mineração

mineração

Operações Mineiras

Nas minas de cromo da Bahia (pertencentes à FERBASA e ao Grupo Magnesita) são utilizados quatro tipos de operações mineiras:

  1. Perfuração

  2. Desmonte

  3. Carregamento

  4. Transporte

Métodos de beneficiamento mineral

Consiste no enriquecimento do minério de cromo, a fim de elevar o teor de Cr2O3 aos níveis exigidos pelo mercado consumidor (promover características físicas e químicas adequadas ao mineral).

Vão para as usinas de beneficiamento minérios com teores abaixa de 32% de Cr2O3,onde originarão um concentrado de 42% de Cr2O3.

Os minérios de cromita ocorrem nas formas compacta e disseminada, com variações significativas no grau de liberação do mineral e na composição mineralógica. Em decorrência disso, há uma variedade de técnicas e/ou métodos utilizados no processamento desses minérios. A utilização desses

métodos ainda varia conforme outros fatores, dentre os quais a natureza do minério, a qualidade do produto final e as dimensões do empreendimento mineiro. Assim, são obtidos “produtos de cromita” através dos seguintes processos:

  1. Catação manual (Hand sorting)

  2. Britagem/Moagem/Peneiramento

  3. Separação em meio Aquoso (densidade)

  4. Separação Gravítica e/ou Separação Magnética

  5. Flotação

A catação manual e a separação em meio denso são métodos utilizados apenas para o minério compacto de granulometria grossa. Nos países industrializados, o método de separação em meio denso, que opera com a fração grossa (-120 +12 mm), é utilizado em substituição à catação manual.

O minério disseminado possui uma granulometria de liberação mais fina e por isso, requer um processo de moagem também mais fino, o que, torna impraticável o método de catação manual ou de meio denso. Assim, a viabilidade técnica define a utilização de processos mecanizados, ou seja, separações gravítica e/ou magnética com intensidade de campo acima de 1,0 T.

Os métodos convencionais de separação gravítica são, universalmente, os mais utilizados na concentração de cromita. Neste caso, os equipamentos mais empregados incluem tambores e ciclones de meio denso, jigues, mesas vibratórias e espirais.

Em alguns casos, a elevada susceptibilidade magnética da cromita em relação aos seus minerais de ganga encoraja a utilização do método da separação magnética como processo adicional de concentração. Dessa forma, a cromita contida nas frações finas, não recuperada por processos gravíticos convencionais, pode ser aproveitada por separação magnética com intensidade de campo superior a 1,0 T. Associados à cromita encontram-se, entre outros, a serpentina e a olivina, que também exibem susceptibilidade magnética; contudo, a cromita sempre possui maiores valores desse índice em relação aos seus minerais de ganga. Tal fato deve-se à composição química da cromita, que

encerra maior teor de ferro que os demais minerais.

O processo de flotação é empregado na concentração da cromita com granulometria fina, não recuperada pelos processos gravíticos. Entretanto, são registrados poucos casos que utilizam tal processo.

Obtém-se areia de cromita mediante o emprego de processos

convencionais de separação gravítica. Inicialmente, procede-se à lavagem do minério para remoção das lamas e, em seguida, à etapa de concentração gravítica, utilizando-se jigues, mesas vibratórias ou espirais. Na etapa seguinte, o concentrado é desaguado e segue para um processo de secagem, seguida de

classificação. Eventualmente, dependendo do minério, utiliza-se a separação magnética com o fim de remover os minerais não-magnéticos contidos nos concentrados obtidos por processos gravíticos. Finalmente, o produto é acondicionado para expedição.

Comentários