Arritmias cardíacas

Arritmias cardíacas

(Parte 6 de 6)

Atividade 10 Resposta: A Comentário: O fármaco de primeira escolha para o tratamento da bradicardia sintomática é a atropina. Não havendo resposta à atropina, pode-se utilizar dopamina, isoproterenol ou marcapasso. A adenosina não está indicada para tratamento de bradicardia.

Atividade 14 Resposta: C Comentário: A presença de bloqueio atrioventricular total com instabilidade hemodinâmica é uma indicação formal para a utilização de marca-passo transcutâneo. Bloqueio atrioventricular de pri meiro grau não é indicação de marca-passo transcutâneo. Na alternativa B, o paciente apresenta bradicardia sinusal sem instabilidade hemodinâmica, portanto não há indicação de marca-passo. Da mesma forma, a presença de pausas de 1,5 segundo não indica risco elevado de desenvolvi mento de bradicardia sintomática ou bloqueio atrioventricular avançado; assim, não requerem a utilização de marca-passo transcutâneo.

Atividade 20 Resposta: B Comentário: A abordagem inicial das taquicardias com QRS estreito prevê a realização da massa gem do seio carotídeo e a administração de adenosina. Como as formas mais comuns de taquicardia supraventricular são dependentes do nó AV, a massagem do seio carotídeo ou a adenosina po

Atividade 23 Chave de respostas: A) V; B) V; C) F; D) V; E) V.

Atividade 30 Resposta: B Comentário: A ocorrência de torsade de pointes está associada ao prolongamento da repolarização ventricular, expresso no ECG por aumento do intervalo QT. A utilização da amiodarona e outros antiarrítmicos da classe I não está indicada, pois entre seus efeitos está o prolongamento da repolarização ventricular. Qualquer uma das demais alternativas pode ser empregada para trata mento da torsade de pointes.

1. Blomström-Lundqvist C, Scheinman M, Aliot EM, Alpert JS, Calkins H, Camm AJ, et al. ACC/AHA/ESC guidelines for the management of patients with supraventricular arrhythmias—executive summary: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines, and the European Society of Cardiology Committee for Practice Guidelines (Writing Committee to Develop Guidelines for the Management of Patients With Supraventricular Arrhythmias.). J Am Coll Cardiol 2003;42:1493–531.

2. Brugada P, Brugada J, Mont L, Smeets J, Andries EW. A new approach to the differential diagnosis of a regular tachycardia with wide QRS complex. Circulation 1991;83:1649-59.

3. Channer KS, Bircholl A, Steeds RP. A randomized placebo-controlled trial of pre-treatment and short- or long-term maintenance therapy with amiodarone supporting DC cardioversion for persistent atrial fibrillation. Eur Heart J 2004;25:144-50.

4. Crystal E, Garfinkle MS, Connolly S, Ginger T, Sleik K, Yusuf S. Interventions for preventing post operative atrial fibrillation in patients undergoing heart surgery (Cochrane Review). In: The Cochrane Library, Issue 1, 2005. Oxford: Update Software.

5. Dorian P, Cass D, Schwarttz B, Cooper R, Gelaznikas R, Barr A. Amiodarone as compared with lidocaine for shock resistant ventricular fibrillation. N Engl J Med 2002;346:884-90.

6. Guidelines 2000 for cardiopulmonary resuscitation and emergency cardiovascular care. International consensus on science. Circulation 2000;102:I1-I291.

7. Kichot P, Eckardt L, Loh P, Weber K, Fischer RJ, Seidl KH. Anterior-posterior versus anterior-lateral electrode positions for external cardioversion of atrial fibrillation: a randomized trial. Lancet 2002;360:1275-9.

8. Koster RW, Dorian P, Chapman FW, Schmitt PW, O’Grady SG, Walker RG. A randomized trial comparing monophasic and biphasic waveform shocks for external cardioversion of atrial fibrillation. Am Heart J 2004;147:e 20.

9. Levine J, Massumi A, Scheinman M, Winkle RA, Platia EV, Chilson DA. Intravenous amiodarone for recurrent sustained hypotensive ventricular tachyarrhythmias. J Am Coll Cardiol 1996;27:67-75.

10. Mangrum M, Dimarco JP. The evaluation and management of bradicardias. N Engl Med 2000;342:703-9.

1. Murdock DK, Schumock GT, Kaliebe B, Olson K, Genette AJ. Clinical and cost comparison of ibutilide and direct-current cardioversion for atrial fibrillation and flutter. Am J Cardiol 2000;85:503-6.

12. Pinski SL. Atrial fibrillation in the surgical intensive care unit: common but unterstudied. Crit Care Med 2004;32:890-1.

13. Reinelt P, Karth GD, Geppert A, Heinz G. Incidence and type of cardiac arrhythmias in critically ill patients: a single center experience in a medical-cardiological ICU. Intensive Care Med 2001;27:1466-73.

14. Roy D, Talajic M, Dorian P, Connolly S, Eisenberg MJ, Green M. Amiodarone to prevent recurrence of atrial fibrillation. N Engl J Med 2000;342:913-20.

15. Seguin P, Signouret T, Laviolle B, Branger B, Malledant Y. Incidence and risck factors of atrial fibrillation in a surgical intensive care unit. Crit Care Med 2004;32:722-6.

16. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes para o tratamento de pacientes com arritmias cardíacas. Arq Brasil Cardiol 2002;79 supl V.

17. Zimerman L, Pimentel M. Aspectos clínicos da fibrilação atrial em diferentes condições: pós-operatório de cirurgia cardíaca, insuficiência cardíaca, síndrome de Wolff-Parkinson-White e miocardiopatia hipertrófica. In: Moreira DAR. Fibrilação atrial. 1.ed. São Paulo: Lemos, 2003.

18. Zimerman LI, Pimentel M, Berger SV. Arritmias cardíacas. In: David CM. Medicina Intensiva. 1.ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2004.

Reservados todos os direitos de publicação à ARTMED/PANAMERICANA EDITORA LTDA. Avenida Jerônimo de Ornelas, 670 – Bairro Santana 90040-340 – Porto Alegre, RS Fone (51) 3025-2550 – Fax (51) 3025-2555 E-mail: info@semcad.com.br consultas@semcad.com.br http://www.semcad.com.br

Capa e projeto: Tatiana Sperhacke Diagramação: Ethel Kawa Editoração eletrônica: João Batysta N. Almeida e Barbosa Coordenação pedagógica: Evandro Alves Supervisão pedagógica: Magda Collin Processamento pedagógico: Evandro Alves, Luciane Ines Ely e Michelle Freimüller Revisões: Israel Pedroso e Dinorá Casanova Colla Coordenação-geral: Geraldo F. Huff

Diretores acadêmicos: Cleovaldo T. S. Pinheiro Professor adjunto do Departamento de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutor em Medicina pela UFRGS. Especialista em Terapia Intensiva, titulação pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB). Professor do Serviço de Medicina Intensiva do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Werther Brunow de Carvalho Professor livre-docente do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Especialista em Medicina Intensiva Pediátrica, titulação pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Chefe das Unidades de Cuidados Intensivos Pediátricas do Hospital São Paulo, Hospital Santa Catarina e Beneficência Portuguesa de São Paulo e do Pronto-Socorro Infantil Sabará.

P964 Programa de Atualização em Medicina Intensiva (PROAMI) / organizado pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira. – Porto Alegre:

Artmed/Panamericana Editora, 2004. 17,5 x 25cm.

(Sistema de Educação Médica Continuada a Distância (SEMCAD)

1. Medicina intensiva – Educação a distância. I. Associação de Medicina Intensiva Brasileira. I. Título.

CDU 616-084/-089:37.018.43

Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto – CRB 10/1023

PROAMI. Programa de Atualização em Medicina Intensiva ISSN 1679-6616

Associação de Medicina Intensiva Brasileira Diretoria 2004/2005

Presidente José Maria da Costa Orlando

Vice-Presidente Waldemar Henrique Fernal

1º Secretário Marcelo Moock

2º Secretário Luiz Alexandre Alegretti Borges

1º Tesoureiro Rosa Goldstein Alheira Rocha

2º Tesoureiro Afonso José Celente Soares

Associação de Medicina Intensiva Brasileira

Rua Domingos de Moraes, 814. Bloco 2. Conjunto 23 04010-100 – Vila Mariana - São Paulo, SP

Fone/fax (1) 5575-3832 cursos@amib.com.br w.amib.com.br

(Parte 6 de 6)

Comentários