Biocampoii

Biocampoii

(Parte 1 de 2)

BIOSSEGURANÇA NO CAMPO Módulo 2

6. Acidentes no Transporte e Armazenamento: - Em caso de acidentes no transporte, com vazamentos, deve-se cercar o produto com terra ou com uma valeta, impedindo que o mesmo se espalhe. Em seguida deve-se secar o material vazado com terra ou serragem e enterrá-lo onde não ofereça perigo; - Em caso de vazamento grande, notifique o representante do fabricante, que pode dar instruções ou as autoridades locais competentes; - O local do vazamento deve ser descontaminado, lavando-se com detergente ou soda cáustica. Evitar de qualquer forma que tanto o produto como a água da lavagem contaminem os poços, os cursos de água, as lagoas, etc.

Em Piso pavimentado:

Coloque material absorvente (por exemplo serragem ou terra) sobre o conteúdo derramado, recolha o material com o auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Nesse caso, contate a Empresa ou o distribuidor ou qualquer representante da Empresa na região. O produto deverá ser desativado conforme orientações de desativação de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água.

Em Cursos d'água:

Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da Empresa , visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

- Em caso de incêndio, use extintor de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico ficando a favor do vento para evitar intoxicação (Monsanto do Brasil Ltda, 2001). - Em caso de acidentes com produtos da Monsanto do Brasil Ltda contatar a

Empresa pelo telefone 0800-141977 (ligação gratuita) (Monsanto do Brasil Ltda, 2001);

2. Intoxicações - Sintomas e cuidados:

As intoxicações acidentais no manuseio de defensivos são causadas principalmente por contato do produto com a pele, inalação do produto (respiração) ou ingestão (alimentação contaminada). As intoxicações podem levar à morte e os principais sintomas são vômitos, dor de cabeça, dor de estômago, desmaio, falta de ar, suor abundante, diarréia.

Cuidados que podem ser tomados no local: - retirar o intoxicado do local de trabalho;

- a pessoa intoxicada deve tomar banho com água fria e sabão, e trocar as roupas, se houve contato do produto com a pele, lavar os olhos com muita água; - verificar se a boca contém muco ou vômito, que podem prejudicar a respiração, e removê-los; - não dar leite nem medicamentos sem orientação;

- chamar um médico ou remover a pessoa até um hospital, levando um embalagem do produto ou o rótulo para facilitar o tratamento adequado;

3. Proteção do meio ambiente:

Cuidados importantes que devem ser observados com o meio ambiente: - fazer aplicações dirigidas, enquanto a cultura não cobrir toda a superfície do solo;

- não contaminar cursos d'água e lagoas com lavagem de equipamentos;

- evitar a plantação de culturas que usem muito defensivos às margens de cursos d'água e lagoas; - não fazer aplicações quando o vento soprar na direção de agrupamentos humanos (Novo, 1983). - nunca jogue no lixo restos do produto (Spinelli et al., 1997)

Aplicação de Defensivos via aérea (Aviação Agrícola)

Cuidados no Manuseio de Produtos para ULV (Ultra Baixo Volume) segundo

Almeida (19??). - Uma vez que os produtos são manuseados puros, sem diluição em água, a sua toxicidade aumenta, pelo que se exige proteção adequada para o pessoal de terra que procede ao enchimento dos aviões (luvas, máscara, óculos, etc.); - Em todos os pesticidas líquidos entram solventes na sua formulação com um ponto de inflamação determinado. Todos são inflamáveis se não forem tomadas as devidas precauções, como sejam, não abrir as embalagens próximo de qualquer chama e, não usar motores de explosão que não tenham o escape com flame proof.

A utilização desses produtos, em aplicação aérea não oferece qualquer risco porque o ponto de inflamação relativamente baixo desses produtos só é de considerar em condições estáticas, como sejam em armazém, em que pode haver acumulação de vapores.

Durante a aplicação do pesticida líquido (condição dinâmica) não há risco ou é mínimo. Durante o enchimento do avião deve ter-se, no entanto, os cuidados que há quando se procede ao abastecimento de gasolina; - Guardar as embalagens em lugar seguro, longe do alcance de crianças e pessoas desprevenidas; - Uma vez vazias, as embalagens não devem ser abandonadas na pista. Devem ser recolhidas imediatamente ao armazém. Não esquecer-se que contém resíduo muito tóxico; - A pulverização deve começar do lado para onde sopra o vento. Nestas condições os balizadores não têm necessidade de proteção especial, além da capa e boné. - Após a pulverização não permitir a entrada de pessoas nas 24 horas seguintes. Por questões de segurança afixar símbolos toxicológicos junto às vias de acesso, que serão retiradas após as 24 horas; - Ler atentamente o rótulo das embalagens;

- Em caso de intoxicação acidental levar imediatamente o paciente ao médico. É conveniente ter disponível a Atropina, nas zonas em pulverização, em quantidade suficiente, em função da distância a que se encontram do médico e do número de pessoas envolvidas no trabalho; - Deve haver um tambor com água para lavagem de mão e rosto e facilidades de banho.

Descontaminação do equipamento: - São freqüentes as reclamações e danos provocados ou devidos a uma descontaminação deficiente, especialmente quando o equipamento esteve trabalhando com herbicida hormonal. - É muito importante saber quais os produtos que a aeronave aplicou, para se proceder de acordo. - Sempre que mudar de produtos ou de cultura é recomendável uma lavagem com água e detergente. - Para o caso específico de ter, estado a trabalhar com herbicida hormonal, aconselha-se encher o tanque (hope) com uma solução de amônia a 5%, deixando em repouso por 24 horas. - Os micronaire devem ser desmontados e mergulhados na mesma solução.

- Os materiais de alumínio devem ser mergulhados em solução de amônia a 10%.

- Após 24 horas, alijar a solução e lavar bem com água para assegurar que todo o resíduo de amônia foi eliminado. - Lavar em seguida com água e detergente, enxaguando depois com água limpa (Almeida,19??).

4. Defensivos Domésticos

Assim como os defensivos, os inseticidas domésticos podem penetrar no organismo humano, sendo absorvidos através da pele, respiração, ingestão de água e alimentos contaminados. Tendo ambos constituição química bastante semelhante, os efeitos nocivos causados por eles são idênticos (CORSON, 1996).

5. RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES PARA A APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS:

O produtor rural deve estar atento para o momento do prejuízo econômico causado pela praga. Deve Ser analisada a fase de instalação da praga em relação com a colheita. Caso esta instalação aconteça muito próxima da colheita, é provável que a aplicação do defensivo origine um PREJUÍZO FINANCEIRO para o produtor, pois terá feito um gasto para esta aplicação, sendo que o prejuízo causado pela praga seria mínimo.

No caso de qualquer praga, antes de aplicar o defensivo agrícola, devem ser tomadas os seguintes cuidados: - Verificar a extensão da ocupação da lavoura pela praga.

- Existência ou não de predadores naturais desta praga.

- Estágio de desenvolvimento da cultura. - Entrar em contato com confrontantes e vizinhos próximos para verificar a ocorrência desta mesma praga. - Obter informações sobre combate natural.

Ao decidir pela aplicação do defensivo: - Calcular cuidadosamente a o período residual do defensivo.

- Calcular o custo/benefício da aplicação

- Observar as recomendações do fabricante como diluição, horários, forma de proteção indicada, etc.

- Procurar orientação de técnico ou pessoa com experiência na aplicação do tipo de defensivo escolhido.

6. Socorros de urgência aos intoxicados (FUNDACENTRO, 1985)

Quando falamos em prevenção de acidentes deve haver a cooperação de todos aqueles que estão envolvidos em determinada tarefa, seja o transportador, o armazenador, o preparador ou o aplicador de defensivos, assim como a obediência ao uso de roupas e equipamento de proteção.

Pelo aspecto técnico-operacional, sabe-se que a agropecuária, a exploração de petróleo e a construção civil são as campeãs em acidente do trabalho no Brasil de hoje (Góis, 1996).

Entretanto, é praticamente impossível anular totalmente o risco. Daí a necessidade de se ter noções de Primeiros Socorros, as quais nessas circunstâncias, desempenham um papel preventivo do agravamento do mal ocorrido.

Conceituamos os Primeiros Socorros como os cuidados imediatos que devem ser dispensados a pessoa, vítima de intoxicação ou envenenamento, e que se destinam a salvar uma vida ameaçada e evitar que se agravem os efeitos tóxicos do defensivo.

Via de regra, os Primeiros Socorros são prestados no local da ocorrência do acidente, até a chegada de um médico ou da vítima a um hospital.

Qualquer pessoa bem treinada poderá prestar os Primeiros Socorros, agindo com calma e confiança. Deve participar de treinamentos constantemente, em condições de emergências simuladas, para manter o seu conhecimento atualizado.

Materiais para atendimento de urgência: Uma caixa de Primeiros Socorros deve conter, no mínimo: - Sabão de coco ou comum

- Copos de vidro ou de papel;

- Seringas descartáveis com agulha de 5ml;

- Algodão;

- Álcool;

- Antídotos para os produtos mais utilizados na propriedade rural, sendo que para cada tipo de defensivo existe um contraveneno, de acordo com a indicação no rótulo do produto. Quando for utilizar o antídoto, siga as instruções no rótulo do tóxico; Um antídoto muito utilizado é o carvão (obtido de torradas de pão ou carvão vegetal) pois o carbono é um elemento tetravalente, absorvendo substâncias tóxicas livres. - A caixa de Primeiros Socorros deve sempre estar perto dos trabalhadores ou do local de armazenamento, manipulação, sendo o seu uso exclusivo do socorria treinado. - Como pode acontecer a intoxicação: os defensivos, pelo seu alto poder tóxico, podem envenenar uma pessoa, através de três caminhos, que são a boca, o nariz e a pele. - Como prestar os Primeiros Socorros: acontecendo o envenenamento, o trabalhador apresenta algum sinal que nos orienta para prestar os primeiros socorros. No rótulo do produto utilizado consta quais os sintomas, o antídoto e o que fazer.

7. ALTERNATIVAS AO USO DE DEFENSIVOS E ADUBAÇÕES QUÍMICAS:

Na adubação verde em cafezais, observou-se que, com uma produção de 5t de matéria seca por hectare, o nitrogênio incorporado ao solo pelo adubo verde foi equivalente ao emprego de 450 kg de sulfato de amônio; admitindo que 2/3 desse total seja proveniente de fixação simbiótica de nitrogênio atmosférico pela leguminosas, a prática de adubação verde representou uma economia de 300 kg de sulfato de amônio (EPR/SA, 1985).

Resumidamente as alternativas para diminuir o uso de defensivos agrícolas seriam: - Expandir a prática agrícola com baixo nível de insumos;

- Melhorar o aproveitamento da produção agrícola existente; - Uso de biotecnologia para melhorar a produção de alimentos;

- Utilização de métodos mais recentes na produção de alimentos;

- Expandir a aquacultura;

- Reforçar as pesquisas na agricultura e educação;

- Implementação de medidas administrativas e políticas para melhorar a agricultura;

- Implementação de medidas econômicas para melhorar a agricultura;

- Ampliação do papel da mulher no desenvolvimento da agricultura;

- Limitar ou planejar o crescimento populacional.

Terceiro maior consumidor mundial de agrotóxicos, o mercado brasileiro movimenta cerca de US$ 2,5 bilhões por ano. O país assumiu a posição da França e está atrás apenas de Japão e Estados Unidos.

8. DO MANUSEIO DE FERRAMENTAS MANUAIS, IMPLEMENTOS E NA OPERAÇÃO DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS (segundo normas de segurança da MASSEY FERGUSON)

Operar um trator agrícola com cuidado é fundamental para a segurança do operador e da máquina. As conseqüências de uma operação irresponsável ou incorreta podem ser fatais. As instruções a seguir são de vital importância para a sua segurança. - Não ande próximo a barrancos, pois o peso do trator poderá provocar desmoronamentos; - Nunca deixe o trator ligado em recintos fechados. O monóxido de carbono produzido pela combustão do motor é altamente tóxico; - Quando tracionar carretas ou implementos de arrasto, certifique-se quanto ao seu correto acoplamento e a compatibilidade entre máquina e implemento, isto é, colocar um implemento para um trator grande em um pequeno; - Ao transitar em rodovias acender o farol, mesmo que seja dia;

- Não ingerir bebida alcoólica quando for operar o trator ou outras máquinas agrícolas; - Quando verificar o nível da solução da bateria, não use chamas ou faíscas próximo, pois poderá provocar uma explosão devido aos gases liberados;

- Nunca utilize o terceiro ponto do trator para serviços de tração; - Quando utilizar o eixo da tomada de potência ligado a correias ou cardã não permita que pessoas permaneçam próximas a esse mecanismo; - Sempre que parar o trator aplique o freio de estacionamento;

- Nunca deixe outras pessoas subirem no trator ou nos implementos e nem permanecerem próximos à área de trabalho; - Cuidado ao retirar a tampa do radiador quando o motor estiver quente; a água pode estar sob pressão e queimar o operador. - Antes de iniciar o trabalho, verifique o perfeito funcionamento de todos os instrumentos e mecanismo de controle; - Em declives utilize a mesma marcha que seria utilizada para subir. Nunca desça em ponto morto ou com a embreagem desacoplada; - Jamais frear somente uma roda quando estiver se deslocando em estradas;

- Mantenha os freios sempre unidos pela trava de união;

- Ao operar em terrenos com curvas ou próximo a tocos, pedras, etc., observe sempre a largura do implemento; - Não fume quando estiver abastecendo o trator ou se estiver trabalhando em seu sistema de combustível; - Antes de iniciar qualquer trabalho de manutenção no trator desligue o motor;

- Em áreas urbanas dirija com cuidado e mantenha-se sempre à direita com velocidade moderada. - Quando o operador trabalhar com ajudante, sempre verificar a sua posição antes de qualquer manobra para não atingi-lo.

9. CAUSAS DO ACIDENTE DE TRABALHO De acordo com FUNDACENTRO/MT (1985)

Definições:

Acidente do trabalho, em termos de legislação, é o que ocorrer na realização do trabalho rural, a serviço do empregador, provocando lesão corporal, perturbação funcional ou doença que cause a morte ou a redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho, equiparando-se, ainda ao acidente do trabalho, a doença profissional, desde que definida em ato do Ministério da Previdência e Assistência Social.

Todo acontecimento que não esteja programado e que pare por pouco ou por muito tempo, a realização de um determinado serviço, provocando perda de tempo, danos materiais ou lesão corporal, podendo ainda ocorrer as três coisas juntas. Por exemplo, se uma estante de produtos cair no solo sem danificá-los, caracteriza Acidente do Trabalho com perda de tempo (a estante deverá ser refeita). Se danificar os produtos, tem-se Acidente do Trabalho, com perda de tempo e danos materiais, uma vez que a estante será refeita e terão que ser trocados alguns produtos. E, se também machucar um trabalhador que estiver próximo, tem-se perda de tempo, danos materiais e lesão corporal. Assim recomenda-se: - Ao empilhar as embalagens sobre o veículo, siga as recomendações do fabricante referente a altura das pilhas de saco, de lata e caixas; - No transporte proteger a carga com uma cobertura de encerado.

(Parte 1 de 2)

Comentários