Plantas Raras do Brasil

Plantas Raras do Brasil

(Parte 1 de 7)

Plantas Raras do Brasil Plantas Raras do Brasil

Plantas Raras do Brasil Plantas Raras do Brasil

Conservação Internacional (CI-Brasil)

Presidente Roberto Brandão Cavalcanti

Vice-Presidente de Operações Carlos Alberto Bouchardet

Diretores

Guilherme Fraga Dutra Isabela Santos Luiz Paulo Pinto Patrícia Baião Paulo Gustavo Prado Ricardo Bomfim Machado

Universidade Estadual de Feira de Santana

Reitor José Carlos Barreto de Santana

Diretor do Departamento de Ciências Biológicas Carlos Costa Bichara Filho

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Botânica Luciano Paganucci de Queiroz

Conservação Internacional Universidade Estadual de Feira de Santana

Plantas Raras do Brasil

Organizadores

Ana Maria Giulietti Alessandro Rapini

Maria José Gomes de Andrade Luciano Paganucci de Queiroz José Maria Cardoso da Silva

Belo Horizonte, MG – 2009

Coordenação Editorial Isabela de Lima Santos

Projeto Gráfico Lúcia Nemer

Designer Assistente Fábio de Assis

Fotografias da Capa

M. Trovó A. Rapini A. Chautems

P713 Plantas raras do Brasil / organizadores, Ana Maria Giulietti[et al.]. –

Belo Horizonte, MG : Conservação Internacional, 2009. 496 p. : il., fots. color., mapas; 26 cm. Co-editora: Universidade Estadual de Feira de Santana.

1. Plantas raras – Brasil. 2. Diversidade biológica – Conservação. I. Conservação Internacional. I. Giulietti, Ana Maria.

Ficha catalográfica elaborada pela bibliotecária Nina C. Mendonça CRB6/1288

Sumário Sumário

Prefácio 1 Agradecimentos 13 Colaboradores e Instituições 15 Introdução 23

Catálogo de Plantas Raras do Brasil 37 ACANTHACEAE 39 ACHARIACEAE 4 ALISMATACEAE 45 ALLIACEAE 46 ALSTROEMERIACEAE 47 AMARANTHACEAE 48 AMARYLLIDACEAE 51 ANNONACEAE 52 APOCYNACEAE 54 APODANTHACEAE 65 AQUIFOLIACEAE 6 ARACEAE 67 ARALIACEAE 71 ARECACEAE 74 ASTERACEAE 76

BALANOPHORACEAE 90 BEGONIACEAE 91 BERBERIDACEAE 95 BIGNONIACEAE 96 BORAGINACEAE 101 BRASSICACEAE 102 BROMELIACEAE 103 BURMANNIACEAE 115 BURSERACEAE 116 CACTACEAE 118 CALYCERACEAE 127 CAMPANULACEAE 128 CANELLACEAE 130 CARYOPHYLLACEAE 131 CELASTRACEAE 132 CHRYSOBALANACEAE 134 CLUSIACEAE 139 COMBRETACEAE 142 COMMELINACEAE 143 CONNARACEAE 145

CONVOLVULACEAE 147 CUCURBITACEAE 150 CUNONIACEAE 153 CYPERACEAE 154 DILLENIACEAE 159 DROSERACEAE 161 EBENACEAE 162 ERICACEAE 165 ERIOCAULACEAE 166 ERYTHROXYLACEAE 181 EUPHORBIACEAE 183 GENTIANACEAE 185 GESNERIACEAE 187 HYPERICACEAE 191 LAMIACEAE 192 LAURACEAE 201 LECYTHIDACEAE 208 LEGUMINOSAE 212 SUBFAMÍLIA CAESALPINIOIDEAE 212 SUBFAMÍLIA MIMOSOIDEAE 221 SUBFAMÍLIA PAPILIONOIDEAE 228

LENTIBULARIACEAE 238 LOGANIACEAE 239 LORANTHACEAE 240 LYTHRACEAE 243 MALPIGHIACEAE 252 MALVACEAE 262 MELASTOMATACEAE 263 MELIACEAE 280 MOLLUGINACEAE 281 MONIMIACEAE 282 MORACEAE 284 MYRISTICACEAE 287 MYRSINACEAE 288 MYRTACEAE 289 OCHNACEAE 293 OLACACEAE 297 OLEACEAE 298 ORCHIDACEAE 299 OROBANCHACEAE 310 OXALIDACEAE 312 PASSIFLORACEAE 314

Sumário

Sumário

PICRAMNIACEAE 316 PIPERACEAE 317 PLANTAGINACEAE 324 POACEAE 326 PODOCARPACEAE 341 POLYGALACEAE 342 POLYGONACEAE 346 PORTULACACEAE 347 PROTEACEAE 348 QUIINACEAE 349 RHABDODENDRACEAE 350 RUBIACEAE 351 RUTACEAE 358 SABIACEAE 362 SALICACEAE 363 SANTALACEAE 364 SAPOTACEAE 366 SCHOEPFIACEAE 371 SCROPHULARIACEAE 372 SIMAROUBACEAE 374 SOLANACEAE 375

SYMPLOCACEAE 380 THISMIACEAE 382 THYMELAEACEAE 383 TRIURIDACEAE 384 TURNERACEAE 385 URTICACEAE 391 VELLOZIACEAE 392 VERBENACEAE 399 VIOLACEAE 406 VITACEAE 407 VOCHYSIACEAE 408 XYRIDACEAE 411 ZINGIBERACEAE 416

Acervo Fotográfico 417

Áreas-Chave para Espécies Raras de Fanerógamas 433

11Prefácio Prefácio

Um dos maiores desafios deste século é desenvolver modelos de desenvolvimento social e econômico que tenham como sua base a conservação da biodiversidade. Esses modelos são especialmente importantes em países como o Brasil, detentores de grande parte das espécies existentes no planeta.

O desenvolvimento sustentável de um país requer planejamento sistemático de conservação, com objetivos bem definidos e métodos consistentes de análise. Para isso, informações precisas sobre a distribuição das espécies são fundamentais. Nesse processo, nem todas as espécies são iguais. As espécies com distribuição restrita têm muito mais possibilidades de serem extintas por um evento catastrófico qualquer ou simplesmente pela ocupação humana desordenada do que espécies amplamente distribuídas. Por isso, elas recebem maior atenção por parte dos conservacionistas. O argumento é simples: se protegermos as áreas onde estas espécies ocorrem, estaremos protegendo também populações de outras espécies que possuem distribuições mais extensas e, assim, maximizando os esforços de conservação.

Este livro é uma contribuição fantástica para a conservação da biodiversidade no Brasil e no mundo. Produto de uma parceria entre a Universidade Estadual de Feira de Santana e a Conservação Internacional, da qual orgulhosamente faço parte do seu Conselho Global, ele sintetiza o trabalho intenso de mais de 170 cientistas de 5 instituições e nos revela o mundo das plantas raras do Brasil. Plantas raras foram definidas como aquelas espécies que possuem distribuição menor do que 10.0 km2. O número final deste esforço impressiona. Foram reconhecidas 2.291 espécies de plantas raras brasileiras, cerca de 4 a 6% de todas as espécies de plantas do país, muitas das quais se encontram à beira da extinção. As distribuições das espécies de plantas raras ajudam também a delimitar 752 áreas que são chaves para garantir a conservação da diversidade de plantas brasileiras. Essas áreas deveriam ser rapidamente reconhecidas por todos como prioridade imediata para um trabalho intenso de preservação.

Conservar o capital natural brasileiro e promover o uso sustentável dos recursos é um dever de todos os setores da sociedade nacional. Sem o esforço conjunto dos cientistas e sem livros de síntese como este, às vezes torna-se difícil imaginar a magnitude do desafio que ainda temos pela frente. Espero que esta obra sirva de inspiração para um pacto nacional mais amplo que tenha como objetivo desenvolver ações concretas para evitar a extinção das espécies no Brasil.

André Esteves

Membro do Conselho Diretor Conservação Internacional

13Agradecimentos Agradecimentos

Agradecemos a todas as instituições cujos pesquisadores colaboraram no estudo das famílias relacionadas no livro. Em especial, à Universidade Estadual de Feira de Santana por ter fornecido toda a infraestrutura necessária ao projeto. Agradecemos ao Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e ao Instituto do Milênio do Semi-Árido (IMSEAR), ambos do Ministério da Ciência e Tecnologia, pelos recursos para o trabalho de campo que serviu de base para a avaliação de várias espécies raras. A.M. Giulietti, A. Rapini, L.P. Queiroz e J.M.C. Silva agradecem ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pela bolsa de produtividade em pesquisa. M.J.G. Andrade agradece à Conservação Internacional (CI-Brasil) pela bolsa recebida por meio da Fundação Instituto para o Desenvolvimento da Amazônia (FIDESA) para se dedicar à organização do livro. Este projeto foi desenvolvido graças ao apoio da Gordon and Betty Moore Foundation, baseada em Palo Alto (EUA), e de André Esteves, membro do Conselho da Conservação Internacional. Por fim, um agradecimento especial a todos os autores, que demonstraram envolvimento e muita paciência ao longo deste projeto que, como qualquer grande trabalho de síntese, mostrou-se muito mais complexo do que tínhamos inicialmente imaginado.

Comissão Organizadora

15 Colaboradores e Instituições

A lista a seguir inclui as pessoas que colaboraram para a produção deste livro: autores dos capítulos, pesquisadores que contribuíram com a revisão do conteúdo e também aqueles que analisaram determinadas famílias e não encontraram espécies raras segundo os critérios adotados neste trabalho.

Abel Augusto Conceição - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Adilva de Souza Conceição - Universidade do Estado da Bahia, BA, Brasil Alain Chautems - Jardin Botanique de la Ville de Genève, Genebra, Suíça Alessandro Rapini - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Alessandro Silva do Rosário - Museu Paraense Emílio Goeldi, PA, Brasil Alexa Araújo de Oliveira Paes Coelho - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Alexandre Quinet - Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, RJ, Brasil Aline Costa da Mota - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Ana Cláudia Araújo - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil Ana du Bocage - Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária, PE, Brasil Ana Luiza Andrade Côrtes - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Ana Maria Giulietti - Universidade Estadual de Feira de Santana, BA, Brasil Ana Maria Goulart Azevedo Tozzi - Universidade Estadual de Campinas, SP, Brasil Ana Paula Fortuna Pérez - Universidade Estadual de Campinas, SP, Brasil Ana Paula M. Santos - Universidade Federal de Uberlândia, MG, Brasil Anderson Alves-Araújo - Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil Anderson F. P. Machado - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, RJ, Brasil Andrea Karla A. Santos - Universidade Estadual de Feira de Santana e Universidade Federal da Bahia, BA, Brasil Andrea O. de Araujo - Universidade Estadual Paulista, SP, Brasil Angela Borges Martins - Universidade Estadual de Campinas, SP, Brasil Antônio Elielson S. Rocha - Museu Paraense Emílio Goeldi, PA, Brasil

(Parte 1 de 7)

Comentários