técnica para aplicação de herbicidas em plantio direto

técnica para aplicação de herbicidas em plantio direto

(Parte 1 de 5)

COLEÇÃO SENAR - 79

Antonio de Salvo PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO

Geraldo Gontijo Ribeiro SECRETÁRIO EXECUTIVO

BRASÍLIA – 2003

Lino Roberto Ferreira

Francisco Cláudio Lopes de Freitas

Luis Henrique Lopes de Freitas

ISSN 0 ISBN 0

COLEÇÃO SENAR - 79

Copyright 2003 by SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Coleção SENAR - 79

Trabalhador no cultivo de grãos e oleaginosas Técnicas para aplicação de herbicidas em plantio direto

COORDENAÇÃO EDITORIAL Fundação Arthur Bernardes – FUNARBE

COORDENAÇÃO TÉCNICA Antônio do Carmo Neves

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Ferreira, Lino Roberto

Técnicas para aplicação de herbicidas em plantio direto/

76 p. il.; 21 cm(Coleção SENAR, ISSN 0, 79)

Lino Roberto Ferreira, Francisco Cláudio Lopez de Freitas, Luis Henrique Lopes de Freitas. – Brasília: SENAR, 2003. ISBN 0

1.Herbicida – Aplicação. 2. Plantio direto – Aplicação de herbicida. I. Freitas, Francisco Cláudio Lopes de. I. Freitas, Luis Henrique Lopes de. I Título.

CDU: 632.954

APRESENTAÇÃO7
INTRODUÇÃO9
HERBICIDAS EM PLANTIO DIRETO1
I IDENTIFICAR AS PLANT AS DANINHAS13
1 Conheça o Controle preventivo19
2 Conheça o Controle cultural19
DAS PLANTAS DANINHAS19
3 Conheça o Controle mecânico20
4 Conheça o Controle físico20
5 Conheça o Controle químico21
6 Conheça o Manejo Integrado2
I CONHECER OS HERBICIDAS RECOMENDADOS23
1Conheça os Herbicidas para manejo pré-plantio23
2conheça os Herbicidas para manejo pós-plantio23

IVCONHECER A ÉPOCA IDEAL PARA A APLICAÇÃO DOS HERBICIDA S ......................................................... 25

DE PROTEÇÃO INDIVIDU AL (EPIS)28
APLICAÇÃO DE HERBICIDA S34
VII CALIBRAR OS EQUIP AMENTOS38
utilização do copo calibrador39

1Calibre o pulverizador costal, sem a

utilização do copo calibrador42
3Calibre o pulverizador acoplado sobre rodas45

2Calibre o pulverizador costal, com a

acoplado ao trator, com o copo calibrador49

4Calibre o pulverizador de barra

ao trator, sem o copo calibrador5
VIII APLICAR HERBICID AS58
1Aplique herbicida com pulverizador costal59

5Calibre o pulverizador de barras acoplado

acoplado sobre rodas64

2Aplique herbicida com pulverizador

de barra acoplado ao trator6

3Aplique herbicida com pulverizador

ÀS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS69
1Conhecer os tipos de embalagens de agrotóxico69
2 Fazer a tríplice lavagem71
3Conhecer as responsabilidades do usuário73

IXDAR O DESTINO FINAL CORRETO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ................................................................. 75

O Comitê Editorial do SENAR, após um levantamento de necessidades, vem definindo as prioridades para a produção de cartilhas de interesse nacional.

As cartilhas são recursos instrucionais de extrema relevância para o processo da Formação Profissional Rural e Promoção Social e, quando elaboradas segundo metodologia preconizada pela Instituição, constituem um reforço para a aprendizagem adquirida pelos trabalhadores rurais nos cursos ou treinamentos promovidos pelo SENAR em todo o país.

A presente cartilha faz parte de uma série de 15 títulos desenvolvidos em parceria com a FUNARBE/UFV e é mais uma contribuição da Administração Central, visando à melhoria da qualidade dos serviços prestados pelo SENAR.

Esta cartilha descreve, de maneira simples e ilustrada, os procedimentos corretos da aplicação de herbicidas em plantio direto, fornecendo informações técnicas para a execução das operações no momento preciso.

Aborda desde a identificação de plantas daninhas, o conhecimento dos métodos de controle das plantas daninhas, os herbicidas registrados, a época ideal para sua aplicação, os equipamentos de proteção individual para aplicação de herbicidas, a regulagem e calibragem dos equipamentos, até a aplicação dos herbicidas e o destino final das embalagens vazias de agrotóxicos.

Trata, também, das precauções para a correta execução das operações, preservando a saúde e segurança do trabalhador, e ainda informa sobre aspectos de preservação do meio ambiente e outros assuntos que possam interferir na melhoria da qualidade e da produtividade ao produto colhido.

As plantas daninhas podem provocar prejuízos ou benefícios à agricultura. Em determinadas fases da cultura, elas competem por água, luz, nutrientes e espaço, causando diminuição de produtividade e qualidade do produto colhido; em outras fases, podem dificultar a colheita e hospedar doenças e pragas.

Entretanto, essas plantas são importantes. Elas também podem proteger o solo da erosão, reciclar nutrientes e hospedar inimigos naturais de pragas e doenças.

Corda-de-viola inviabiliza colheita mecanizada de milho

No sistema de plantio direto, as plantas consideradas daninhas não devem ser eliminadas. Ao contrário, recomenda-se o seu manejo porque, muitas vezes, elas são a principal fonte de palhada. Por exemplo, atualmente o capim braquiária, está sendo semeado junto com a soja e o milho. O objetivo desse consórcio é aumentar a palhada para os próximos plantios, podendo também ser usado como pastagem no período entre a colheita e o plantio.

Neste exemplo, até determinada fase da cultura da soja ou do milho, a braquiária deve ser manejada para não interferir na produtividade; depois, é interessante que ela cresça e produza boa quantidade de palha ou de pastagem.

O manejo integrado de plantas daninhas consiste na utilização de várias técnicas visando um controle eficiente, econômico e que preserve a qualidade ambiental e a saúde do homem.

Diversos métodos de controle podem ser associados: preventivo, cultural, mecânico, físico, biológico e químico.

É importante conhecer as espécies daninhas, o tipo de solo, a topografia da área, os equipamentos disponíveis na propriedade, as condições ambientais e o nível cultural do proprietário. Consórcio de milho com capim braquiária

Existem muitas espécies de plantas daninhas. A importância delas varia conforme a cultura que estejam infestando, a região e a época do ano. Conhecendo cada espécie, o produtor poderá escolher o melhor método de controle.

Alguns exemplos de plantas daninhas:

Tiririca (Cyperus rotundus)

Rubim (Leonurus sibicurus) Falsa-serralha (Emilia sonchifolia)

Mentrasto (Ageratum conyzoides)

15 Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia)

Capim-colchão (Digitaria horizontalis) Capim-pé-de-galinha (Eleusine indica)

Botão-de-ouro (Galinsoga parviflora)

(Parte 1 de 5)

Comentários