Cultivo de Hortaliças

Cultivo de Hortaliças

(Parte 3 de 4)

Gladíolos

Repolho, Couve, Funcho

TOMATE Batata, Ervas Aromáticas

Acelga

Salsa Alface, Rúcula

BATATA, REPOLHO, PEPINO, 24

Deve-se cultivar as verduras que são apreciadas, bem como as que estão mais ambientadas com o clima da região.

Nem todas as espécies podem ser semeadas numa mesma época do ano, bastando, para isso, escolher a espécie e variedade própria para cada época. (Ver tabela de seleção de hortaliças no final do manual). As sementes devem ser de boa qualidade, para que se obtenham boas mudas e plantas.

Mesmo nas pequenas hortas, ocorre o ataque de pragas e doenças que, se não controladas, prejudicam o crescimento das plantas e a qualidade do produto a ser colhido.

PRAGAS são insetos e ácaros que atacam as folhas, hastes, raízes e frutos, sugando a seiva ou comendo partes delas.

Como principais pragas das hortaliças, temos:

LAGARTA-ROSCA: são lagartas escuras, grandes, com 3 a 5cm de comprimento, que cortam as hastes das plantas novas, rentes ao solo e, durante o dia, ficam escondidas na terra, perto da planta cortada. CONTROLE: inimigos naturais (moscas, vespinhas), calda de fumo, cebola ou de cebolinha.

LAGARTA DAS FOLHAS: são de coloração esverdeada, podendo apresentar listras pretas no dorso, medindo, em geral, de 3 a 5cm e comprimento, que comem as folhas. CONTROLE: inimigos naturais (moscas, vespinhas e o fungo Bacillus thurigiensis), calda de fumo, de cebolinha e de cebola.

PULGÕES: insetos muito pequenos, de cor esverdeada ou preta, com asas ou não, que vivem em colônias, principalmente nas folhas ou brotações novas. Provocam um engruvinhamento das folhas e transmitem doenças de vírus. CONTROLE: inimigos naturais (joaninhas, algumas moscas), calda de fumo, calda de cebolinha, ou cebola, ou folha de pessegueiro.

ÁCAROS: são pragas quase invisíveis a olho nu, vivem em colônias no lado inferior das folhas novas. As folhas atacadas apresentam descoloração e, às vezes, pode-se notar a formação de teias. CONTROLE: somente controle químico, utilizando-se produtos à base de enxofre e acaricidas.

VAQUINHAS: são pequenos besouros, de cores variadas, alaranjados ou verdes com manchas amarelas, que comem as folhas. CONTROLE: calda de cebola, de cebolinha, folha de pessegueiro, de pimenta com sabão de coco.

TRIPES: são pequenos insetos, quase invisíveis a olho nu, que vivem em colônias nas folhas novas ou nos locais mais escondidos. CONTROLE: utilização de inimigos naturais.

Na horta caseira, deve-se evitar o uso de produtos químicos ou inseticidas, pois os ataques de pragas geralmente não são muito severos e podem ser combatidos pela eliminação manual (catação), eliminando-se as partes mais atacadas.

Deve-se, também, eliminar toda e qualquer planta daninha que sirva de hospedeira aos insetos.

Pode-se utilizar, também, produtos feitos com plantas que possuem um cheiro forte, como é o caso do manjericão, cebolinha, cebola e outros, ou inimigos naturais, isto é, outros insetos que são úteis, pois comem as pragas (exemplo: joaninha come pulgões e cochonilhas).

NEMATOÍDES: são vermes de corpo cilíndrico, na grande maioria invisíveis a olho nu, localizados nas raízes, provocando deformações destas, conhecidas como galhas, que alteram o suprimento de água e nutrientes para a planta, provocando o murchamento das folhas e posteriormente o amarelecimento das folhas mais velhas. CONTROLE: uso de plantas resistentes; utilização de culturas-armadilhas, como o cravo-de-defunto. Pulverizar caldo escorrido de mandioca prensada sobre os canteiros infestados.

LESMAS E CARACÓIS: são moluscos terrestres, com concha (caracóis), ou sem (lesmas), que têm atividade noturna, atacando folhas tenras, furando-as, e ramos sem brotos e mudas novas. CONTROLE: catação manual. Para evitá-los é necessário que se faça limpeza semanalmente no canteiro ou vaso. Para capturá-los, utilizar um prato fundo com cerveja (enterrado, mas com a borda do prato no nível do solo), deixando de um dia para o outro, sendo utilizado como isca. Pode-se utilizar também sacos de aninhagem ou estopa como isca. Evitar a umidade excessiva.

TATUZINHOS: são pequenos crustáceos de forma ovalada que, quando molestados, enrolam o corpo e assumem a forma de uma bola. Vivem ocultos, evitando a luz, debaixo de plantas, vasos, troncos podres, etc., que se alimentam de folhas, caules, brotos tenros, atacando na altura da superfície do solo. CONTROLE: proceder à catação manual e evitar a umidade excessiva.

PERCEVEJOS: são insetos sugadores de seiva das folhas, caules, flores e frutos, possuindo odor característico que lhes confere o nome de maria-fedida ou fede-fede. CONTROLE: catação manual.

COCHONILHA: são pequenos insetos, com ou sem carapaça, de cor marrom, violácea ou branca, que se fixam na superfície das plantas, formando colônias e sugando a seiva das folhas, frutos e ramos. Expelem, ainda, um líquido açucarado que, caindo sobre a planta, favorece o desenvolvimento de um fungo preto, denominado fumagina, atraindo formigas também. CONTROLE: utilização de inimigos naturais (joaninha e microhimenópteros).

FORMIGAS: as mais encontradas são: cortadeiras (saúvas e quem-quem) as lavapés, que embora não causem a destruição direta a vegetais, a construção dos seus formigueiros junto ao colo das plantas pode afetar seu desenvolvimento, além de se tornarem um transtorno devido às suas picadas. CONTROLE: destruição dos ninhos mecanicamente, através de escavação e aplicação de água fervente; barreiras com plantas e solução de creolina ou amoníaco.

Utiliza-se também, casca de arroz como cobertura morta do solo, entre covas de abóbora, melão, melancia, couve, repolho e feijão, para o controle de pulgões sugadores e moscas brancas (transmissores de vírus).

Ainda referente ao controle de pragas, pode ocorrer o ataque de pássaros nas sementeiras ou canteiros e, portanto, é recomendado fazer um trançado de barbante ou linha de pesca com tiras de plástico amarradas neste barbante (como se fosse fazer uma rabiola de pipa) utilizando-se sacos de supermercado brancos ou embalagens de ovos de Páscoa por cima dos canteiros, a 10cm de altura nas sementeiras e de 15 a 20cm nos canteiros definitivos. Os fios não devem ficar muito esticados, pois os pássaros, ao pousar nos barbantes, se assustam e fogem.

- CALDA DE FUMO: a)100g de fumo em corda, um litro de água. Corta-se o fumo em pedacinhos e coloca-se na água para ferver até ficar escura. Deixar esfriar, coar e misturar um copo desta mistura em 10 litros de água para pulverizar as plantas atacadas.

b) 100g de fumo em corda, um litro de álcool e 100g de sabão de soda. Corta-se o fumo em pedacinhos e mistura-se com o álcool e sabão, deixando curtir por 2 dias. Coar e diluir um copo do produto para 15 litros de água e pulverizar nas plantas atacadas. Como o fumo é volátil (se perde facilmente no ar), após fervê-lo, utilizá-lo no mesmo dia e preferencialmente, não armazená-lo, pois perderá seu poder para combater as pragas. No álcool a solução poderá ser guardada e utilizada quando necessário, sempre diluído em água.

- CALDA DE CEBOLA: 1kg de cebola e 10 litros de água. Coloca a cebola picada na água e deixar curtir durante 2 dias. Utilizar um litro do produto em 3 litros de água para pulverizar as plantas.

- CALDA DE CEBOLINHA VERDE: 1kg de cebolinha verde e 10 litros de água. Juntar a cebolinha com a água e deixar curtir por uma semana. Utilizar um litro do produto em 3 litros de água para pulverizar as plantas.

- CALDA DE FOLHA DE PESSEGUEIRO: 1kg de folha de pessegueiro e 5 litros de água. Ferver as folhas com a água durante meia hora. Esperar esfriar e usar um litro do produto em 5 litros de água para pulverizações.

- CALDA DE PIMENTA: 500g de pimenta, 4 litros de água e 5 colheres de sabão de côco em pó. Bater as pimentas em um liqüidificador com dois litros de água até a maceração total. Coe e misture com 3 colheres de sabão e acrescente os 2 litros de água restantes. Pulverizar sobre as plantas atacadas.

- CALDA DE MANJERICÃO: 1kg de manjericão e um litro de água. Deixar a mistura curtindo por 10 minutos antes da aplicação, que deve ser feita utilizando-se um litro da mistura e 3 litros de água. Pulverizar sobre a planta atacada.

USO DA CREOLINA OU AMONÍACO: dissolver um copo em 10 litros de água. Localizar o formigueiro, remover a terra com a enxada e encharcar o local com a solução.

- FUNGOS: que provocam o aparecimento de pintas ou pequenas manchas, geralmente nas folhas, hastes ou frutos. Podem causar secamento ou apodrecimento das partes atacadas e murchamento e morte das plantas.

- BACTÉRIAS: causam manchas geralmente escuras, podridão, secamento das partes atacadas, murchamento e morte das plantas.

- VÍRUS: causam amarelamento, encrespamento, engruvinhamento, deformação, mal crescimento das folhas, mal desenvolvimento das plantas.

O CONTROLE das doenças é feito eliminando-se as partes atacadas ou a planta toda (mantendo a cultura no limpo para não aumentar a incidência), devendo-se queimar as plantas eliminadas para diminuir o foco das doenças.

Cada hortaliça apresenta, em determinada fase de seu crescimento, suas melhores características de sabor, palatabilidade, aparência e qualidade. É nessa ocasião que ela deve ser colhida.

A hortaliça colhida antes de seu completo desenvolvimento apresenta-se tenra, mas sem sabor. Por outro lado, se for colhida tardiamente, estará fibrosa, ou com sabor alterado.

O reconhecimento do ponto de colheita é feito pela idade da planta, desenvolvimento das folhas, hastes, frutos, raízes, ou outras partes que serão consumidas, ou pelo amarelecimento ou secamento das folhas.

De modo geral, as hortaliças folhosas e de hastes são colhidas quando estão tenras; as de flores quando os botões estão fechados; as de frutos, quando as sementes não estão completamente formadas e as de raízes e bulbos, quando estão completamente desenvolvidas.

Para o plantio de hortaliças em apartamento ou em casas com quintal, mas sem área de terra descoberta, pode-se usar recipientes de qualquer material resistente à umidade, como vasos de cerâmica, vasos de plástico, latas, tubos cortados de plástico, pneu cortado, etc. Estes recipientes podem ser de diversas formas, mas seu tamanho não deve ser muito grande, para facilitar o manejo. Devem ser colocados em locais arejados e iluminados.

Podem ser plantados em:

- caixotes, tubos ou semelhantes, com altura de 20 a 25cm. Ex.: agrião, alface, chicória, almeirão, beterraba, cebolinha, cenoura, coentro, espinafre, morango, rabanete, rúcula e salsa.

berinjela, jiló, couve, brócolis,couve-flor, repolho, feijão-vagem, ervilha-torta, pepi-

- vasos de cerâmica ou de plástico com 30 a 50cm de altura e 20 a 30cm de diâmetro. Ex.: no, pimentão, pimenta, quiabo e tomate.

Todos os recipientes devem ter furos no fundo e uma pequena camada de cascalho ou cacos de vaso de cerâmica para o escoamento do excesso de água. Devem ser colocados sobre suportes para permitir a saída da água escorrida.

A terra utilizada poderá ser a de jardim, misturada com terra vegetal (terra preta), em volumes iguais.

ESCOLHA DO LOCAL PARA OS RECIPIENTES Deve ser em local arejado, com no mínimo de 4 horas de luz solar direta.

Regar quando notar que a terra começa a secar, evitando o excesso de água. Manter o solo sempre úmido.

EXEMPLOS DE CULTIVOS EM RECIPIENTES 31

HORTALIÇATIPO DE PLANTIOOU SEMEADURA ESPAÇAMENTO(cm)

Abobrinha italiana Acelga Alface inverno Alface verão Almeirão Berinjela Beterraba Brócolis inverno Brócolis verão Cebola Cebolinha Cenoura inverno Cenoura verão Chicória Coentro Couve manteiga Couve-flor inverno Couve-flor verão Espinafre Feijão-vagem Jiló Nabo Pepino Pimentão Quiabo Rabanete Repolho inverno Rúcula Salsa Tomate

** Família Crucífera: rúcula, couve, repolho, brócolis, rabanete, nabo. ** Família Umbelliferae:coentro, cenoura, salsa.

** Família Cucurbitácea: pepino, abóbora, abobrinha italiana.

cova definitivo sementeira sementeira definitivo em saquinhos definitivo sementeira sementeira sementeira sementeira definitivo definitivo sementeira definitivo sementeira sementeira sementeira definitivo covas sementeira definitivo covas sementeira definitivo definitivo sementeira definitivo definitivo sementeira

100x60 20x40 25x25 ou 30x30 25x25 ou 30x30 25x15 150x80 20x10 100x50 100x50 40x10 40x05 20x05 20x05 30x30 20x10 100x50 80x50 80x50 25x05 100x60 120x80 30x15 100x60 100x40 100x40 20x08 60x40 20x05 30x10 80x60

40 - 60 dias 70 dias 45 - 80 dias 45 - 80 dias 60 - 80 dias 90 - 120 dias 60 dias 80 - 100 dias 80 - 100 dias 120 - 150 dias 70 - 100 dias 80 - 120 dias 80 - 120 dias 80 - 100 dias 50 - 80 dias 80 - 90 dias 90 - 100 dias 90 - 100 dias 30 - 40 dias 50 - 80 dias 60 - 90 dias 5 dias 40 - 60 dias 100 - 120 dias 70 dias 25 - 30 dias 90 dias 40 - 50 dias 50 - 60 dias 100 - 120 dias

Abobrinha italiana Acelga Alface inverno Alface verão Almeirão Berinjela

Beterraba Brócolis inverno Brócolis verão Cebola Cebolinha Cenoura inverno Cenoura verão Chicória Coentro Couve manteiga Couve-flor inverno Couve-flor verão Espinafre

Feijão-vagem Jiló Nabo Pepino Pimentão Quiabo

Rabanete Repolho inverno Rúcula Salsa Tomate

Cereais

Repolho, cenoura, berinjela Repolho, cenoura, berinjela Repolho, cenoura, berinjela Ervilha, repolho, cenoura, quiabo

Repolho, alface, cenoura, berinjela Hortaliça de outra família** Hortaliça de outra família**

Hortaliça de outra família** Hortaliça de outra família** Repolho, cenoura, feijão Hortaliça de outra família** Hortaliça de outra família** Hortaliça de outra família** Hortaliça de outra família**

Tomate, repolho, alface, cenoura

Repolho. Evitar mesma família. Repolho, cenoura, quiabo Feijão

Brócolis Vagem, quiabo, berinjela, tomate

Abobrinha, couve-flor, repolho semear 4-5 sementes/cova e desbastar deixando 2 plantas/cova semear 3-4 sementes/cova e desbastar deixando 1 planta/cova transplante com 25-30 dias, com 4-6 folhas transplante com 25-30 dias, com 4-6 folhas semear 3 sementes/saco, desbastar deixando 1 planta; transplantar a muda com o torrão semear a cada 5 cm, desbastar deixando o espaçamento de 10 x15 cm transplante aos 30 dias, com 4 a 6 folhas transplante aos 30 dias, com 4 a 6 folhas transplante aos 30 dias transplante aos 30 dias, com 4 a 6 folhas transplante aos 30 dias, com 4 a 6 folhas transplante aos 30 dias com 4 a 6 folhas transplante aos 30 dias, com 4 a 6 folhas semear em covas com 3-4 sementes; deixá-las de molho por 24h antes do plantio desbaste com 4 folhas desbastar deixando 2 plantas/cova, quando aparecer a 2ª folha definitiva transplante aos 30-40 dias, com 4 a 6 folhas semear em covas (3sementes/cova)a cada 50cm. Desbastar deixando 2 plantas/cova desbate com 4 folhas, deixando espaço de 1 rabanete entre cada planta. transplante com 4 a 6 folhas transplante com 4 a 6 folhas definitivas

1. ALMANAQUE AGROCERES. Anuário 1989-90. São Paulo. AgêPublicidade 96p.

2. EMBRAPA et al. 1983. Produção de Hortaliças em Pequena Escala.Instruções Técnicas nº 6, Empresa Brasileira de PesquisaAgropecuária.Anapólis. 24p

3. FILGUEIRA, F. A. R. 1981. Manual de Olericultura. Vol. I. 2 Edição.SãoPaulo. Agronômica Ceres. 338p.

4. FILGUEIRA, F. A. R. 1982. Manual de Olericultura. Vol. I, São Paulo. Agronômica Ceres. 357p.

5. GUIA RURAL. Mãos à Horta. São Paulo. Ed. Abril 338p.

(Parte 3 de 4)

Comentários