Obesidade e Emagrecimento 10

Obesidade e Emagrecimento 10

(Parte 1 de 2)

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.2, n.10, p.399-403, Jul/Ago. 2008. ISSN 1981-9919.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

Renam Natel Cuenca1 ,

Kleber Farinazo Borges2 ,

Mario Sergio Vaz da Silva3 ,

Rafael Ayres Romanholo2

O presente estudo tem por objetivo verificar se o exercício resistido promove alteração na composição corporal. Hoje já é possível encontrar pesquisas que defendem este tipo de trabalho para indivíduos com percentual de gordura elevado, alegando que uma massa magra mais elevada gera um gasto calórico maior ocasionando assim uma diminuição no percentual de gordura sem que haja também uma diminuição na massa muscular geralmente ocasiona por dietas. Este trabalho vem mostrar que através dos exercícios resistidos também é possível ter uma diminuição no percentual de gordura e modificações na massa corporal total. Fizeram parte desta pesquisa 63 sujeitos, sendo do sexo masculino e feminino com idades de 18 a 35 anos fisicamente ativos. Nesta pesquisa foi avaliado, o percentual de gordura através da mensuração de dobras cutâneas e massa corporal total, no pré e pós-treinamento, sendo que esses dados foram retrospectivos de alunos que realizaram somente exercícios resistidos em uma academia. Ao final do trabalho, que teve duração de doze semanas, observou-se uma diminuição do percentual de gordura. Houve também aumento na massa corporal Total, (peso corporal).

Palavras chave: Exercícios Resistidos, composição corporal, Massa Corporal, Percentual de Gordura.

1- Professor de Educação Física Especialista em Fisiologia do Exercício pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal-FACIMED/RO 2- Professores Mestre do curso de Eucação Física FACIMED/RO 3- Professor Doutor e coordenador do curso de Educação Física FACIMED/RO

Exercise resisted with weights in the reduction of the body fat practitioners of the musculação in the town of Cacoal / RO

The present study it has for purpose to verify if the resisted exercise promotes alteration in the corporal composition. Today already it is possible to find research that defends this type of work for individuals with raised percentage of fat, alleging that a raised lean mass more generates an expense bigger caloric thus causing a reduction in the percentage of fat without it has also a reduction in the muscular mass generally causes for diets. This work comes to show that through the exercises also resisted it is possible to have a reduction in the percentage of fat and modifications in the total corporal mass. They had been part of this research 63, being of the masculine and feminine sex with ages between 18 and 35 years physically active. In this research it was evaluated, the percentage of fat through the mensuração of cutaneous folds and total corporal mass, in the daily pay and aftertraining, having been that these data had been retrospective of pupils who had only carried through exercises resisted in an academy. To the end of the work, that had duration of twelve weeks, a reduction of the percentage of fat was observed. It also had increase in the Total corporal mass, (corporal weight).

Key words: Resisted exercises, corporal composition, Body mass, Percentage of Fat.

Endereço para correspondência: rafaelromanholo@yahoo.com.br

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.2, n.10, p.399-403, Jul/Ago. 2008. ISSN 1981-9919.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

O treinamento resistido, também conhecido como treinamento com cargas ou treinamento de força, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercícios, tanto para o condicionamento de atletas como para melhorar a forma física de não-atletas. Todas as pessoas que participam de um programa de treinamento com pesos esperam que o programa produza alguns benefícios, tais como o aumento de força, aumento de tamanho dos músculos, melhor desempenho esportivo, crescimento da massa livre de gordura e diminuição da gordura corporal (Fleck e Kraemer, 1999).

Como todo tipo de atividade física, os exercícios com pesos contribuem para a redução do tecido adiposo. Entretanto, a condição indispensável para que ocorra a mobilização da gordura corporal é o balanço calórico negativo, cujo principal mecanismo é a redução da ingestão alimentar (Santarém, 1999).

Já Matsudo (1997) enfatiza que os exercícios com pesos são considerados os mais completos entre todas as formas de treinamento físico. Além disso, melhoram a forma do corpo, evitam as incapacidades físicas de sedentários e idosos, e contribuem para evitar doenças crônicas como a obesidade, tão bem ou melhor do que outros tipos de atividade física.

Portanto o objetivo do nosso trabalho foi verificar a redução de gordura corporal em praticantes de exercícios resistidos com pesos de academias no município de Cacoal -Ro. Para concretizar este objetivo geral foi pesquisado alguns objetivos específicos como: a)Avaliar as possíveis modificações da massa corporal (peso corporal) nos praticantes de exercício resistido, b) Verificar as possíveis mudanças no percentual de gordura corporal, c) Comparar a media de gordura dos pesquisados, com a media da população de acordo com uma tabela padronizada.

Foi utilizado na pesquisa o estudo do tipo análise descritiva e transversal pelo método quantitativo Thomas e Nelson (2002), que tem tido um uso extensivo na pesquisa. Na pesquisa foram selecionadas 63 pessoas ambos os gêneros, adultas, cuja idade varia de dezoito a trinta e cinco anos, escolhidas por conveniência, segundo Vieira (1980), foi formada por elementos reunidos por disponibilidade, entre os alunos de uma academia de Cacoal no estado de Rondônia, participantes somente de programas de exercícios resistidos com pesos tendo entre três a seis meses de treinamento, no ano de 2006. Na realização da coleta era obrigatória a realização do pré-teste e pós-teste neste período.

Nessa pesquisa foram coletados dados retrospectivos dos testes realizados em uma academia, onde a amostra para o estudo foi escolhida por conveniência entre alunos que participam somente de programas de exercícios resistidos e fizeram pré-teste e pósteste da composição corporal em 12 semanas.

A amostra da pesquisa foi formada por 63 praticantes de musculação, divididos entre sexo masculino 5 alunos e feminino 28 alunos, onde encontravan-se com idades de 18 a 35 anos de idade.

Os critérios de inclusão da pesquisa, foram alunos que já praticavam musculação a pelo menos 6 meses, alunos que não apresentavam quadros patológicos motores e os alunos que assinaram o termo de livre e esclarecido.

As medidas utilizadas são, massa corporal medida por uma balança mecânica da marca Welmy de 150 kg de capacidade e sensibilidade de 100g, com o individuo descalço, vestindo o mínimo possível de roupas de acordo com os procedimentos descritos por Gordon e colaboradores (1988), e medidas de dobras cutâneas foram medidas com um adipômetro científico Cescorf, com precisão de 1mm no lado direito do corpo, em três locais. Para homens são tríceps, suprailíaca e abdome. Para as mulheres as dobras foram: subescapular, supra-ilíaca e coxa.

A gordura corporal relativa (% gordura) foi calculada pela fórmula de Guedes (1994), a partir da estimativa da densidade corporal determinada pela equação proposta por Guedes (1997).

Os resultados obtidos na composição corporal das 35 pessoas do gênero masculino podem ser demonstrado nesta figura onde a media de massa corporal (peso), passou de 67,25kg no pré-teste para 69,05kg no pós-

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.2, n.10, p.399-403, Jul/Ago. 2008. ISSN 1981-9919.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r teste, tendo assim um aumento de 2,68% na massa corporal o equivalente a 1,8kg ao final da pesquisa.

No item gordura da composição corporal dentre os 35 homens analisados, no pré-teste a media do % gordura que era 17,5% passou para 16,37% no pós-teste apresentando uma diminuição 6,45% no percentual de gordura corporal.

No resultado de 28 pessoas do gênero feminino analisado podemos observar diferenças, onde a media de massa corporal

(peso) avaliado no pré-teste foi de 58,70kg e no pós-teste foi de 58,71kg onde obteve um aumento de 0,02%, o equivalente a 100g, embora tenha sido observado um ligeiro aumento no peso corporal, o mesmo não apresentou uma significância estatística.

Já no item de gordura corporal avaliado, no pré-teste o % de gordura era de 26,76% e passou para 24,81% no pós-teste, apresentando uma diferença de 7,29% de redução no percentual de gordura corporal.

TABELA 1: Pré-teste e Pós-tese das variáveis peso corporal e % de gordura nos sexos masculino e feminino

PP<0,001 P<0,001
PP<0,001 P<0,001

Os 35 homens analisados foram classificados dentro de uma tabela padronizada de percentual de gordura corporal de acordo com Lohman (1992), onde existe cinco tipos de classificação encontradas na legenda do gráfico acima. Pode ser visto que no pré-teste a quantidade de pessoas que foram classificadas como baixo em relação à gordura era no total de 2 pessoas, 13 médio, 5 acima da media, e 1 considerado alto. Já no pós-teste, 4 baixo, 12 médios, 4 acima da media e 1 considerado alto.

Figura 1: Classificação do percentual de gordura (%G) Masculino

Em 28 mulheres analisadas e enquadradas dentro da tabela de classificação do percentual de gordura corporal citada por Lohman (1992), 6 estavam classificadas como médio, 6 acima da media e 2 alto no pré-teste. No pós-teste 8 eram consideradas médio, 7 acima da media e 2 alto. Podemos citar então que 3 pessoas passaram da classificação alto para acima da media, e 2 pessoas passaram de acima da media para médio assim nessa seqüência tendo um efeito que existiu uma modificação que representa uma redução no percentual de gordura. Assim a diferença em relação entre pré-teste para pós-teste fica em um aumento de 1,8% na classificação médio, 5,9% na acima da media e uma diminuição no alto de 17,6%.

Pré

Teste

Pós Teste

Diferença

Baixo Médio Acima da Média Alto Muito Alto

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.2, n.10, p.399-403, Jul/Ago. 2008. ISSN 1981-9919.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica

Periódico do Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício w w w . i b p e f e x . c o m . b r - w w w . r b o n e . c o m . b r

Figura 2: Classificação do percentual de gordura (%G) Feminino

Uma comparação com o estudo de

Pollock (1993), que estudou 8 homens em um período de 8 semanas, numa freqüência de 3 vezes por semana durante trinta minutos e obtiveram os seguinte resultados: aumento ponderal (1 Kg), e os tecidos livres de gordura ou magros um aumento de 3,1 Kg. Perderam também 2,3 Kg de gordura total e de 2,9% na taxa relativa aos depósitos de gordura.

(Parte 1 de 2)

Comentários