia liberal.

Temendo o avanço socialista, a burguesia apoiou Mussolini. Em 1922, os "camisas negras", como eram conhecidos os militantes fascistas, desfilaram pela capital no episódio denominado Marcha sobre Roma, com a conivência do rei Vítor Emanuel 1II. Mussolini foi convocado para ser primeiroministro e assumiu a chefia da nação com 'plenos poderes, passando a ser chamado de Duce (guia).

No decorrer da década, ele pôs em prática o novo regime. O Partido Fascista passou a ser o único permitido no país. Jornais de oposição foram fechados e-adversários po- líticos, perseguidos e mortos. Mussolini te-

[lI 121 HISTÓRIA VESTIBULAR ENEM2011175 ve especial êxito na implantação do corporativismo, uma das características centrais do nazifascismo: tanto os sindicatos dos patrões quanto os dos empregados eram controlados pelo governo.

As medidas garantiram ótimos resultados econômicos, pelo menos até 1929, quando a nação não escapou da Grande Depressão. A partir daí, a estratégia usada pelo Duce foi a busca da expansão territorial para resolver os problemas internos.

As penalidades sofridas pela Alemanha após a derrota na I Guerra provocaram inflação e desemprego em massa no país. Instalado no fim da guerra, o governo republicano, de orientação social-democrata

- e, a partir de 1929, chamado de República de Weimar =, não conseguia controlar a crise. As tentativas de revolução socialista também fracassaram no país. Como alternativa, surgiu, em 1919,o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, o Partido Nazista, liderado pelo ex-cabo do Exército AdolfHitler.

As propostas nazistas foram sistematizadas no livro Minha Luta, escrito por Hitler em 1923,quando estava na prisão, após uma tentativa frustrada de golpe de Estado - o Putsch de Munique. Além das características comuns ao fascismo italiano - totalitarismo, nacionalismo, militarismo, corpo- rativismo, expansionismo e anticomunismo =, ele pregava o racismo. Segundo Hitler, os alemães pertenciam a uma raça pura e superior: a ariana; as demais deveriam ser subjugadas ou exterminadas.

Em 1932, apoiados por burgueses e setores conservadores nacionalistas, os nazistas venceram as eleições. Um ano depois, Hitler foi nomeado primeiro-ministro e, em

1934, tornou-se chefe de governo e de Estado. Com isso, passou então a ser chamado de Führer (líder) e inaugurou o lU Reich (I Império Alemão).

O intervencionismo e a planificação econômica resultaram em expansão da atividade industrial e praticamente eliminaram o

DUPLATIRÂNICA Oitaliano Benito Mussolini e o alemão Adolf Hitler: aliança em nome do totalitarismo e do horror desemprego no país. Com todo o poder nas mãos, Hitler proibiu os partidos políticos - exceto o nazista =, fechou os jornais de oposição e perseguiu adversários e minorias por ele consideradas inferiores, como os judeus. Esses últimos passaram por dura segregação, tendo os bens confiscados e, mais tarde, sendo mortos aos milhões (veja mais na pág. 76). Os principais instrumentos de ter- ror utilizados por Hitler eram a S (guarda especial) e a Gestapo (polícia política). Em desrespeito ao Tratado de Versalhes, Hitler remilitarizou o país. Estava aceso o estopim para a I Guerra Mundial. I

Sob influência do ideário nazi-fascista, em 1932 surge no país a conservadora e ultranacionalista Ação Integralista Brasileira (AIB), liderada pelo paulista Plínio Salgado. Alguns de seus ideólogos dão ao integralismo fundo racista ao defender a superioridade dos brancos sobre negros, mestiços ejudeus. Omovimento, contudo, não chega ao poder e se desarticula em poucos anos.

11I1111I11 MUNDO I IDADE CONTEMPORÂNEA ~ ~ - omundo sob bombas No maior conflito da história, os combates entre os cinco continentes deixaram 50 milhões de mortos

Primeiro conflito militar de escala global, a I Guerra Mundial envolveu na- ções de todos os continentes, estendendo-se de 1939 a 1945 e deixando cerca de 50 milhões de mortos. O confronto foi resultado dos problemas sociais e políticos da Europa, do nacionalismo exacerbado e das pretensões da Alemanha de ampliar seus domínios. As consequências foram a destruição do I Reich, de AdolfHitler, o declínio das nações da Europa e a emergência de duas superpotências mundiais - Estados Unidos (EUA) e União Soviética (URSS) -, que passariam a disputar o controle do planeta na Guerra Fria.

Ao perceberem que o nazismo servia de bloqueio ao avanço do socialismo no continente - e para evitar um novo enfrentamento militar -, as potências da Europa Ocidental não se opuseram ao crescimento do regime na Alemanha. Nem mesmo quando Adolf Hitler desrespeitou o Tratado de Versalhes, remilitarizando o país e anexando territórios vizinhos. Em 1936, ele reocupou a Renânia, região na fronteira entre a França e a Bélgica, e lá instalou fábricas de armas. Em seguida, deu início a uma ofensiva diplomática. Ofereceu ajuda econômica à Itália fascista e apoiou o general Francisco Franco na Guerra Civil Espanhola. Com o Japão, assinou o Pacto Anti-Komintern, para conter a expansão da URSS no Extremo Oriente.

Em 1938, Hitler invadiu pacificamente a Áustria - episódio conhecido como anschluss -, com o consentimento do governo e da população locais. No mesmo ano, após obter da França e da Grã- Bretanha a permissão para anexar uma região da Tchecoslováquia habitada por alemães - os Sudetos -, acabou dominando o país inteiro.

Em 1939 surpreendeu o mundo ao assinar com a rival URSS um acordo de não agressão, o Pacto Germânico-Soviético. Abriu- se, assim, o caminho a leste para ocupar o Corredor Polonês - área que permitia à Polônia acesso ao mar e mantinha a província alemã da Prússia Oriental isolada do resto do território.

As tropas nazistas invadiram a Polônia em 1° de setembro de 1939, inaugurando a famosa tática da blitzkrieg, ou guerra-relâmpago: um fulminante ataque por terra e ar. Logo depois, o Reino Unido e a França finalmente reagiram, declarando guerra aos alemães. Começava a I Guerra Mundial.

Após a invasão da Polônia, Hitler ocupou a Dinamarca e a Noruega, seguidas da Holanda (Países Baixos) e da Bélgica. Em junho de 1940 dominou a metade norte do território da França - no sul foi instalado um governo colaboracionista. O subsecretário de Defesa Nacional francês, o general Charles de Gaulle, exilou-se no Reino Unido, passando a dirigir a Resistência Francesa.

Em setembro de 1940 foi formalizado o

Eixo - pacto entre Alemanha, Itália e Japão que estabelecia o apoio mútuo em ca- so de ataque por potência ainda não envolvida na guerra - por exemplo, dos EUA. No mesmo mês, Hitler atacou os ingleses, bombardeando Londres. Porém, a reação da Re- ai Força Aérea (RAF) impediu o avanço alemão sobre a Grã-Bretanha. Em junho de 1941, Hitler reorientou su- as tropas para a URSS, invadindo-a sem declaração formal de guerra. Elas dominaram uma larga faixa de terra, mas acabaram barradas pelo rigoroso inverno e pelo contra-ataque soviético. Agora, os nazistas precisavam lutar em duas frentes: contra os in- gleses a oeste e contra os russos a leste.

HOLOCAUSTO Paralelamente aos combates,

Hitler punha em prática uma terrível política de perseguição aos judeus, considerados uma raça inferior. Inicialmente, eles eram confi- nados em guetos, como o de Varsóvia, na Polônia, que chegou a abrigar mais de 400 mil pessoas. Mas, a partir de 1942, foi implantada a "solução final", que previa a deportação e a execução em massa em campos de trabalho, concentração e extermínio na Polônia e na Alemanha. No fim do conflito, cerca de 6 milhões de judeus haviam sido mortos, num dos maiores crimes da história, o holocausto.

Mesmo após o fortalecimento da Alemanha, os EUA ainda se mantinham neutros diante do conflito. A situação só mudou em dezembro de 1941,quando os japoneses bombardearam a base naval de Pearl Harbor, no Havaí. Em seguida, a Alemanha e a Itália declararam guerra aos EUA. Definiram-se, assim, duas facções em combate: de um lado, os paises do Eixo (Alemanha, Itália e Japão); de outro, os Aliados (França, Reino Unido, EUA, URSS e China).

A partir de 1942, as investidas do

Eixo foram cedendo lugar às contra-ofensivas dos Aliados. Foi nesse ano que o Brasil entrou na guerra (veja matéria na pág.131). No Atlântico, a Marinha anglo-americana elírninava submarinos alemães; na Alemanha, a aviação aliada in- tensificava o bombardeio. No norte da África, o Exército alemão ren- deu-se em maio de 1943.OsAliados desembarcaram na Sicilia e invadiram a Itália, destituindo Benito liI Mussolini. Logo, os italianos integrariam as forças antinazistas.HORRORVINDO DO CÉUAlemães despejam explosivos sobre Londres em 1940 liA GUERRA NA EUROPA Confira a dinâmíca das fronteiras e das tropas durante o confronto no Velho Mun

Territórios ocupados -, pela Alemanha '"

Estados aliados do eixo Roma - Berlim • Grã-Bretanha e territórios sob seu controle Fontt;Jost Arruda Nelson Piletti, Toda a História, 3 ed., Árico, pdg. XXVI o front leste, os alemães sofreram uma derrota decisiva na Batalha de Stalingrado (atu- al Volgogrado), no sul da Rússia, em janeiro de 1943.No ano seguinte, os soviéticos alcançaram vitórias na Romênia, Bulgária e Iugoslávia.

Em 6 de junho de 1944, o Dia D, foi desferido O golpe mortal às forças nazistas. No que é considerada a maior operação aeronaval da história, mais de 150 mil soldados aliados desembarcaram na ormandia francesa. Paris foi libertada em 25 de agosto. Do outro lado do continente, os soviéticos libertaram a Polônia e, em 2 de maio de 1945, ocuparam Ber- limoCinco dias depois, a Alemanha se rendeu incondicionalmente. Hitler já estava morto: certo da derrota, suicidara-se em 30 de abril. A guerra na Europa estava encerrada.

OS japoneses haviam ocupado uma vasta área marítima no Pacífico. A situação só começou a se inverter a favor dos Aliados em 1942, após a vitória dos EUA no mar de Coral (no litoral da Austrália) e no atol de Mídway (a noroeste do Havaí). Em fevereiro de 1945ocorreu o primeiro desembarque norte-americano em território japonês, na ilha de Iwo Jima.

Com o inimigo ainda resistindo, os EUA promoveram uma terrível demonstração de força. Em 6 de agosto lançaram a primeira bomba atômica da história em combate, matando

A EURORAAPÓS A GUERRA Veja como ficaram as fronteiras e as alianças no continente depois do conflito-

• ISlÂNDIA

Palses capitalistas • Países socialistas

100 mil pessoas e arrasando a cidade de Hiroshima. Dias depois, foi a vez de Nagasaki, onde mais 70 mil foram mortas. A partir de 8 de agosto, tropas soviéticas expulsaram os japoneses da Manchúria, na China, e da Coreia.

Enfim, em 2 de setembro de 1945, o Japão se rendeu. Era o fim da Ir Guerra Mundial.

Em fevereiro de 1945, na Conferência de

YaIta, na Crimeia, o presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, o primeiro-ministro do Reino Unido, Winston Churchill, e o líder da URSS, Josef Stálin, reuniram-se para redividir o mundo. Na ocasião, os soviéticos anexaram os Estados bálticos - Letônia, Lituânia e Estônia - e o leste da Polônia.

Em julho, na Conferência de Potsdam, na

Alemanha, foram determinados a dissolução de todos os órgãos nazistas, o pagamento de uma alta indenização pelos alemães e a divisão do país em quatro zonas de ocupação militar: soviética, norte-americana, francesa e britânica. Decidiu-se ainda pelo desarmamento alemão e pelo julgamento dos líderes nazistas, no que ficou conhecido como Tribunal de Nu- remberg. A Alemanha também foi separada da Áustria, obrigada a devolver os territórios tomados da Tchecoslováquia, a entregar Dantzig à Polônia e a reconhecer a divisão da Prússia Oriental entre soviéticos e poloneses.

TRECHO DA MÚSICA ROSA DE HIROSHIMA (DE VINICIUS DE MORAES E GERSON CONRAD) IiIAP

• Membros da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) • Membros do Parto de Varsóvia

(Parte 1 de 2)

Comentários