Tratamento de Efluentes em indústrias de cervejas e refrigerantes

Tratamento de Efluentes em indústrias de cervejas e refrigerantes

(Parte 1 de 10)

(página em branco) 2

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (CETESB – Biblioteca, SP, Brasil)

Margot Terada CRB 8.42 5

S236bSantos, Mateus Sales dos

Cervejas e refrigerantes / Mateus Sales dos Santos [e] Flávio de

Miranda Ribeiro. - - São Paulo : CETESB, 2005. 58 p. (1 CD) : il. ; 30 cm. - - (Série P + L)

Disponível em : <http://w.cetesb.sp.gov.br>. ISBN

1. Bebidas - indústria 2. Cervejas - indústria 3. Poluição - controle 4. Poluição - prevenção 5. Processo indústrial – cerveja 6. Processo indústrial - refrigerante 7. Produção limpa 8. Refrigerantes – indústria 9. Resíduos indústriais – minimização I. Ribeiro, Flávio de Miranda. I. Título. II. Série.

CDD (21.ed. Esp.) 663.028 6 CDU (ed. 9 port.) 628.51 : 663

O presente documento, editado pela CETESB, tem o intuito de apresentar a empreendedores e demais interessados as principais informações ambientais sobre o setor produtivo em questão, incluindo exemplos de alternativas de reconhecido valor na busca de uma Produção mais Limpa.

O sucesso da implementação das medidas aqui propostas no entanto depende de diversos fatores, de forma que a CETESB não se responsabiliza pelos resultados ou por quaisquer consequências decorrentes do uso das medidas aqui propostas, devendo cada empresa avaliar seu caso individualmente com o devido cuidado, antes da implementação das alterações.

Ademais, a descrição dos processos e dos dados apresentados ao longo deste documento são exemplificativos da média do setor, tomados com base em um reduzido número de empresas. Portanto não correspondem necessariamente à realidade de todas as empresas do setor produtivo, e variações podem e devem ocorrer em função de diferenciações de produtos ou rotas de produção, nível tecnológico, idade da planta, entre outros fatores. Desta forma, a CETESB ressalta que os exemplos citados não consistem em determinações legais de nenhuma natureza.

Por fim, a CETESB reconhece que todas as empresas devem se empenhar na busca de uma

Produção mais Limpa. Porém esta intenção, ou mesmo a adoção de medidas concretas neste sentido, não isenta de forma alguma as empresas do cumprimento da legislação ambiental vigente, tampouco as isenta de quaisquer outros instrumentos normativos dotados de força de lei.

É com grande satisfação que, em nome da CETESB, apresento este Guia Técnico Ambiental, documento informativo que pretende apoiar as empresas na melhoria ambiental por meio da adoção de medidas de Produção mais Limpa (P+L) em seus processos.

Historicamente a CETESB tem o foco de sua atuação voltado às ações de monitoramento do meio (ar, água e solo), licenciamento das fontes potencialmente poluidoras e ao controle ambiental da contaminação, fazendo cumprir a legislação ambiental mediante as chamadas medidas de “fim-de-tubo”. Nestes mais de 35 anos de atividade, a atuação da CETESB promoveu notáveis avanços na garantia de um entorno mais limpo e saudável à população, tornando a empresa uma referência ambiental no país e no exterior.

Nos últimos anos no entanto uma outra forma de atuação tem se delineado, principalmente como resposta a mudanças na própria sociedade. A percepção e o reconhecimento da importância da questão ambiental por parte das indústrias tem levado à incorporação de práticas da Produção mais Limpa como uma forma de enfim congregar vantagens econômicas com benefícios ambientais. As empresas têm percebido que a Produção mais Limpa significa, no fundo, a inclusão da variável ambiental nas ações de melhoria das operações, e atuando desta forma sobre seus processos produtivos, muitas delas já reduziram seus resíduos na fonte, obtendo ainda minimização de seus custos de produção. Esta vantagem das medidas de Produção mais Limpa destaca-se ainda mais se contrastada com o alto custo operacional do tratamento e da gestão dos resíduos gerados pelas empresas, o que mostra claramente que esta é uma ferramenta de interessante utilização prática.

De modo a evoluir em seu modo de atuar junto às potenciais fontes de poluição, a CETESB tem desenvolvido desde 1996 trabalhos de Prevenção à Poluição e Produção mais Limpa junto a diversos setores produtivos. Estes trabalhos representam uma nova forma de interagir com a indústria, não apenas acompanhando a mudança de paradigma em curso por parte de algumas empresas, como também visando despertar esta consciência nas demais.

O presente Guia Técnico Ambiental tem como objetivo informar as empresas deste setor produtivo, ainda que de modo sucinto, a importância e as alternativas preventivas no trato de suas questões ambientais. De modo algum as possibilidades aqui levantadas pretendem esgotar o assunto - antes de ser um “ponto final”, estas constituem um “ponto de partida” para que cada empresa inicie sua busca por um desempenho ambiental cada vez mais sustentável.

Por fim, deixo os votos de sucesso nesta empreitada a cada uma das empresas que já despertaram para esta nova realidade, esperando que este Guia sirva de norte para a evolução da gestão ambiental no Estado de São Paulo, evidenciando que mediante a Produção mais Limpa é possível um desenvolvimento indústrial que congregue o necessário ganho econômico com a imprescindível adequação ambiental.

Rubens Lara Diretor- Presidente da CETESB

Diretoria de Engenharia, Tecnologia e Qualidade Ambiental Engº Lineu José Bassoi

Depto. de Desenvolvimento, Tecnologia e Riscos Ambientais

Enga . Angela de Campos Machado

Divisão de Tecnologias Limpas e Qualidade Laboratorial Farm. Bioq. Meron Petro Zajac

Setor de Tecnologias de Produção mais Limpa Engº Flávio de Miranda Ribeiro

Elaboração

Engº Flávio de Miranda Ribeiro Químico Mateus Sales dos Santos

Colaboração

Adelino Ribeiro Junior/ .Agência Ambiental de Bauru

Fábio Ferreira Ferling -Setor de Planejamento e Licenciamento Ambiental

Fátima Feliciano da Silva/ CETESB - EINP

Francisco Pereira de Lima./ Agência Ambiental de Bauru João Rodrigues – Cervejaria Kaiser Brasil S/A - Jacarei

Maria Betânia B. Leal – Ambev Companhia Brasileira de Bebidas Filial -

Jaguariúna

Maria Natividade Martins Nunes -Agencia Ambiental de Guarulhos Marie Yamamoto do Valle Quaresma/ CETESB

CAPÍTULO 1- INTRODUÇÃO12
CAPÍTULO 2- PERFIL DO SETOR14
CAPÍTULO 3- DESCRIÇÃO DO PROCESSO INDÚSTRIAL16
3.1. Produção de cerveja16
a. Obtenção do malte16
a.1) Limpeza e seleção de grãos17
a.2) Embebição da cevada17
a.3) Germinação17
a.4) Secagem17
b. Preparo do mosto17
b.1) Moagem do malte18
b.2) Maceração do malte e adjunto18
b.3) Filtração do mosto19
b.4) Fervura do mosto19
b.5) Clarificação19
b.6) Resfriamento do mosto19
c. Fermentação19
d. Processamento da cerveja20
d.1) Maturação20
d.2) Filtração20
d.3) Carbonatação21
e. Envase21
e.1) Lavagem de garrafas21
e.2) Envase2
e.3) Pasteurização2
e.4) Expedição2
f. Utilidades e operações auxiliares2
f.1) Sistemas de limpeza CIP (clean in place)2
f.2) Produção de água quente e vapor23
f.3) Refrigeração23

SUMÁRIO 9

f.5) Tratamento de efluentes25
f.6) Outros25
3.2 Produção de refrigerantes27
a. Preparo do xarope simples27
b. Obtenção do xarope composto27
c. Fabricação do refrigerante28
c.1) Diluição e carbonatação28
c.2) Lavagem de garrafas28
d. Operações auxiliares28
CAPÍTULO 4- PRINCIPAIS ASPECTOS AMBIENTAIS30
4.1. Produção de cerveja30
a. Insumos utilizados31
a.1) Matérias - primas31
a.2) Água31
a.3) Energia3
a.4) Outros insumos34
b. Principais poluentes gerados34
b.1) Resíduos sólidos34
b.2) Efluentes líquidos37
b.3) Emissões atmosféricas41
4.2. Produção de refrigerantes43
a. Insumos utilizados43
b. Principais poluentes gerados43
b.1) Resíduos sólidos43
b.2) Efluentes líquidos4
b.3) Resíduos pós-consumo4
CAPÍTULO 5- MEDIDAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)47
5.1. Uso eficiente de água/ Minimização de efluentes47
a. Lavagem de garrafas47
b. Pasteurização48

f.4) Tratamento de água............................................................................................... 24 10

d. Envase49
e. Limpeza de pisos49
5.2.Uso racional de energia50
a. Calor50
a.1) Vapor da fervura do mosto50
a.2) Uso de água quente51
a.3) Retorno de condensado51
b. Eletricidade52
5.3.Redução consumo de matérias - primas/ Aproveitamento de resíduos52
a. Grãos de Malte e Bagaço de malte52
b. Torta de filtração (trub fino e grosso)53
c. Levedura excedente53
d. Cerveja residual53
e. Resíduos de embalagens54
5.4. Uso de materiais auxiliares54
a. Hidróxidos e ácidos usados para limpeza54
b. Terra diatomácea5
5.5. Conclusão5
CAPÍTULO 6- GLOSSÁRIO57
CAPÍTULO 7- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS58

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO

Este guia foi desenvolvido para levar até você informações que o auxiliarão a integrar o conceito de

Produção Mais Limpa (P+L) à gestão de sua empresa. Ao longo deste documento você poderá perceber que, embora seja um conceito novo, a P+L trata, principalmente, de um tema bem conhecido das indústrias: a melhoria na eficiência dos processos.

Contudo, ainda são muitas as dúvidas na hora de adotar a gestão de P+L no cotidiano das empresas.

De que forma ela pode ser efetivamente aplicada nos processos e na produção? Como integrá-la ao dia-a-dia dos colaboradores? Que vantagens e benefícios traz para a empresa? Como uma empresa de pequeno porte pode trabalhar à luz de um conceito que, à primeira vista, parece tão sofisticado ou dependente de tecnologias caras?

Para responder a essas e outras questões, este guia traz algumas orientações teóricas e técnicas, com o objetivo de auxiliar você a dar o primeiro passo na integração de sua empresa a este conceito, que tem levado diversas organizações a uma produção mais eficiente, econômica e com menor impacto ambiental.

Em linhas gerais, o conceito de P+L pode ser resumido como uma série de estratégias, práticas e condutas econômicas, ambientais e técnicas, que evitam ou reduzem a emissão de poluentes no meio ambiente por meio de ações preventivas, ou seja, evitando a geração de poluentes ou criando alternativas para que estes sejam reutilizados ou reciclados.

Na prática, essas estratégias podem ser aplicadas a processos, produtos e até mesmo serviços, e incluem alguns procedimentos fundamentais que inserem a P+L nos processos de produção. Dentre eles, é possível citar a redução ou eliminação do uso de matérias-primas tóxicas, aumento da eficiência no uso de matérias-primas, água ou energia, redução na geração de resíduos e efluentes, e reuso de recursos, entre outros.

As vantagens são significativas para todos os envolvidos, do indivíduo à sociedade, do país ao planeta. Mas é a empresa que obtém os maiores benefícios para o seu próprio negócio. Para ela, a P+L reverte em redução de custos de produção; aumento de eficiência e competitividade; diminuição dos riscos de acidentes ambientais; melhoria das condições de saúde e de segurança do trabalhador; melhoria da imagem da empresa junto a consumidores, fornecedores, poder público, mercado e comunidades; ampliação de suas perspectivas de atuação no mercado interno e externo; maior acesso a linhas de financiamento; melhoria do relacionamento com os órgãos ambientais e a sociedade, entre outros.

Por tudo isso, vale a pena adotar essa prática, principalmente se a sua empresa for pequena ou média, e esteja dando os primeiros passos no mercado, pois, com a P+L, você e seus colaboradores já começam a trabalhar certo desde o início. Ao contrário do que possa parecer num primeiro momento, grande parte das medidas são muito simples. Algumas já são amplamente disseminadas, mas, neste guia, elas aparecem organizadas segundo um contexto global, tratando da questão ambiental por meio de suas várias interfaces: a individual relativa ao colaborador; a coletiva referente à organização; e a global, que está ligada às necessidades do país e do planeta. É provável que, ao ler este documento, em diversos momentos, você pare e pense: “mas isto eu já faço!” Tanto melhor, pois isso apenas irá demonstrar que você já adotou algumas iniciativas para que a sua empresa se torne mais sustentável. Em geral, a P+L começa com a aplicação do “bom senso” aos processos, que evolui com o tempo até a incorporação de seus conceitos à gestão do próprio negócio.

É importante ressaltar que a P+L é um processo de gestão que abrange diversos níveis da empresa, da alta diretoria aos diversos colaboradores. Trata-se não só de mudanças organizacionais, técnicas e operacionais, mas também de uma mudança cultural que necessita de comunicação para ser disseminada e incorporada ao dia-a-dia de cada colaborador.

É uma tarefa desafiadora, e que, por isso mesmo, consiste em uma excelente oportunidade. Com a

P+L, é possível construir uma visão de futuro para a sua empresa, aperfeiçoar as etapas de planejamento, expandir e ampliar o negócio, e o mais importante: obter simultaneamente benefícios ambientais e econômicos na gestão dos processos.

(Parte 1 de 10)

Comentários