Cidades Capixabas

Cidades Capixabas

(Parte 1 de 8)

- 0 -

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ - VITÓRIA TURISMO – TURMA 2008/2

VITÓRIA - 2008

- 1 -

Trabalho apresentado para avaliação interdisciplinar, do curso de Turismo, turno noturno, da Faculdade Estácio de Sá – Vitória, dirigido pela professora Ana Beatriz Macedo da Silva – Matéria Teoria Geral do Turismo I.

VITÓRIA - 2008

- 2 -

AGRADECIMENTOS5
INTRODUÇÃO6
MAPA DO ES7
CASTELO8
História e Etnia8
Cultura e Folclore9
Artesanato9
Gastr onomia9
Turismo Religioso10
Turismo de Aventura1
CONCEIÇÃO DO CASTELO12
História e Etnia12
Cultura e Folclore13
Artes anato13
Gastr onomia13
Agroturi smo14
Turismo de Aventura14
DOMINGOS MARTINS15
História e Etnia15
Cultura e Folclore16
Artes anato17
Gastr onomia17
Turismo Rural e Agroturismo18

SUMÁRIO Turismo de Aventura................................................................................. 18

MARECHAL FLORIANO19
História e Etnia20
Cultura e Folclore20
Artes anato20
Gastr onomia21
Agroturi smo21
SANTA LEOPOLDINA2
História e Etnia2
Cultura e Folclore23
Artes anato23
Gastr onomia24
Turismo Cultural24
Turismo de Aventura25
SANTA MARIA DE JETIBÁ26
História e Etnia26
Cultura e Folclore26
Artes anato27
Gastr onomia27
Turismo de Aventura e Turismo Rural27
Turismo Cultural28
SANTA TERESA29
História e Etnia29
Cultura e Folclore29
Artes anato29
Gastr onomia30
Turismo Cultural30
Agroturi smo31
Turismo de Aventura31
VARGEM ALTA32
História e Etnia32

- 3 - Cultura e Folclore...................................................................................... 32

Artesanato e Gastronomia3
Agroturi smo3
Turismo de Aventura34
VENDA NOVA DO IMIGRANTE35
História e Etnia35
Cultura e Folclore35
Artes anato36
Gastr onomia36
Agroturi smo37
Turismo de Aventura37
CONCLUSÃO39

- 4 - REFERÊNCIAS........................................................................................... 40

- 5 -

Agradecimentos

À Cássia Coppo (Secretária Executiva do Montanhas Capixabas Convention & Visitors Bureau), por todas as informações prestadas sobre as Montanhas Capixabas, bem como pela paciência e atenção quando da Visita Técnica ao Circuito de Agroturismo de Venda Nova do Imigrante.

À Diomedes Berger (Gerente de Gestão do Turismo da SETUR – Secretaria de Estado de Turismo).

À Jorge Uliana (Secretário de Turismo da Prefeitura de Venda Nova do Imigrante).

À Léia Koehler, pelos inestimáveis conhecimentos sobre Domingos Martins e a cultura alemã.

À Marcelo Ratis (proprietário da Escola de Vôo Atmosphere), pelas informações e material cedido bem como pelo vôo duplo para ser sorteado na apresentação do trabalho.

À Pousada Vó Angélica, pelas informações e pela hospedagem para ser sorteada na apresentação do trabalho.

À Secretaria de Turismo de Domingos Martins.

À Secretaria de Turismo de Marechal Floriano, em especial ao Sr. Enildo Antônio Cardoso (Secretário de Turismo).

Ao Laboratório de Turismo da Faculdade Estácio de Sá de Vitória, na pessoa da professora Ana Beatriz, pela cessão de material de consulta.

Ao Sr. Vital Schunk do Orquidário Nego Plantas, pela doação das orquídeas. Aos servidores da Secretaria de Turismo do Município de Conceição do Castelo. Aos servidores da Secretaria de Turismo do Município da Vargem Alta.

- 6 - INTRODUÇÃO

O presente trabalho pretende apresentar, ainda que de forma superficial, a história, cultura, folclore, artesanato e trabalhos manuais¹, gastronomia e etnia de nove municípios capixabas, listados a seguir:

• Castelo

• Conceição do Castelo

• Domingos Martins

• Marechal Floriano

• Santa Leopoldina

• Santa Teresa

• Vargem Alta

• Venda Nova do Imigrante

Apesar de contemplarmos municípios de Rotas Turísticas distintas (Rota Caminho do Imigrante, Rota dos Vales e do Café e Rota do Mar e da Montanha), os nove municípios encontram-se geograficamente na região das Montanhas Capixabas.

O foco principal deste trabalho é apresentar a vocação turística de cada município, dentro dos 12 segmentos determinados pelo MTur² mostrando que, por sua geografia e história, eles se assemelham e possuem igual potencial de crescimento turístico, ainda que possuam etnias e tradições diferenciadas.

¹ De acordo com o SEBRAE ES o termo artesanato designa o produto do artesão que não contenha nenhum traço de material ou mão-de-obra industrializada. Caso o produto do artesão seja feito com algum material que não seja extraído da natureza, considera-se trabalho manual.

² SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO. Segmentação do Turismo – Marcos Conceituais.

- 7 - MAPA DO ES

- 8 -

Encravado em meio às montanhas, com um clima típico serrano, Castelo oferece um roteiro surpreendente de atrações ecológicas, tradições italianas, turismo religioso, além de possuir um sítio arqueológico de grande importância, tudo isso distante, somente, 146 km de Vitória.

História e Etnia

Em 25 de dezembro de 1928 foi criado o Município de Castelo, então pertencente a Cachoeiro de Itapemirim.

Segundo os historiadores, o nome de Castelo surgiu quando um dos exploradores que caminhavam em busca de ouro chegou ao entorno da cidade e deparou-se com montanhas com formação semelhante a de um castelo de estilo feudal. Para completar a semelhança, a serra ao lado desta formação tinha o aspecto de muralhas no entorno do castelo.

Na época, esta formação montanhosa era denominada “Pedra do Castelo” (atualmente Pico do Forno Grande) e era ponto de referência para as caravanas que passavam pelo local rumo às Minas Gerais, principal local já consolidado como rota ideal para exploração de ouro em abundância.

Embora os deslocamentos mais significativos fossem realmente feitos em direção às Minas Gerais, alguns mineradores decidiram explorar ouro próximo à sede da Capitania do Espírito Santo. Foi um desses que chegou à Serra do Castelo. Na passagem para as Gerais, os exploradores observavam a presença de inúmeros ribeirões, que indicavam a presença de ouro. Um dos primeiros a se interessar pela Serra do Castelo foi o bandeirante paulista Pedro Bueno Cacunda.

Logo após a abolição da escravatura, os italianos chegaram ao município para trabalhar nas propriedades rurais. Atualmente cerca de 90% dos 30 mil habitantes de Castelo são descendentes de imigrantes italianos.

- 9 -

Cultura e Folclore

Anualmente acontece o Encontro da Colônia Italiana, evento que acontece sempre no mês de julho e é organizado pela Societa Italiana di Castello.

O evento tem por objetivo fortalecer e divulgar as raízes italianas do município.

A Fazenda do Centro (Foto 1), que tem este nome devido à sua posição geográfica e também pelo fato de ter sido uma das principais forças sócio-econômicas da época, está localizada entre montanhas há 1 quilômetros do centro de Castelo. Foi palco importante da garimpagem de ouro no município. Hoje a Fazenda é patrimônio cultural tombada pelo Conselho Estadual de Cultura.

(Parte 1 de 8)

Comentários