zoologia geral

zoologia geral

(Parte 1 de 12)

O que é Zoologia? Podemos definir Zoologia como "um ramo da Biologia que engloba todos os aspectos da biologia animal, inclusive relações entre animais e ambiente". Com esta definição, tão ampla, estudamos não apenas morfologia, sistemática e ecologia, mas também o funcionamento dos animais, constituintes químicos dos tecidos, formação e desenvolvimento, propriedades e funções celulares. A zoologia experimental, por exemplo, inclui as subdivisões relativas às alterações experimentais dos padrões dos animais como genética, morfologia experimental e embriologia.

Os vários campos de investigação com animais possuem uma inter-relação de outras disciplinas com a zoologia clássica. Na medida em que a especialização aumenta, ramos de estudo tornam-se mais e mais restritos: celenterologia - estudo dos cnidários; entomologia - estudo dos insetos, que se subdivide em sistemática e entomologia econômica; mastozoologia - estudo dos mamíferos, herpetologia – estudo dos anfíbios e répteis, e assim por diante.

Diversidade da vida animal Aproximadamente 2.0.0 de espécies são conhecidas englobando os vários grupos de animais, mas especialistas estimam que em certos grupos, conhece-se apenas uma pequena fração de espécies atuais existentes, notadamente de nematódeos, insetos e certos quelicerados, particularmente os ácaros. Em alguns levantamentos intensivos de fauna em matas tropicais, foi estimado que a diversidade de artrópodes em uma única área pode ser de algumas centenas de milhares ou até de um milhão de espécies.

Alguns cálculos indicam que a diversidade atual representa apenas cerca de 1% da diversidade produzida na história biológica, com milhões de espécies extintas ao longo de alguns bilhões de anos de evolução biológica. Isto eleva o número de espécies existentes das atuais quase dois milhões para um número talvez acima de cem milhões.

A compreensão da diversidade animal passa pelo entendimento do que é biodiversidade. Um termo, cujo sinônimo mais freqüente é "variedade da vida", que inclui a variedade de estruturas e funções nos níveis genético, de espécie, de população, de comunidade e de ecossistema, uma definição tão ampla quanto a própria Biologia. Existem várias tentativas para revelar as principais características da biodiversidade, enquanto conceito, e surgem então as três divisões mais citadas na atualidade: diversidade genética, diversidade taxonômica ou de espécies e diversidade de ecossistema.

O estudo da biodiversidade equivale, portanto, ao estudo da história da vida que começou a aproximadamente 4,5 bilhões de anos. Para um melhor entendimento da vida animal, nós precisamos remontar a cerca de 650 milhões de anos, período do surgimento da pluricelularidade. Já os grandes planos de organização dos metazoários foram definitivamente estabelecidos há 430 milhões de anos. A Terra é inicialmente conquistada pelos vegetais, depois pelos invertebrados e finalmente pelos vertebrados. A conquista do ar é realizada pelos insetos há 350 milhões de anos e pelas aves há 130 ma. Dos animais mais primitivos aos milhões de espécies atuais existem muitas mudanças, às quais denominamos evolução.

Assim, nos inventários da biodiversidade deve-se buscar padrões que se repetem, entender os processos que geraram diversas espécies e adaptações através a história evolutiva. Neste contexto a reconstrução das filogenias é fundamental para que possamos detectar origens da multicelularidade e muitos outros aspectos que distinguem a biodiversidade nos tempos atuais.

Diversidade intraespecífica e diversidade interespecífica A diversidade animal revela-se também em aspectos como dimorfismo sexual, diferenças no desenvolvimento e diferenças individuais, os quais ocorrem dentro de uma mesma espécie, enquanto variações em tamanho, morfologia, fisiologia, simetria, habitats colonizados, etc., são maiores entre espécies.

Diversidade intraespecífica: Dimorfismo sexual - as diferenças entre os genitores podem ser claras, como em certos besouros, certas aves e alguns peixes ou não tão claras, ao menos externamente nos quais é difícil distinguir o macho da fêmea, a exemplo do que ocorre nos ouriços do mar.

Diferenças no desenvolvimento - uma forma jovem pode ser completamente diferente da adulta, como por exemplo girino e sapo, lagarta e borboleta, estádios larvais de muitos animais marinhos adultos.

Diferenças individuais - devido ao patrimônio genético de cada indivíduo são encontradas diferenças em tamanho, cor, forma, comportamento, particularidades exploradas pelo homem no desenvolvimento de variedades de animais domesticados.

Diversidade interespecífica: Tamanho - a ordem de grandeza é notável entre baleias e animais microscópicos que habitam os espaços entre grãos de areia.

Morfologia - diferenças na organização são encontradas não apenas na forma externa, mas também na forma interna. Nos insetos, por exemplo, a maior parte do sistema nervoso é ventral em relação ao tubo digestivo, enquanto que a relação é invertida nos vertebrados.

Fisiologia - as diferenças nas formas exigiram atividades diferentes, por exemplo, nos modos de locomoção e ingestão de alimentos.

Simetria - é a divisão imaginária do corpo de um ser em metades opostas, que devem ser simétricas entre si; basicamente os elementos de simetria são eixos e planos. Eixo é uma reta que atravessa o centro do corpo, de tal modo que ao longo desta reta as partes do corpo se repetem. Plano é a superfície que divide o corpo em partes de tal modo que uma é a imagem especular da outra.

A maioria de animais e protozoários possui algum tipo de simetria e a mais simples é a simetria esférica, rara na natureza, existente apenas em certos protozoários. Nela a forma apresentada é de uma esfera, com suas partes organizadas concentricamente ao redor de um ponto central. Uma esfera tem um número indefinido de planos de simetria que podem passar pelo seu centro e dividir o organismo em metades iguais.

Os protozoários com simetria esférica compartilham um importante atributo funcional com organismos assimétricos: em ambos falta polaridade. Em todos os outros tipos de simetria algum nível de polaridade foi atingido, a qual vem acompanhada de especializações nas regiões do corpo.

Um corpo exibindo simetria radial tem a forma de um cilindro, em cuja intersecção dos vários planos de simetria, dispostos radialmente, há um eixo oral-aboral. Modificações existem neste plano básico, sendo exemplos as simetrias birradiais, tetra, penta, ou multirradiais. A simetria birradial ocorre em partes especializadas do corpo e apenas dois planos podem dividir o animal em metades similares. As anêmonas do mar e os ctenóforos a exemplificam. A simetria tetrarradial existe em muitas água-vivas, enquanto a maioria das estrelas-do-mar têm simetria pentarradial, mas são conhecidas outras com vários braços, portanto com simetria multirradial.

Na simetria bilateral, presente dos platelmintos aos vertebrados, existe apenas um plano de simetria - sagital ou mediano - que divide o corpo do animal em duas metades, lado direito e lado esquerdo, sendo uma a imagem especular da outra. O plano frontal divide o corpo em duas regiões, dorsal e ventral, portanto diferentes entre si. Os eixos são o dorso-ventral e o antero-posterior. Modificações desta simetria existem em certos grupos de animais, por exemplo o enrolamento da concha de alguns moluscos, resultante do deslocamento de certas parte do corpo e em outros grupos de animais devido ao hábito de fixar-se ao substrato, geralmente pela superfície ventral, ou ainda causada pelo desenvolvimento desigual de certas estruturas pareadas.

Hábitats - a diversidade animal também é expressa na variedade de hábitats que os animais ocupam; geralmente acredita-se que os animais tenham se originado nos oceanos arqueozóicos, bem antes do primeiro registro fóssil. Todo filo importante de animais tem pelo menos alguns representantes marinhos e do ambiente marinho ancestral grupos diferentes invadiram a água doce, enquanto outros moveram-se para a terra. Cada hábitat diferente - floresta, oceano, deserto, lago, contém sua diversidade animal característica.

Caracterização dos ambientes e distribuição ecológica dos animais. Um estudo detalhado revela que todo organismo enfrenta as mesmas necessidades fundamentais de sobrevivência e os mesmos problemas de alimentação para obter energia, ocupação de espaço vital e produção de novas gerações. Na solução destes problemas os organismos se diferenciaram em inúmeras formas, adaptadas à vida de ambientes particulares.

A distribuição dos animais é limitada pela existência de ambientes adequados à sua vida e estando o ambiente sujeito às alterações naturais ou artificiais eles buscam novos locais para habitarem. A disponibilidade de alimento é fator muito importante na distribuição dos animais, assim como temperatura, água, competidores naturais, predadores, entre outros.

Ambientes marinhos, estuários e manguezais: Comparando com a água doce e a terra, o ambiente marinho é relativamente uniforme, o oxigênio geralmente é disponível e a salinidade do mar aberto é relativamente constante.

A maioria dos animais que vivem no oceano é esteno-hialina, isto é, não suportam variações bruscas de salinidade.

As estratégias de sobrevivência são variadas e inúmeras as adaptações dos organismos marinhos, particularmente daqueles que vivem na fronteira entre terra e água e os animais das regiões batipelágicas, onde impera a escuridão. Os animais que habitam permanentemente esta zona são carnívoros ou consumidores de detritos e os que vivem na zona do entremarés suportam longos períodos de exposição à dessecação.

Os ambientes estuarinos incluem fozes de rios, deltas circundantes, pântanos costeiros, pequenas enseadas e são geralmente afetados por marés, de onde se origina a palavra estuário (do latim aestus=maré). Já os manguezais são ambientes estuarinos especiais, caracterizados por apresentarem densa vegetação de plantas que vivem em condições salinas, deniminadas mangues.

A salinidade flutuante em muitos estuários restringe a fauna estuarina, característica destes ambientes, e apenas invasores marinhos eurihalinos e poucas espécies de água doce podem tolerar essa condição.

Ambientes dulciaqüícolas ou límnicos: Como os ambientes marinhos, os ambiente dulciaqüícolas, particularmente lagos e rios, também apresentam um zoneamento horizontal e vertical, mas seus menores tamanhos, suas profundidades relativamente mais rasas e o conteúdo de água doce os tornam ecologicamente diferentes dos oceanos.

Ao contrário da água salgada que se torna progressivamente mais densa em temperaturas reduzidas, a água doce alcança a sua maior densidade a 4º C. Ocorre pouca circulação entre os níveis superior e inferior, de forma que a zona do fundo não é somente escura, mas também é relativamente estagnada por falta de oxigênio, sustentando uma fauna limitada.

Os animais que habitam a água doce apresentam diversas adaptações, entre as quais destacamos a supressão do estádio larval, a qual é realizada de várias formas. É freqüente que fêmeas produzam grandes ovos de desenvolvimento direto que elas guardam até a eclosão. Em outros casos, os ovos são colocados em casulos, fixos em corpos estranhos ou são meio enterrados no sedimento.

A água pode congelar, ou desaparecer por evaporação, em conseqüência disto há uma série de adaptações que permitem a sobrevivência da fauna, a exemplo de gêmulas de esponjas, cisto ovígero de planárias, ovos de hidras.

Os diversos ambientes límnicos diferem entre si pela quantidade de água e pela movimentaçao (águas lênticas são paradas e águas lóticas são correntes). Entre as diversas facies dos ambientes límnicos - lagos, rios, fontes, açudes, poços, entre outros, há também miniaturas de aquários que se formam nas bromélias, plantas epífitas comuns em nossa região e abrigam uma fauna especial.

Ambientes terrestres: Os ambientes terrestres são extremamente variados e suas condições físicas muito menos estáveis do que nos ambientes aquáticos. Cada um deles é caracterizado por um conjunto de fatores ecológicos, como solo, clima, geomorfologia e também bióticos, que permitiu a colonização por flora e fauna particulares. Os principais tipos de ecossistemas dependem principalmente de fatores climáticos, como temperatura, luz e precipitação, além dos fatores edáficos, textura do solo, teor de nutrientes e capacidade de armazenar água, permitindo que haja uma variação periódica regular: sazonal e diária. (Fonseca & Brazil, 1998).

O problema mais crítico para os animais terrestres é a perda de água pela evaporação. A solução para este problema tem sido um fator primário na evolução de muitas adaptações para a vida na terra. Para maiores informações consulte Ambientes Terrestres no site do Projeto Qualibio.

Ambientes biológicos: Os próprios seres vivos servem de meio para outros organismos, constituindo assim um tipo especial de ambiente, conhecido como meio biológico. Muitos organismos vivem no interior ou na superfície de outros em associações íntimas, conjuntamente chamadas de simbiose (sim=juntos; bio=vida). Para alguns simbiontes, a associação com o seu hospedeiro é imprescindível para sua sobrevivência (associação obrigatória), mas para outros a associação, apesar de melhorar a condição de vida, não é obrigatória (associação facultativa). (Madeira, 1998, site do Projeto Qualibio).

Nomenclatura Zoológica Quando falamos em nomenclatura, taxonomia, classificação e sistemática devemos saber que estes são conceitos, que, apesar de terem alguma relação entre si, se referem a matérias distintas, muitas vezes confundidas.

A sistemática é o estudo das relações de parentesco entre os organismos. Desta maneira quando comparamos espécies diferentes, por exemplo, e hipotetizamos uma filogenia, que representa as relações de parentesco entre estas espécies, estamos fazendo um estudo de sistemática. Podemos comparar tais espécies pelas suas características morfológicas, moleculares e etc.

A taxonomia diz respeito às regras de nomenclatura, tais como: dar nomes às espécies, gêneros e famílias. As regras para formar coleções taxonômicas, para coletas em campo, rotulagem e publicações taxonômicas, também dizem respeito à taxonomia.

A classificação está no âmbito da taxonomia e se refere à prática de se agrupar os táxons em categorias hierárquicas como: filo, classe, ordem, família, gênero e espécie. A classificação ideal deve refletir a sistemática de determinado grupo, ou seja, deve representar as relações de parentesco daquele grupo. Por outro lado à classificação é, de certa maneira, independente da nomenclatura, já que, um autor, de acordo com certas regras, poderá alterar o nome de uma espécie ou gênero, quando ele achar necessário.

A importância da nomenclatura A comunicação entre os diversos campos da ciência biológica se dá principalmente pelo nome científico das espécies estudadas. Por exemplo, num estudo interdisciplinar em que existe a cooperação de profissionais de diversas áreas da biologia, um ecólogo poderá fazer o levantamento da fauna de determinada região, um geneticista fará a caracterização do cariótipo daquela fauna, um morfologista descreverá as características morfológicas, e, assim por diante. Sem um nome científico universal, ditado segundo regras aceitas por toda a comunidade científica, que caracteriza cada espécie estudada e catalogada, ficaria difícil a comunicação entre os diversos campos da biologia. Quem dita tais regras é o código de nomenclatura zoológica. Tal código é universal, ele rejeita nomes que possam causar confusão ou ambigüidade, o que garante a universalidade dos nomes científicos, fazendo com que estes sejam reconhecidos por cientistas de qualquer nacionalidade.

A importância prática da taxonomia, cujas regras de nomenclatura disciplinam a nomeação das várias categorias taxonômicas, pode ser vista, por exemplo, nos estudos sobre o controle de vetores de doenças que atingem humanos. Se a espécie a qual pertence o vetor estiver mal classificada, a ponto de englobar uma variedade de outras espécies do mesmo gênero, que não hospedam determinado vírus ou protozoário causador da doença, os esforços no combate à mesma podem malograr. Este foi o caso do combate ao mosquito transmissor da malária (Anopheles maculipennis). De 1895 até 1934 várias foram às tentativas para a erradicação do mosquito. A partir desta última data o problema começou a ser solucionado pelos entomólogos da época, que descobriram que Anopheles maculipennis, na verdade, formava um complexo de pelo menos sete espécies, das quais apenas algumas eram transmissoras da malária.

Porque devemos nomear as espécies com dois nomes? Desde Aristóteles a nomenclatura binomial já era praticada. Foi ele quem sistematizou esta maneira de classificar os organismos, em duas categorias. No entanto foi Linnaeus (1707-1778) quem começou a usar um sistema binomial de forma mais coerente e organizada. Assim cada espécie animal ou vegetal teria dois nomes: o primeiro, o gênero, deveria refletir as características mais genéricas ou coletivas; o segundo, a espécie, refletiria as características mais específicas, aquelas mais peculiares.O código de nomenclatura zoológica que vigora hoje foi publicado em 1964, e de acordo com o mesmo, existem regras para a formação dos nomes dos táxons do grupo da família, do grupo do gênero e do grupo da espécie.

Como se nomeiam os táxons do grupo família? Este grupo inclui quatro categorias, a saber: tribo, subfamília, família e superfamília. O nome da categoria família é formado pela adição da desinência -idae ao radical do gênero tipo da família, o gênero que é o tipo padrão para determinada família. Por exemplo, o gênero Felis é o tipo padrão para toda a sua família, o radical deste termo é fel; portanto, adicionando-se a desinência - idae a este radical, o nome da família fica felidae. O mesmo para Canis; cujo radical é can, portanto canidae. No caso da categoria subfamília vale o mesmo raciocínio, porém a desinência é -inae. Para as categorias superfamília e tribo, as desinências são -oidea e –ini, respectivamente

Como se nomeiam os táxons do grupo gênero e espécie? Como já dissemos, geralmente o nome da espécie é composto por dois termos (binomial). O primeiro designa o gênero, categoria que pode englobar uma ou mais espécies; é um termo mais amplo, que diz respeito às características mais genéricas comuns a este táxon. O segundo termo designa a espécie, diz respeito ás características próprias de cada espécie pertencente àquele mesmo gênero. Por exemplo, Panthera leo (leão), Panthera tigris (tigre), Panthera onca (onça) são três espécies da família Felidae, pertencentes ao mesmo gênero, Panthera. Cada uma delas tem as suas particularidades, daí serem classificadas em três espécies distintas; todas as três, porém, compartilham certas características, daí pertencerem ao mesmo gênero. De acordo com o código o nome do gênero e da espécie devem ser escritos em latim, ou, então, numa forma latinizada, com caracteres itálicos ou grifadas separadamente. Apenas a primeira letra que forma o nome do gênero deve estar em maiúscula; o nome da espécie deve estar todo em letras minúsculas.

Segundo o código, quando num artigo, mencionamos o nome de uma espécie pela primeira vez, este deve ser escrito por completo, por exemplo: Drosophila melanogaster. A partir daí, durante o desenvolvimento do artigo, o nome pode ser escrito numa forma abreviada, não precisamos escrever o nome do gênero, apenas a sua inicial, em maiúscula seguida de ponto, e, depois, o termo que caracteriza a espécie. Assim, no mesmo artigo, se o nome desta espécie fosse mencionado novamente ficaria: D. melanogaster

Algumas vezes encontramos o nome científico de uma espécie escrito com três termos (nomes de táxons ditos trinomiais). Quando encontramos, por exemplo, Glenea (Paraglenea) tigrinata, significa uma espécie do gênero Glenea e do subgênero Paraglenea, termo que se escreve entre parênteses e com a primeira letra em maiúscula. O subgênero, como o nome diz, é uma categoria abaixo de gênero e acima de espécie. Seriam grupos de espécies de um mesmo gênero, mas que apresentam certas características que permitem agrupá-los numa categoria intermediária entre gênero e espécie, o subgênero. Assim um gênero pode ter vários subgêneros, e cada subgênero, várias espécies.

Se encontrarmos, por exemplo, Homo sapiens neanderthalensis interpretamos como uma subespécie da espécie Homo sapiens. O termo que caracteriza a subespécie vem em seguida ao termo da espécie. Neste exemplo é o termo neanderthalensis, também escrito em minúscula. A subespécie é uma categoria abaixo da espécie, definida por características ainda mais peculiares. Deste modo uma espécie pode ter várias subespécies. No exemplo dado a espécie H. sapiens apresenta duas subespécies: H. sapiens neanderthalensis (o homem de Neandertal) e H. sapiens sapiens (homem moderno).

Nome dos autores e data da publicação Muitas vezes encontramos um nome próprio, logo após ao nome da espécie, Tupinambis teguixim Linnaeus. Linnaeus é nome do autor que publicou o nome do táxon pela primeira vez. Seguido ao nome do autor podemos encontrar uma data, Tupinambis teguixim Linnaeus, 1758. Isto significa que o nome da espécie, T. teguixim foi publicada pela primeira vez por Linnaeus num trabalho datado de 1758. De acordo com o código a data deve vir em seguida ao nome do autor, separada deste por vírgula. Também podemos encontrar a seguinte situação: Trichomys apereoides (Lund, 1841). Neste caso, tanto o nome do autor como a data aparecem entre parênteses, separados por vírgula; o que significa que a espécie em questão foi primeiramente descrita num outro gênero que não o atual. No exemplo citado, T. apereoides foi primeiramente incluída no gênero Cercomys, pelo próprio Lund em 1841. Posteriormente, outro autor, no caso Peter, cujo nome não aparece, concluiu que todas as formas referidas ao gênero Cercomys deveriam constar como Trichomys. Nota-se daí que o nome próprio que vigora é sempre o do primeiro autor, e não o do autor que reconheceu aquele táxon como outro gênero.

CATEGORIATÁXON
ReinoMetazoa
FiloChordata
ClasseMammalia
OrdemPrimata
FamíliaCanidae
GêneroCanis
EspécieCanis familiaris

Regras de Nomenclatura (Código internacional de nomeclatura zoológica, versão 2000)

O nome dos animais deve ser escrito em latim ou idioma latinizado. Canis familiaris Todo animal deve ter, pelo menos, dois nomes, o primeiro referente ao gênero e o segundo à espécie. É o sistema binominal criado por Linnaeu. Musca domestica O nome do gênero deve ser escrito com inicial maiúscula e o nome da espécie deve ser escrito com inicial minúscula. Geodia papyracea. O nome dos animais deve ser em destaque (itálico ou negrito)

(Parte 1 de 12)

Comentários