Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na Esporulação e Crescimento Micelial de Lasiodiplodia theobromae

Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na Esporulação e Crescimento...

(Parte 1 de 2)

Boletim de Pesquisa02 e Desenvolvimento ISSN 1981-609X Junho, 2007

Boa Vista, R

Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na

Esporulação e Crescimento

Micelial de Lasiodiplodia theobromae

Fotos: Bernardo A. Halfeld Vieira

República Federativa do Brasil

Luiz Inácio Lula da Silva Presidente

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Reinhold Stephanes Ministro

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa

Conselho de Administração Luis Carlos Guedes Pinto

Presidente Sílvio Crestana Vice-Presidente Alexandre Kalil Pires

Ernesto Paterniani Hélio Tollini Marcelo Barbosa Saintive

Membros

Diretoria–Executiva da Embrapa

Sílvio Crestana Diretor-Presidente José Geraldo Eugênio deFrança Kepler Euclides Filho Tatiana Deane de Abreu Sá Diretores-Executivos

Embrapa Roraima

Antonio Carlos Centeno Cordeiro Chefe Geral Roberto Dantas de Medeiros Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento Miguel Amador de Moura Neto Chefe Adjunto de Administração

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal de Roraima Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 02

Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na Esporulação e Crescimento Micelial de Lasiodiplodia theobromae

Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira Kátia de Lima Nechet Giovanni Ribeiro de Souza

Embrapa Roraima, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:

Embrapa Roraima Rodovia BR-174, km 8 - Distrito Industrial Cx. Postal 133 –CEP. 69.301-970 Boa Vista- Roraima-Brasil Telefax: (95) 3626.7125 Home page: w.cpafrr.embrapa.br E-mail: sac@cpafrr.embrapa.br

Comitê de Publicações da Unidade

Presidente: Roberto Dantas de Medeiros

Secretário-Executivo: Alberto Luiz Marsaro Júnior Membros: Aloísio Alcântara Vilarinho

Gilvan Barbosa Ferreira Kátia de Lima Nechet Liane Marise Moreira Ferreira Moisés Cordeiro Mourão de Oliveira Júnior

Normalização Bibliográfica: Maria José Borges Padilha Editoração Eletrônica: Vera Lúcia Alvarenga Rosendo

Feito pela bibliotecária

Resumo
Abstract
Introdução
Material e Métodos
Resultados e Discussão
Conclusões

SUMÁRIO Referências Bibliográficas................................................................................

Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na Esporulação e Crescimento Micelial de Lasiodiplodia theobromae

Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira1 Kátia de Lima Nechet2 Giovanni Ribeiro de Souza3

Foi estudada a influência dos meios BDA, V8 e Sachs e do fotoperíodo de 12 h e escuro contínuo no crescimento micelial e esporulação de isolados de Lasiodiplodia theobromae obtidos de citros, coqueiro e acácia mangium. O experimento foi conduzido a 28 oC, em delineamento inteiramente casualizado com 3 repetições e analisado em esquema fatorial 3x3x2. As avaliações foram feitas medindo-se periodicamente o diâmetro das colônias, contando-se o número de estromas 25 dias após o semeio e quantificando-se o número de esporos.ml-1. Não houve interação entre fatores para crescimento micelial e ocorreu efeito significativo, somente do meio utilizado. Os meios BDA e V8 proporcionaram velocidade de crescimento micelial maior que o meio Sachs. Para formação de estromas, houve interação entre a origem do isolado, o meio em que se desenvolveu e o regime de fotoperíodo. O meio V8 proporcionou a formação de maior número de estromas e a exposição à iluminação estimulou sua formação, para todos os isolados, exceto quando utilizado o meio Sachs. O isolado obtido de coqueiro produziu maior número de estromas e o de citros o que produziu em menor número. Houve correlação positiva entre número de estromas e esporos produzidos. Pode-se concluir que o método mais eficiente para produção de esporos de L. theobromae em meio de cultura é utilizando como substrato o meio V8 em regime de fotoperíodo de 12 h.

Palavras–chave: Lasiodiplodia theobromae, metodologia, Citrus spp., Cocos nucifera, Acacia mangium

Influence of Culture Media and Photoperiod on Esporulation and Mycelial Growth of Lasiodiplodia theobromae

1 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Fitopatologia, Embrapa Roraima, CP 133, 69301-970, Boa Vista-R, halfeld@cpafrr.embrapa.br. 2 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Fitopatologia, Embrapa Roraima, CP 133, 69301-970, Boa Vista-R, katia@cpafrr.embrapa.br.,

3 Assistente A, Acadêmico de Agronomia da UFR, Embrapa Roraima, CP 133, 69301-970, Boa Vista-R, giovanni@cpafrr.embrapa.br

The purpose of this study was evaluate the influence of the culture media: BDA, V8 and Sachs associated to 12 h of photoperiod and continuous darkness in the mycelial growth and sporulation of Lasiodiplodia theobromae isolates from citrus, coconut and acacia mangium. The experimentation was conducted at 28 oC, arranged as factorial 3x3x2 in a completely randomized design with three replications. The evaluations were performed measuring periodically the colonies diameter, counting the number of stromata at 25 days after fungi cultivation and quantifying the spores number per ml. No interaction was detected between factors to mycelial growth, but a significative effect was detected to the culture media. The culture media BDA and V8 permitted higher growth rate than Sachs medium. To stromata production was detected interaction between isolate, culture media and the photoperiod. The culture medium V8 permitted higher development of stromata and the exposition to lightness stimulated its development to all isolates, except when Sachs medium was utilized as substrata. Between isolates, the culture from coconut presented higher capacity to producing stromata and from citrus produced in lower number. There was a positive correlationship between the stromata number and produced spores. The results permitted to conclude as the most efficient method to produce L. theobromae spores is utilizing the V8 culture media, when incubated at 12 h photoperiod.

Keywords: Lasiodiplodia theobromae, methods, Citrus spp., Cocos nucifera, Acacia mangium

Introdução

O fungo Lasiodiplodia theobromae (Pat.) Griff. & Maubl. é normalmente considerado um patógeno fraco, entretanto, tem uma ampla gama de hospedeiros e vem sendo apontado como agente causal de danos consideráveis (Freire et al. 2003; Freire et al. 2004; Halfeld-Vieira & Nechet, 2005; Halfeld-Vieira et al. 2006; Pereira et al., 2006). Suas características em meio de cultura são muito variáveis e podem apresentar diferenças de acordo com o isolado, na coloração das colônias, velocidade de crescimento micelial e esporulação (Ram, 1993; Pereira et al., 2006). Dentre os meios mais utilizados para crescimento fúngico e esporulação estão o meio Batata Dextrose Agar (BDA) e V8. Já o meio Sachs, pode ser utilizado para induzir a formação de estromas (Dhingra & Sinclair, 1994, Nechet & Halfeld-Vieira, 2005) em fungos que produzem esta estrutura, como L.. theobromae. Apesar de haver informações sobre influência de diversos fatores, como meio de cultura, origem do isolado e fotoperíodo, as interações entre eles não têm sido objeto de investigação, estudando-se somente cada fator isoladamente. O objetivo deste trabalho foi estudar a influência dos meios BDA, V8 e Sachs e dos fotoperíodos de 12 h e escuro contínuo, no crescimento micelial e esporulação de isolados de L. theobromae obtidos de citros, coqueiro e acácia mangium.

Material e métodos

Foram obtidas culturas puras de L. theobromae, provenientes de plantas de citros (Citrus sp.), coco (Cocos nucifera L.) e Acacia mangium Willd., oriundas de Roraima. Discos de micélio dos três isolados de L. theobromae foram depositados separadamente em placas de Petri, contendo os meios de cultura BDA, V8 e Sachs (Dhingra & Sinclair, 1994), constituindo seis réplicas por isolado, em cada meio de cultura. Para três réplicas, o material foi levado para incubadora e mantido em fotoperíodo de 12 h e, as três restantes, mantidas em escuro contínuo, ambas em incubadora a 28 oC. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com 3 repetições, sendo cada repetição uma placa de Petri. Os parâmetros avaliados foram: medição diária do diâmetro das colônias, até que atingissem o diâmetro máximo; as características das culturas e o número de estromas e esporos aos 25 dias após o semeio. Os resultados foram analisados em esquema fatorial 3x3x2. Para determinação do meio que proporcionou melhores condições para esporulação, aos 25 dias após a repicagem, cada meio de cultura contendo o crescimento fúngico foi triturado em liquidificador, adicionando-se 10 ml de água destilada e coando-se o material resultante com gaze. O número de

7 Influência de Meios de Cultura e Regimes de Luz na Esporulação e Crescimento Micelial de Lasiodiplodia theobrbromae esporos.ml-1 foi quantificado em câmara de Neubauer. As análises foram realizadas com o uso do software SAS 8.0. A correlação entre o número de estromas e esporos foi realizada por meio da correlação de Spearman, com o uso do software Statistica 6.0.

Resultados e discussão

As características fenotípicas dos isolados variaram de acordo com meio utilizado e o regime de luz a que foram submetidos (Figura 1). Observou-se que nos meios BDA e V8, o crescimento micelial foi abundante, enquanto no meio Sachs houve menor densidade de hifas, que assumiram coloração mais clara. A maior densidade de hifas também foi observada em condições de regime de escuro contínuo, proporcionando aspecto de maior escurecimento das colônias.

Fig. 1. Características culturais de isolados de L. theobromae, provenientes de Acacia mangium, Citrus e coco, nos meios de cultura BDA, Sachs e V8, em condições de escuro contínuo e fotoperíodo de 12 h.

Ram (1993) e Pereira (2006) também encontraram variações na coloração das colônias e no crescimento micelial entre isolados de L. theobromae obtidos de diversas culturas. Ram (1993) reporta que houve predominância de colônias com coloração marrom, enquanto Pereira (2006), afirma ter predominado a coloração branco-acinzentado. No presente estudo, verificou-se que a coloração cinza-escuro foi predominante para os isolados cultivados em meio BDA e V8, enquanto que, em meio Sachs a coloração apresenta-se mais clara, principalmente pela menor abundância de micélio (Figura 1). É importante destacar que Ram avaliou a coloração das colônias, 48 h após a deposição

(Parte 1 de 2)

Comentários