Instalações centrais de ar-condicionado

Instalações centrais de ar-condicionado

(Parte 1 de 5)

Copyright © 1980, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

Instalações centrais de ar-condicionado para conforto - Parâmetros básicos de projeto

NBR 6401DEZ 1980

Origem: ABNT - NB-10/1978 CB-04 - Comitê Brasileiro de Máquinas e Equipamentos Mecânicos CE-04:08.04 - Comissão de Estudo de Ar-Condicionado Comercial e Central NBR 6401 - Air-conditioning system - Central air units - Basic parameters for design - Procedure Descriptors: Air-conditioning. Central air

Palavras-chave: Ar-condicionado. Central. Parâmetro.Conforto 17 páginas

1 Objetivo

1.1 Esta Norma estabelece as bases fundamentais para a elaboração de projetos de instalações de unidades com capacidade individual a partir de 9000 kcal/h.

1.2 As condições estabelecidas nesta Norma são as mínimas exigidas para que se possam obter resultados satisfatórios em instalações desse gênero, não impedindo, porém, quaisquer outros aprimoramentos da técnica de condicionamento de ar.

1.3 Nos casos especiais, em que a Norma não for integralmente obedecida, deve constar, no projeto elaborado, a justificativa relativa a todos os pontos que dela divergirem.

1.4 Na elaboração desta Norma, foi adotado o critério de considerar o ar-condicionado de um modo geral; casos especiais, como hospitais, computadores e outros, serão objetos de normas específicas.

2 Condições a serem estabelecidas para os recintos

2.1 O condicionamento de ar, qualquer que seja a finalidade a que se destine, implica preliminarmente a limitação entre os seguintes valores preestabelecidos das grandezas discriminadas, representativos das condições que devem coexistir nos recintos, no período de tempo em que se considera a aplicação do processo:

a) temperatura do ar no termômetro de bulbo seco; b) umidade relativa do ar; c) movimentação do ar; d) grau de pureza do ar; e) nível de ruído admissível; f) porcentagem ou volume de renovação de ar.

2.2 Devem ser usados os critérios descritos em 2.2.1 a 2.2.5 para a fixação dos valores estabelecidos em 2.1.

2.2.1 As temperaturas dos bulbos seco e úmido do ar deverão, na falta de informações específicas, ser escolhidas de acordo com as Tabelas 1 e 2.

2.2.2 A diferença entre as temperaturas do termômetro de bulbo seco, simultâneas, entre dois pontos quaisquer de um recinto, ao nível de 1,5 m, não deve ser superior a 2°C, não devendo a medida de temperatura ser feita junto a janelas e portas sujeitas a radiação solar direta.

Procedimento

2NBR 6401/1980

2.2.3 A velocidade do ar, ao nível de 1,5 m, não deve ser inferior a 0,025m/s nem superior a 0,25 m/s. Estes valores são considerados médios quando medidos com instrumentos de alta sensibilidade.

2.2.4 O ar insuflado deve ser totalmente filtrado e parcialmente renovado. A Tabela 3 mostra as aplicações típicas de filtros, conforme sua eficiência, servindo como recomendação para a sua seleção. Na Tabela 4, são apresentados valores recomendados para renovação de ar em aplicações normais em que não sejam utilizados processos especiais de purificação do ar.

2.2.5 Os níveis de ruído permissíveis, decorrentes da instalação de condicionamento de ar, na falta de informações, estão indicados na Tabela 5 e Figura.

3 Elementos para base de cálculo

3.1 Para base de cálculo das cargas térmicas, devem ser pesquisados os elementos de coexistência provável, durante o período de aplicação do processo estabelecido em 3.1.1 a 3.1.7.

3.1.1 Condições do ar exterior, consideradas simultaneamente as temperaturas do termômetro de bulbo seco e do termômetro de bulbo úmido. Nas Tabelas 6 e 7 são fornecidas condições recomendadas para várias cidades, as quais devem ser utilizadas, na falta de indicações específicas.

3.1.2 Natureza da construção das paredes, pisos e tetos; tipos de vidros empregados e temperaturas dos recintos contíguos.

3.1.3 Orientação dos recintos e tipo de proteção existente em relação à radiação solar.

3.1.4 Possibilidade de infiltração do ar exterior pelas portas e janelas. Na Tabela 8, são apresentados valores recomendados para base de cálculo de acordo com a utilização dos recintos.

Tabela 1 - Condições internas para verão

Recomendável Máxima

Finalidade Local (A) TBS (°C)(B) UR (%)(A) TBS (°C)(B) UR (%)

Residências

Escritórios Escolas

Lojas deBancos curto tempo Barbearias de ocupação Cabeleireiros

Teatros

Ambientes Auditórios com grandesTemplos24 a 2640 a 652765 cargas Cinemas de calorBares latente e/ou Lanchonetes sensível Restaurantes

Bibliotecas Estúdios de TV

Locais deBoates reuniões comSalões de24 a 2640 a 652765 movimento baile

Depósitos de livros, manuscritos,21 a 2340 a 50 --

Ambientes obras raras deMuseus e galerias21 a 2350 a 5 --

Artede arte elevadores TBS = temperatura de bulbo seco (°C). UR = umidade relativa (%). * = condições constantes para o ano inteiro.

NBR 6401/19803

Tabela 2 - Condições internas para inverno TBS( °C)UR (%)

20 - 2235 - 657

Tabela 3 - Recomendações para aplicações de filtros de ar(1)

Classe de Eficiência Aplicações filtro(2) Obs,3,4,5 principais (%)

Boa eficiência contra insetos e relativa

GO30 - 59contra poeira grossa. Eficiência reduzidaCondicionadores tipo janela contra pólen de plantas e quase nula contra poeira atmosférica

Boa eficiência contra poeira grossaCondicionadores tipo e relativa contra pólen de plantas.compacto (self contained)

(Parte 1 de 5)

Comentários