(Parte 3 de 5)

Seguir a experiência é a solução mais segura, embora nem sempre conduza à solução mais econômica.

Resumindo, pode-se indicar a seguinte rotina para seleção de materiais:

1 – Conhecer os materiais disponíveis na prática e suas limitações físicas e de fabricação.

2 – Selecionar o grupo mais adequado para o caso tendo em vista as condições de trabalho, corrosão, nível de tensão etc.

3 – Comparar economicamente os diversos materiais selecionados, levando em conta todos os fatores de custo.

A comparação de custos deve ser feita comparando a relação custo/resistência mecânica ou seja, a comparação deve ser feita entre preços corrigidos que serão os preços por kg multiplicado pelo peso específico e dividido pela tensão admissível de cada material.

Na comparação de custos dos materiais devem ainda ser levados em consideração os seguintes pontos:

- Resistência à corrosão ( sobreespessura de sacrifício ). - Maior ou menor dificuldade de solda

- Maior ou menor facilidade de conformação e de trabalho - Necessidade ou não de alívio de tensões.

Materiais Custo

Relativo Materiais Custo

Relativo

Aço-carbono estrutural 1,0 Ferro fundido 0,95

Aço-carbono qualificado 1,15 Alumínio 2,5

Aço-liga 1,25Cr – 0,5 Mo 3,1 Latão de alumínio 7,6 Aço inoxidável tipo 304 1,5 Metal Monel 31,8

Aço inoxidável tipo 316 15,0 Titânio 41,0

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

BAIXO CUSTOREPRESENTA

TUBOS DE AÇO-CARBONO ( Chamados de uso geral) EXCELENTES QUALIDADES MECÂNICAS 90% DOS TUBOS FÁCIL DE SOLDAR E DE CONFORMAR DAS INDUSTRIAS

UTILIZADO PARA: Água doce, vapor, condensado, ar comprimido, óleo, gases e muitos outros fluidos pouco corrosivos.

450ºC para serviço severo

480ºC para serviço não severo LIMITES DE TRABALHO

520ºC máximo em picos PELA TEMPERATURA

370ºC começa deformação por fluência

530ºC oxidação intensa (escamação) -45ºC torna-se quebradiço

PARA TEMPERATURAS ABAIXO DE 0ºC E ACIMA DE 400ºC É RECOMENDADO A UTILIZAÇÃO DE AÇO-CARBONO ACALMADO ( 1% de Si)

UNIFORME (ferrugem) E O CONTATO DIRETO COM O SOLO CAUSA CORROSÃO ALVEOLAR PENETRANTE.

RESISTÊNCIA À CORROSÃO (utiliza-se com revestimento ou joga-se com sobreespessura).

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

Altas temperaturas

Baixas temperaturas CASOS GERAIS DE EMPREGO Alta corrosão

Necessidade de não contaminação Segurança

Aços-liga são todos os outros aços que contêm outros elementos, além dos que compõem os aços-carbono. Melhora resistência a fluência

Aços-liga, para tubulações, destaca Mop/ altas temperaturas

duas classes importantes Mo+Cr Melhora resistência a oxidação

Nip/ baixas temperaturas

Aços inoxidáveis são os que contêm pelo menos 12% de Cr que lhes conferem a propriedade de não se enferrujarem mesmo em exposição prolongada em uma atmosfera normal.

Corrosão intergranular pela precipitação de carboneto

AUSTENÍTICOde Cr – Sensitização (T>450)

(não magnéticos)

Pelo ion cloro (Cloretos,Hipo
Aços inoxidáveis podem sercloreto etc.)

Corrosão alveolar provocada

FERRÍTICO (magnético)

AISI METALURGICA Cr Ni OUTROS Máxima Mínima

304 Austenítica 18 8 600 -255 304 L Austenítica 18 8 C (max.): 0,03 400 sem limite 310 Austenítica 25 20 600 -195 316 Austenítica 16 10 Mo: 2 650 -195

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

A-53
Aço-carbono A-106Tubo preto
ASTMA-120 Preto ou Galvanizado

NO CASO DE TUBOS AS ESPECIFICAÇÕES MAIS COMUNS SÃO: Aço inoxidável A-312

Tabela de Exemplo para o ASTM A-106 DIÂMETROS COMERCIAIS DOS TUBOS DE AÇO

Norma ANSI. B.36.10Aço Carbono e Aço Liga
Norma ANSI. B.36.19Aço Inoxidáveis

TODOS OS TUBOS SÃO DESIGNADOS POR UM NÚMERO CHAMADO “DIÂMETRO NOMINAL IPS” (Iron Pipe Size) ou “BITOLA NOMINAL”

Até 12” o Diâmetro Nominal não corresponde à nenhuma dimensão física do tubo; a partir de 14” o Diâmetro Nominal coincide com o diâmetro externo dos tubos.

A ABNT ADOTOU A ANSI B.36 DESPREZANDO A POLEGADA DO DIÂMETRO NOMINAL USANDO O NÚMERO COMO DESIGNAÇÃO.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

Para cada Diâmetro Nominal fabricam-se tubos com várias espessuras de parede, denominadas “séries” ou “schedule”.

P= Pressão interna de trabalho em psig .

Série = S P1000 onde:

(Parte 3 de 5)

Comentários