Apostila envelhecimento

Apostila envelhecimento

(Parte 5 de 6)

Indivíduos com DP podem apresentar diminuição no equilíbrio ou até congelamento na posição, então, a segurança deve ser priorizada no momento da avaliação, assim como nos aparelhos que serão utilizados para isso. Um cicloergômetro pode ser preferível em relação a uma esteira, no caso de uma avaliação de algum índice fisiológico aeróbio. Outra característica é que os pacientes com DP não conseguem ficar muito tempo com um tubo de ar na boca para coleta de ar, de preferência, utilizar uma máscara de gás [104].

Recomendações sobre Programas e Sessões de Exercício Físico

individualmente e com muito cuidado

O programa de treinamento para pacientes com DP deve conter exercícios aeróbios, resistidos, flexibilidade, funcional e neuromuscular. Isso porque, ao longo do curso da doença, os sintomas da DP tremor e rigidez, podem dificultar a avaliação e a execução de determinados exercícios. Outros efeitos como descondicionamento cardiovascular e muscular também são conseqüências secundárias da doença. Como na DP também podem ocorrer dificuldades no planejamento motor e até mesmo na execução das memórias motoras, o professor deve dar pistas visuais, demonstrar e até mesmo escrevê-las para facilitar o desenvolvimento do treinamento. Dependendo da situação a do comprometimento da DP, o paciente deve ser supervisionado

Tipo de Exercício Freqüência Duração Intensidade

Aeróbio 3 x por semana 30 min Critério do professor Resistido 2 x por semana 3 séries 10 s cada série Flexibilidade 1 x por semana 20 s cada série (30 min total) 3 rep, manter 10 s Neuromuscular 1 ou 2 x por semana 15 – 20 min 3 rep, manter 10 s Funcional 1 x por semana 15 – 20 min 3 rep, manter 10 s

6. Avaliação Funcional no Idoso

Este capítulo é destinado a uma bateria de teste para avaliação da aptidão física funcional do idoso. A faixa etária alvo dos testes variam entre 60 e 90 anos [105].

Inicialmente, compreender o que capacidade funcional tornar-se fundamental para a aplicação correta dos testes. Pode-se definir capacidade funcional como a capacidade física de realizar as atividades de vida diária de forma segura e independente, sem fadiga injustificada [105].

Existem algumas recomendações que se devem levar em consideração antes de se começar a avaliar o idoso, por exemplo, evitar exercício físico 1 ou 2 dias antes dos testes; evitar uso excessivo de álcool 1 ou 2 dias antes; consumir alimentos de fácil digestão até 1 h antes do teste; não avaliar o idoso em jejum; aferição de pressão arterial antes e depois do teste; preferência pelo monitoramento da frequência cardíaca; usar indumentária adequada; testes ao ar livre, recomendar bonés ou óculos; óculos de leitura para preenchimento de ficha; saber quais as limitações e medicamentos em uso [105].

Caso o idoso apresente fadiga não habitual, falta de ar; tontura ou confusão mental; dor torácica ou outras dores ou sensações; frequência cardíaca irregular; dormência; perda de controle muscular ou equilíbrio; náusea ou vômito; ou visão turva, o teste deve ser interrompido imediatamente [105].

6.1. Teste de Levantar da Cadeira

Este teste simples e rápido tem como objetivo avaliar a força dos membros inferiores do idoso. Para isso, se utilizam como materiais, 1 cronômetro e 1 cadeira (assento a 43,18 cm do chão) encostada na parede (figuras abaixo).

O idoso deve ficar sentado completamente na cadeira, apoiando as costas. Os ante-braços devem se cruzar a frente do tronco e os pés devem ficar afastados lateralmente na largura dos ombros. O procedimento do teste consiste em, ao sinal do avaliador, o idoso deve levantar e sentar na cadeira quantas vezes ele conseguir em um tempo de 30 segundos. É importante que se faça algumas vezes o procedimento para ver se houve o aprendizado total do teste. Registrar o número de vezes de (levantar/ sentar em 30 segundos). Isso equivale a escore do teste.

6.2. Teste de Flexão de Braço

Tem como objetivo avaliar a força muscular de membros superiores. Utiliza-se como equipamentos, 1 cadeira sem braço e com ante-paro reto (pode ser a mesma do teste anterior); 1 cronômetro; halteres (para mulher, 1 pesando 2,27 kg) (para homem, 1 pesando 3,63 kg) (figuras abaixo).

Ao sinal do avaliador, flexionar e estender (completamente) o ante-braço dominante o máximo de repetições possíveis. Importante fazer algumas vezes para consolidar o teste. No teste, registro o número de repetições realizadas em 30 segundos (escore). Caso o paciente não consiga segurar o peso, pose-se adaptar fixando-se um velcro ou outro sistema para conseguir realizar o teste.

6.3. Teste de Caminhada de 6 minutos

Este teste á uma variação de vários outros testes indiretos de campo para avaliar a capacidade aeróbia do indivíduo idoso. Para isso necessita-se de um espaço externo, por exemplo, uma pequena quadra (com piso não escorregadio); 1 trena para marcar o percurso (45,72 metros de perímetro); 4 cones para fechar o perímetro; 1 cronômetro e fita adesiva para marcar as distâncias intermediarias (figura abaixo).

Deve-se caminhar o mais rápido possível (sem correr), pelo percurso desenhado, objetivando completar o maior número de voltas possíveis em 6 minutos. O registro do escore será a quantidade de metros percorridas em 6 minutos.

Outra opção para se avaliar o condicionamento aeróbio, em espaço fechado, é o teste de “Marcha Estacionária de 2 minutos” (figuras abaixo).

Ao sinal, flexionar o e estender (completamente) os joelhos o máximo de repetições possíveis. Sempre realizar algumas vezes antes do teste. A forma de registro será a marcação de cada subida do joelho dominante em um tempo de 30 segundos. O resultado é fornecido em forma de escore. Pode-se adaptar o teste com o apoio de uma das mãos na parede ou mesa para melhorar o equilíbrio, caso o idoso tenha dificuldades em relação a isso.

6.4. Teste de Sentar e Alcançar os Pés

Tem como objetivo avaliar a flexibilidade de membros inferiores, especialmente (região posterior de coxa). Os materiais necessários para o teste são 1 cadeira e 1 régua de 50 cm (figuras abaixo).

O idoso deve sentar na beirada da cadeira com uma das pernas flexionadas (no chão) e a outra estendida (90 graus tornozelo e perna). Lentamente inclinar-se para frente e tentar alcançar os dedos dos pés sem flexionar o joelho. Ao alcança o ponto máximo, manter por 2 segundos e marcar a distância. Praticar nas duas pernas e ver qual o melhor e depois aquecer mais duas vezes com a perna escolhida. Após isso, o teste deve ser feito, em duas tentativas, para a perna melhor e marcar os dois na ficha e considerar o melhor. O escore deste teste e a distância (em centímetros) da ponta dos dedos até a ponta dos pés, a marcação será “negativa” para a distância até o pé (antes do pé) e “positiva” para marcação da distância depois do pé.

6.5. Teste de Alcançar as Costas

Tem como finalidade avaliar a flexibilidade dos membros superiores (ombro). Para isso, só se precisa de 1 régua de 50 centímetros (figuras abaixo).

O teste consiste em, de pé, com a mão sobre o ombro (palma estendida) tentando alcançar a parte central das costas (cotovelo apontando para cima). A outra mão com a palma para cima na parte posterior da cintura (tentando encontrar a outra mão). Deve-se treinar com as duas mãos para selecionar a melhor. Após duas tentativas (aquecimento), aplicar o teste (duas tentativas e anotar os dois. Para isso, medir a distância em centímetros entre os dedos médios (negativo) ou da sobreposição entre eles (positivo). Evitar impulso durante o teste e sempre manter a respiração normal.

6.6. Teste de Levantar e Caminhar

Este é um teste para avaliar equilíbrio dinâmico e agilidade do idoso. Utiliza-se como material 1 cadeira (a mesma que nos outros testes, altura do assento (43,18 centímetros); 1 trena e 1 cone (figuras abaixo).

Inicialmente, o idoso deve ficar sentado na cadeira com as mãos na coxa. Um pé (o dominante) deve ser colocado ligeiramente a frente com o corpo inclinado a frente. Ao comando “iniciar”, levantar da cadeira, dar a volta no cone e se sentar. O cone deve ficar a uma distância de 2,5 metros da cadeira. Fazer uma vez para o aprendizado e posteriormente realizar o teste, duas tentativas (marcar as duas) e considerar o melhor tempo (em segundos). Pode se adaptar com o uso de bengala ou andador.

45 6.7. Ficha de Testes e Tabelas de Comparação

7. Referências

[1] Organizacion Mundial de la Salud. Grupo Científico sobre la Epidemiologia del

Envejecimiento. Aplicaciones de la epidemiologia al estudio de los ancianos; informe. Ginebra 1984.

[2] Periodical on Ageing 84. United Nations New York 1985;1(1).

[3] American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1990 Apr;2(2):265-74.

[4] American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1990 Apr;2(2):265-74.

[5] American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1990 Apr;2(2):265-74.

[6] American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1990 Apr;2(2):265-74.

[7] American College of Sports Medicine position stand. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in healthy adults. Med Sci Sports Exerc 1990 Apr;2(2):265-74.

[8] American Psychiatric Association. Diagnostic and statical manual of mental disordes. 4 ed. Washington, DC: American Psychiatric Press; 1994.

[9] American College of Sports Medicine. Guidelines for exercise testing and prescription. 7 ed. Philadelphia, PA: Lea and Febiger; 2006.

[10] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Anuário Estatístico do Brasil. 2006.

[1] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Anuário Estatístico do Brasil. 2006.

[12] Abellan R, Ventura R, Pichini S, Di Giovannandrea R, Bellver M, Olive R, et al.

Effect of physical fitness and endurance exercise on indirect biomarkers of recombinant growth hormone misuse: insulin-like growth factor I and procollagen type I peptide. Int J Sports Med 2006 Dec;27(12):976-83.

[13] Aleman A, Verhaar HJ, de Haan EH, De Vries WR, Samson M, Drent ML, et al.

Insulin-like growth factor-I and cognitive function in healthy older men. J Clin Endocrinol Metab 1999 Feb;84(2):471-5.

[14] American Psychiatric Association. Diagnostic and statical manual of mental disordes (DSM-IV). 4 ed. Washington, DC: American Psychiatric Press; 1994.

[15] American Sleep Disorders Association. The international classification of sleep disorders: diagnostic and coding manual. Kansas: DCSC; 1991.

(Parte 5 de 6)

Comentários